Banner superior
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

ACD São João da Serra faz dobradinha em Paranhos

No panorama actual do atletismo nacional onde há uma proliferação de provas cujo impacto é somente de curto de prazo, o verdadeiro desafio está na apresentação de uma prova com qualidade e conseguir realizar esta ao longo de muitos anos, a Volta a Paranhos que o ACD São João da Serra dominou é um delas.

Partida

Poucas são as provas que atingem os verdadeiros marcos históricos de longevidade e podem-se contar quase pelos dedos das mãos aquelas que atingem a marca histórica dos 60 anos e que foi o caso da Volta a Paranhos que aconteceu esta sexta-feira (8) na cidade do Porto.

A 60ª Volta a Paranhos foi uma organização do Sport Comércio e Salgueiros, Câmara Municipal Porto, Porto Lazer, e parte técnica ao encargo da FullSport e faziam parte do evento uma corrida cronometrada de dez quilómetros e ainda uma caminhada pais e filhos de quatro quilómetros.

 

Percurso exigente pelas ruas de Paranhos

O percurso competitivo da Volta a Paranhos teve a sua partida e chegada na Rua Alfredo Allen junto ao pólo universitário e percorreu as ruas desta emblemática freguesia portuense. O trajecto da prova é condizente com a antiguidade da prova pois é um percurso à antiga num sobe e desce constante e a exigir força aos atletas.

Depois da partida no empedrado junto às faculdades, a corrida começava logo em ritmo de subida e em ruas estreitas que levava os atletas até à sede do Salgueiros. O ritmo aqui era lento visto as ruas serem estreitas e na sua maioria com carros estacionados nas bermas.

A descida levava a uma primeira passagem na meta e entrando logo em dois quilómetros de ascensão até à zona do Marquês, passando nas imediações do antigo estádio Vidal Pinheiro.

A partir daí, os atletas podiam recuperar na descida da rua da Constituição para depois se ter os quatro últimos quilómetros que são um verdadeiro sobe e desce até se fazer nova passagem no último quilometro rumo à meta.

O percurso é sobretudo em asfalto mas com alguns pontos em empedrado nomeadamente na partida / chegada e em algumas subidas. Em suma, é um percurso exigente e desafiador para os atletas e quem quer fazer grandes marcas terá certamente de se aplicar.

Hugo Santos da ACD São João da Serra o vencedor

Hugo Santos ACD São João da Serra vence competição masculina

O grande vencedor da 60ª Volta a Paranhos foi Hugo Santos da ACD São João da Serra com um tempo final de 30:28min. O atleta que em 2015 tinha ficado pela décima posição e no ano passado em segundo lugar, alcançou este ano a tão desejada vitória na prova. Nas palavras do atleta, foi uma vitória muito desejada e alcançada depois de uma parte inicial lenta a controlar até à zona do Marquês e depois atacar rumo à vitória. Na segunda posição ficou Rui Muga do Clube Académico de Mogadouro com 30:53min e na terceira posição Luís Mendes do Maia AC com 30:57min.

Pódio masculino

Justyna Wojcik vence competição feminina

Na competição feminina, a grande vencedora da prova foi a ex-atleta da casa Justyna Wojcik que agora representa as cores da ACD São João da Serra com um tempo final de 36:24min. A atleta de origem polaca havia sido quarta classificada na edição transacta. Os restantes lugares do pódio foram ocupados por atletas do Sporting Clube Portugal com Francisca Borges na segunda posição com 36:47min e Diana Almeida na terceira posição com 37:08min.

Pódio femino

A prova teve vencedores por escalões e estes foram os seguintes:

No plano masculino venceram Hugo Santos da ACD São João da Serra (Sen), Artur Rodrigues do Grupo Desportivo e Cultural do Guilhovai (VET40), Sérgio Sousa da ACD São João da Serra. (VET45), Antonio Fernandes do Grupo Desportivo e Cultural do Guilhovai (VET50), Joaquim Silva do C.P.T.B. Carcavelos (VET55) e Pedro Terra do S.S.T.S.J.M. Serviços Sociais Pessoal Município S. João da Madeira (VET60),

No plano feminino venceram Justyna Wojcik do ACD São João da Serra (Sen), Regina Gilvaz do Núcleo de Atletismo de Cucujães (VET40), Lucinda Sousa do Gondomar Futsal Clube (VET45), Alice Couto do C.F. Oliveira do Douro (VET50), Rosa Rosa do Nascidos para Correr – Associação Desportiva (VET55) e Adelaide Veludo do Amigos Quinta das Freiras (VET60)

Organização melhorada para a edição deste ano

A edição do ano passado da Volta a Paranhos tinha sido marcada por alguns problemas organizativos e para a edição deste ano ficou prometido pela organização a implementação de algumas novidades de forma a corrigir esses erros.

O levantamento do kit da prova decorreu sem problemas, nem demoras. Do kit fazia parte uma t-shirt técnica de manga comprida, um bolo e no final, água e medalha de finisher. Para um preço de inscrição de dez euros é um kit razoável e dentro do que se oferecem aos atletas nas outras provas. Faltou talvez apenas uma peça de fruta no final da prova. Certamente era mais saudável que um bolo.

Uma melhoria apresentada este ano foi a existência de um guarda-roupa. Para uma prova deste nível com parceria com a CP fazia todo sentido colocar um guarda-roupa à disposição sobretudo aos atletas que viajam de transportes púbicos e que sejam fora do Porto.

Perto da partida havia vários WC`s ao dispor dos atletas. A limpeza do local também não foi descurada havendo vários depósitos para lixo.

Outro aspecto adicionado à prova deste ano foi a disposição dos atletas por boxes por tempos na linha de partida e que cujo tempo tinha de ser confirmado no acto da inscrição. Uma intenção certamente muito válida por parte da organização mas que no final de contas quase nada trouxe pois ainda faltavam dez minutos para a partida da prova e já todos os atletas presentes na linha de partida já tinha galgado as fitas separadoras das boxes e estavam todos misturados. Culpa dos atletas que não souberam respeitar e também culpa dos elementos da organização que deviam separar as boxes por barras metálicas até bem perto o inicio da partida.

Manto de neblina cobre o evento

A prova decorreu sob um manto de neblina que se formou após uma noite de chuva. Aquando do aquecimento para a prova ainda se faziam sentir alguns pingos de chuva mas esta deu tréguas aos atletas durante a prova.

Apesar do frio que se fazia sentir, a prova teve a maior participação da sua história e com os mais de dois mil atletas a encherem com alegria e disposição as ruas de Paranhos após o tiro de partida dado pela vencedora do ano passado Marisa Barros. Como mencionado anteriormente os três primeiros quilómetros de prova são feitos a ritmo lento visto ser grande o aglomerado de atletas e as ruas serem estreitas.

 

Em vários pontos do percurso foi visível o apoio popular para com os atletas ou não estivéssemos nos numa das zonas mais emblemáticas da cidade invicta. O público de Paranhos te um grande apreço pelo Salgueiros e pela Volta a Paranhos.

A prova teve um abastecimento de água ao quinto quilómetro e registe-se ainda a existência de depósitos para as garrafas vazias. Pela negativa, há a registar as águas estarem geladas, tanto aqui como as entregues no final.

A prova teve ao longo do seu percurso placas informativas da sua quilometragem.

O final da prova regeu-se pela tranquilidade com os atletas a receberem a sua água e a sua medalha num espaço lateral e afastado da meta. Recorde-se que no ano passado, aconteceu grande confusão na entrega das medalhas visto esta ter sido feita logo em cima da linha de meta.

A vencedora Justyna Wojcikda ACD São João da Serra

60ª Volta a Paranhos foi um sucesso

A edição deste ano da Volta a Paranhos teve um total de 2200 finalizadores, um recorde e juntamente com os presentes na caminhada, foram um total de 3000 participantes que marcaram presença neste evento de aniversário do Salgueiros.

Participar na Volta a Paranhos é “quase que obrigatório” os aficionados de atletismo. É uma prova com um ambiente único em que se pode dizer que a competição dá lugar à confraternização. É bonito ver a mistura de atletas veteranos com os atletas mais novos que se iniciam agora nestas andanças.

A 60ª Volta a Paranhos apresentou melhorias em relação ao ano passado e pode-se dizer que foi um sucesso. A melhorar talvez o kit oferecido aos atletas e o sistema de boxes de partida que em boa verdade não levou a nada pois não foi respeitado.

Como os organizadores aprenderam com os erros do passado para melhorar a edição deste ano, certamente irão aprender com os erros deste ano e apresentar no próximo ano mais uma Volta a Paranhos de grande nível e parabéns ao Salgueiros pelo seu 106.º aniversário.

Texto: Nuno Fernandes
Fotos: Pedro VidinhaVidinha de Barrete

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta