Banner superior
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Francisco Campos 18.º na etapa para sprinters

Francisco Campos, 18.º classificado, foi hoje o melhor português na sexta etapa da Volta a França do Futuro, uma ligação de 139,1 quilómetros, disputada a alta velocidade entre Montrichard e St-Amand-Montrond, e ganha pelo colombiano Álvaro José Hodeg.

Francisco Campos
Francisco Campos

Última etapa para velocistas e roladores

Foi a última oportunidade para os sprinters.

Amanhã é dia de descanso e na sexta-feira corre-se a primeira das três etapas alpinas.

A última etapa para velocistas e roladores, percorrida à impressionante média de 46,170 km/h, foi animada, de princípio ao fim, pelo italiano Francesco Romano e pelo irlandês Michael O’Loughlin, que escaparam ao pelotão pouco depois da partida e foram alcançados com a meta à vista.

A corrida acabou discutida ao sprint e o colombiano Álvaro José Hodeg foi o mais rápido, relegando o polaco Alan Banaszek para o segundo lugar e o alemão Konrad Gebner para o terceiro posto.

Francisco Campos o melhor português

Cinco corredores da Equipa Portugal chegaram à meta com o mesmo tempo do vencedor: Francisco Campos, 18.º, Tiago Antunes, 40.º, Hugo Nunes, 81.º, José Neves, 88.º, e André Carvalho, 109.º.

Rui Oliveira, massacrado pela queda da véspera, alinhou à partida, depois de o departamento médico entender que estavam reunidas as condições clínicas para isso. O corredor português foi o último da etapa, na 136.ª posição, a 16m36s.

O austríaco Patrick Gamper continua no topo da geral individual. Tem 1m23s sobre o bielorrusso Ilya Volkau e 3m45s sobre o dinamarquês Kasper Asgreen.

Os grandes candidatos ao triunfo final integram o lote de 91 corredores que estão a 3m49s do comandante.

Portugal na luta

É a essa diferença que se encontram os lusos Tiago Antunes, 25.º, Hugo Nunes, 52.º, e Francisco Campos, 72.º. José Neves, 98.º, e André Carvalho, 99.º, estão a 4m28s do camisola amarela. Rui Oliveira ocupa a 134.ª posição, a 34m17s.

Equipa portuguesa Jose Neves – Rui Oliveira – André Carvalho – Tiago Antunes – Hugo Nunes – Francisco Campos

A primeira fase da Volta a França do Futuro, teoricamente mais fácil pela ausência de montanha, terminou hoje, ao cabo de seis etapas desgastantes, marcadas pela alta velocidade.

Segue-se um dia de descanso e, entre sexta-feira e domingo, três etapas nos Alpes.

Nas primeiras etapas tentámos discutir as etapas e estivemos quase sempre entre os primeiros.
Nas próximas etapas entram em cena outros protragonistas, corredores que sofreram muito nesta fase inicial.
Tenho esperança que consigamos estar com os melhores”, afirma o selecionador nacional, José Poeira.

Próxima Etapa

25 de agosto: 7.ª Etapa: St-Gervais Mont-Blacn – Hauteluce-Les Saisies, 118,4 km (3241 metros de acumulado)

A entrada no território alpino faz-se com uma etapa de três contagens de montanha, duas de segunda categoria e uma de primeira (15,6 km a 5,7 por cento), esta coincidente com a chegada.

A primeira grande seleção de candidatos irá acontecer aqui.

Mais informação aqui.

Mais artigos sobre esta volta em:

Portugal luta por um bom resultado na Volta a França do Futuro

Rui Oliveira 12.º na primeira etapa da Volta a França

Queda afasta portugueses do sprint

Rui Oliveira nono na terceira etapa

Rui Oliveira quarto classificado na etapa do Futuro

Aspirações intactas em etapa eletrizante para Portugal

Sobre o Autor

Artigos relacionados

1 Comentário

  1. Pingback: José Neves melhor português na montanha - Opraticante

Deixe uma Resposta