Banner superior
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Portugal Ultra Triathlon supera Triatlo mais longo do Mundo

O Portugal Ultra Triathlon terminou este fim de semana com os participantes a conseguirem superar o desafio desportivo de 11,4 quilómetros de natação, 540 quilómetros de ciclismo e 126,6 quilómetros de corrida, naquele que é o ultra triatlo com maior distância entre o ponto de partida e chegada a nível mundial.

Portugal Ultra Triathlon
Flávio Francisco (staff), Luís Madeira (estafeta), Luís Sommer Ribeiro (staff), Diogo Simão (solo) e Manuel Maria Correia (estafeta) constituíram a equipa Aventura Solidária

Portugal Ultra Triathlon uniu o Estuário do Rio Minho ao ponto mais ocidental da Europa

Diogo Simão efetuou o desafio a solo e foi o primeiro a concluir o percurso iniciado no Estuário do Rio Minho ao tocar no marco geodésico do Cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa, ao fim de 57 horas e 50 minutos, ao mesmo que a equipa de estafetas Aventura Solidária, constituída pelos atletas Luís Madeira, Manuel Maria Correia e Pedro Brito.

 

Rui Pedras também participou a solo, tendo conseguido o feito de terminar o exigente desafio após 75 horas e 22 minutos, integrando a lista de atletas que conseguiram finalizar a primeira edição do Portugal Ultra Triathlon.

11,4 km a nadar, 540 km de ciclismo e 126,6 km de corrida, o triplo de um triatlo longo

O Portugal Ultra Triathlon tem um percurso total de 678 quilómetros, sendo a distância em linha reta entre partida e chegada de 356,5 quilómetros, um novo máximo mundial.

Rui Pedras, Diogo Simão, Pedro Brito e Manuel Correia

O desafio iniciou-se às 6 horas e 10 minutos do dia 31 de maio, quinta-feira, tendo a parte de natação sido cumprida pelos primeiros em menos de 2 horas e 30 minutos, com Diogo Simão e a estafeta a alcançarem a vila de Caminha pouco depois das 9h30 da manhã, beneficiando das condições favoráveis proporcionadas pelo Rio Minho.

Já o segmento de ciclismo, que uniu a vila de Caminha ao Cartaxo, brindou os participantes paisagens fantásticas, mas também com chuva e vento.

Manuel Correia, Diogo Simão e José Lima

A longa distância a percorrer obrigou a progredir durante a noite, tendo os primeiros atletas chegado à cidade do Cartaxo por volta das 17 horas de sexta-feira, onde aproveitaram para se refrescar e alimentar antes de iniciar o exigente segmento de corrida, que os levou até ao Cabo da Roca, no concelho de Sintra.

O percurso de corrida incluiu um exigente troço de trail no acesso ao Cabo da Roca, o qual dificultou a progressão dos atletas pela sua tecnicidade e desnível.

Diogo Simão, Luís Sommer Ribeiro e jovens acompanhantes

No entanto, este foi superado pelos primeiros atletas, que chegaram ao ponto mais ocidental da europa quando os relógios batiam as 16h00 de sábado.

“Desafio único a nível mundial”

Diogo Simão afirmou: “O Portugal Ultra Triathlon é sem dúvida um desafio único a nível mundial.
A beleza do seu percurso e o espírito de companheirismo, solidariedade e entreajuda é tão ou mais importantes do que o resultado desportivo.
Fico feliz por ter conseguido superar o desafio desportivo, com um tempo bem melhor do que o esperado, mas ficarei ainda mais realizado se o objetivo solidário também for alcançado”.

“Portugal é um país fabuloso, lindo, mas tratem-no bem!”

Por seu lado, Rui Pedras afirmou: “O Portugal Ultra Triathlon constituiu uma jornada fantástica de solidariedade quer com as instituições que pretende apoiar, quer entre as pessoas que nos apoiaram durante os 678 quilómetros da viagem, a família, os amigos e os novos amigos que fomos fazendo.
Portugal é um país fabuloso, lindo, mas tratem-no bem!
Por favor, apoiem as instituições em causa.
Elas necessitam e agradecem.

“Cada segmento do Portugal Ultra Triathlon é, por si só, um enorme desafio”

Já a equipa constituída por Luís Madeira, Manuel Maria Correia e Pedro Brito foi unânime em afirmar: “Cada segmento do Portugal Ultra Triathlon é, por si só, um enorme desafio.
Tivemos o privilégio de poder concluir, mas mais importante foi fazer o seu percurso e aproveitar cada quilómetro para desfrutar da prática do desporto e da vida ao ar livre, com um objetivo solidário.
Estamos empenhados em fazer da vertente solidária desta iniciativa também um sucesso e, por isso, apelamos a todos que sejam solidários e contribuam”.

Recolha de contribuições para apoiar instituições prossegue até dia 30 de junho

Rui Pedras e Diogo Simão

O Portugal Ultra Triathlon não é um mero desafio desportivo, é uma aventura solidária.

Todos os portugueses são convidados a participar na iniciativa de recolha de fundos que vai beneficiar quatro instituições que contribuem para a promoção do ambiente, do desporto ou da saúde e vida saudável em Portugal: a Associação Jorge Pina, a Associação Edificar a Esperança, a Casa do Povo de Lanhelas e um projeto a desenvolver na área do Parque Natural de Sintra Cascais.

Os fundos obtidos serão atribuídos a projetos específicos, não podendo ser utilizados em gastos de funcionamento ou outros fins.

De salientar que, sendo o Portugal Ultra Triathlon uma iniciativa sem fins lucrativos, os saldos sobrantes dos patrocinadores serão também doados no âmbito desta iniciativa.

Para recolher as contribuições de todos, foi criada uma conta específica na Caixa Geral de Depósitos com o NIB 0035 0127 00058650 030 20, sendo também possível a contribuição através do site da aventura solidária em www.portugalultratriathlon.com

Instituições beneficiárias.

Associação Jorge Pina

A Associação Jorge Pina destaca-se pelo papel desempenhado na integração de jovens carenciados ou com necessidades especiais através do desporto.

A sua missão é promover valores como a cidadania ativa, a paz, o bem-estar psíquico e social através da prática desportiva e de atividades lúdicas para jovens.

No último ano, Jorge Pina, ex-pugilista, atleta português paralímpico e mentor e fundador da Associação Jorge Pina, foi agraciado com a mais distinção de Local Hero atribuída pela Comissão Europeia, na Cerimónia Oficial de entrega dos Prémios da Semana Europeia do Desporto 2017.

Associação Edificar A Esperança

A Associação Edificar A Esperança tem como missão apoiar vítimas de traumatismo crânio-encefálico, estando a apoiar Susana Palma, uma praticante de desporto na natureza que se encontra numa situação clínica difícil e requer significativos cuidados de saúde.

Casa do Povo de Lanhelas

A Casa do Povo de Lanhelas, localizada no concelho de Caminha, foi fundada em 1939, e atua na vertente social, cultural, desportiva e recreativa.

Equiparada a uma Instituição Particular de Solidariedade Social, desenvolve atividades nas áreas de Creche, Jardim-de-Infância e Centro de Dia, além de outros serviços que beneficiam bebés, crianças, jovens e idosos.

A promoção da prática desportiva e da saúde e hábitos de vida saudável faz parte do seu propósito.

Será também apoiado um projeto na área do ambiente na zona de influência do Parque Natural de Sintra Cascais, ainda a definir.

Mais informações sobre o Portugal Ultra Triathlon.

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta