Banner superior
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Évora Sem Pavor – O Trail dos Sem Medo

Por terras do Sem Pavor

Num magnífico dia de outono, o I Trail Sem Pavor conquistou os atletas logo no primeiro olhar. Nas fraldas da serra, na aldeia de Valverde, concentraram-se cerca de 350 atletas, capazes de vencer os medos daquele dia. Sair de casa é sempre a primeira vitória, participar no Trail Sem Pavor é uma conquista que sabe bem do primeiro ao último passo.

sem-pavor

Em Évora corre-se, corre-se muito. Já Giraldo, O Sem Pavor corria, e na frente dele os que lhe fugiam por esses campos fora. Estava na hora de trazer à serra, ao montado, aos caminhos, aos trilhos, às planícies orvalhadas, aos ribeiros, riachos e regatas, os que correm por gosto e disso fazem a sua aventura de todos os dias.

Sem Pavor

No dia 23 de outubro correu-se sem medo e o trail por estes lados, nunca mais será o mesmo. Estreantes, apaixonados e curiosos aceitaram o desafio. O dia desenrolou-se lindo, com um sol envolto numa cortina fresca que permitia que a corrida rolasse branda, sem pó, sem pavor.

Sem Pavor

Os caminhos do Eldourado

O Alentejo não tem apenas planícies e o I Trail Sem Pavor, encarregou-se de servir uma refeição com muitos desafios e com várias possibilidades de percursos, diferentes, mas todos com uma certa dose de encanto, de chamamento, de convite à superação possível para todos. A essa chamada responderam muitos, na expetativa, é certo, mas na condição de fazer a festa com a sua presença e com a sua determinação.

 

Com uma caminhada de 8k, que percorreu os mais variados ambientes e terrenos, os atletas puderam desfrutar da riquíssima paisagem de um Alentejo identitário e único, capaz de oferecer trilhos desafiadores e de mostrar elementos patrimoniais de grande interesse e beleza. Pontes, ribeiras, aquedutos, quintas, conventos, campos, montado, aldeia. Ao ritmo de quem passeia e de quem desfruta do que o mundo cá fora tem para oferecer. Foram 150 os que caminharam neste enquadramento outonal com a boa disposição em primeiro plano.

Sem Pavor

 

O trail curto, com um percurso rico em trilhos e paisagens misteriosas, desenvolveu-se nuns francos 18k de caminhos desafiantes e também rolantes. Uma visita aos Cromleques dos Almendres, uma passagem pelo Pólo da Mitra da Universidade de Évora e a certeza de que o caminho ia surgindo diante dos nossos pés, prontinho a ser vencido, prontinho a ser conquistado.

 

Os Giraldos Sem Pavor que se aventuraram nos 30k, correram e sofreram e assim venceram as dificuldades de uma prova dura, com percursos embrenhados na serra e single tracks capazes de desafiar os mouros e os seus perseguidores mais diretos. Escadas sobre vedações, ribeiras, subidas puxadas e descidas em vertigem, trilhos, estradões e uma açorda no topo da “Maldita” que soube a um pedaço de céu, daquele céu que quase se tocava nesse dia, pela elevação da conquista, pela satisfação da corrida.

Sem Pavor

Os vencedores do Trail Sem Pavor

Trail Curto

1º João Canelas – Évora Nigth Runners – 1.26.50, 2º Nuno Morgado – Individual – 1.29.04, e 3º Rui Casquinha – Correr em Giesta – 1.29.40, estes dois ultimos envolvidos num despique final, para obterem a melhor classificação.

Em femininos a vitória foi para Myriam Gauthier – Évora Night Runnerss – 01:46:51, Inês Pinto – DIMP – 01:47:53 obteve o 2º e o 3º foi para Carla Leite – Clube SEM – 01:49:33

Trail Longo

Ezequiel Lovo – Individual – 2.42.54 foi o vencedor em masculinos, seguiu-se António Antas – Furões do Alentejo – 3.02.08, e Joaquim Santos – Borba Trail – 3.04.26, completou o pódio.

Emília Silveira – Individual – 3:41:07, venceu com o 2º e 3º lugares a serem obtidos por Sofia Nunes – Sunset Runner – 4:12:15 e Ana Adro – Salamandrecos – 4:29:07

Sem Pavor

Conquista alcançada

Pela adesão, pela satisfação geral e pela experiência realizada, o I Trail Sem Pavor cumpriu os objetivos a que se propunha. Foi uma enorme aventura que contou com todos.

A promoção do evento assentou no envolvimento de toda a comunidade, tendo a autarquia eborense servido de lebre, numa corrida, que começou muito antes do dia 23 de outubro. Para o ano a certeza de quem o Trail Sem Pavor tem que sair à rua, tem que voltar a surpreender e tem que ser capaz de trazer novidades, para superar as ideias criativas com que esta primeira edição contou.

Abastecimentos muito generosos, peculiares até. Trilhos únicos, nunca antes percorridos. Comunidade local na rua para aplaudir e incentivar quem corria. Organização irrepreensível e um acompanhamento muito próximo, com as marcações a atingirem o nível da perfeição e com gente onde mais falta fazia. Sem espinhas. Sem pavor.

Sem Pavor

Sem Pavor

O único medo que agora persiste é o de que, para o ano a organização seja capaz de contar com a determinação dos vencedores e nos brindar com mais uma excelente prova… medo, porque dessa forma não terei desculpa para ficar em casa…nem eu…nem nenhum dos que faz da corrida e do trail em particular, a sua forma de estar na vida que, apesar de ser mais do que corrida, corre muito bem quando corremos atrás dos nossos objetivos. Sem Pavor ou a conquista do dia-a-dia vivido entre amigos, nesta linda paisagem de um Alentejo sem fim, onde o Giraldo continua a olhar por nós…

Texto: Nuno Camelo
Fotos: Cedidas por Pedro Janeirinho – Desafio Sul / Évora Desporto

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta