Amarante voltou a receber a Meia Maratona em festa!

Após o sucesso das duas edições anteriores, a cidade de Amarante acolheu no passado domingo 19 de fevereiro 2017 a 3ª edição da meia-maratona António Pinto. A Associação Desportiva de Amarante é a promotora deste evento com o apoio institucional do município. Trata-se do maior evento no âmbito do atletismo na cidade e contou com cerca de 1.200 participantes nas duas vertentes da prova: corrida e mini/caminhada.

Dulce Félix foi a atleta convidada para ser madrinha da prova. Manuel Mendes, atleta que obteve a medalha de bronze pelo terceiro lugar na maratona dos jogos paralímpicos do Rio de Janeiro 2016 foi o convidado especial da organização. E o ex-atleta António Pinto, natural de Amarante, grande homenageado e Padrinho da prova não quis ficar de fora e participou na prova correndo ao lado dos atletas.

 

Manuel Mendes de branco

O dia solarengo, encomendado pelo presidente da câmara de Amarante Dr José Luís Gaspar a São Pedro – “falei pessoalmente com São Pedro”, como referiu quando questionado pelo speaker da prova, Nelson Pais, a lembrar os primeiros dias da primavera que se avizinha, foi o elemento essencial para o sucesso da prova a par das alterações efectuadas pelos organizadores no percurso.

Da esquerda para a direita: António Pinto, Dr. José Luís Gaspar e Dulce Félix

Este ano a partida foi deslocada para o Largo de Santa Luzia junto ao Solar de Magalhães, lugar histórico e emblemático da cidade, permitindo desta forma os atletas desfrutar daquele local. Na parte final da prova foi eliminada a súbida que muitos atletas apelidaram como o “prémio de montanha” ou ainda “a subida da morte”. Estas alterações tornaram o percurso já de si com algum grau de dificuldade, mas mais amigável para os atletas. No final da prova eram muitos os atletas que manifestavam o seu agrado pelas alterações efectuadas.

Partida no Largo de Santa Luzia

Este ano como elemento da organização presenciei a prova na linha da frente assistindo à corrida a partir do carro-relógio tendo uma perspectiva invejável. Eram 10 horas quando foi dado o tiro de partida. Assistir ao início de uma corrida na qual temos a cargo a sua organização é um momento de grande emoção e satisfação, pois trata-se da concretização de semanas de trabalho árduo para o sucesso daquele instante.

Logo nos primeiros quilómetros formou-se o grupo que iria disputar os primeiro lugares masculinos, com Nuno Costa e Vitor Oliveira, ambos do Maia AC, Bruno Paixão do Beja Atlético Clube e Rui Muga do Clube Académico do Mogadouro a destacarem-se dos restantes atletas. Por volta do km 10, Nuno Costa assumiu a liderança da prova que o iria levar à vitória. Bruno Paixão ainda tentou manter-se próximo do líder da corrida tendo terminado a cerca de um minuto.

O grupo que perseguia a vitória

Emocionante foi a disputa metro a metro na reta da meta pelo último lugar disponível do pódio entre Vitor Oliveira e Rui Muga tendo o atleta do Maia AC levado a melhor sobre o atleta do Mogadouro. Doroteia Peixoto, a atravessar um bom momento de forma assumiu a liderança desde o tiro de partida para finalmente cortar a meta em primeiro lugar.

 

Doroteia Peixoto

Nuno Costa vence a 3ª Meia Maratona de Amarante

A terceira edição foi vencida de forma incontestável pelo Nuno Costa, natural de Amarante, com o tempo de 1:06:30, seguido por Bruno Paixão com 1:07:41 e Vitor Oliveira com 1:08:00.

Pódio masculino, Bruno Paixão, Nuno Costa e Vitor Oliveira

Doroteia Peixoto alcança a segunda vitória em Amarante

No setor feminino a prova foi dominada por Doroteia Peixoto que à semelhança do Nuno Costa assumiu desde bem cedo a liderança da prova tendo completado a prova em 1:14:41, vencendo desta forma 2 das 3 edições da prova. Carla Martinho ficou com o segundo lugar, obtendo a mesma classificação que na edição anterior com 1:16:26.

Marisa Barros completou o pódio naquela que foi a sua primeira participação com 1:17:25.

Pódio feminino, Carla Martinho, Doroteia Peixoto, Marisa Barros

Paulo Costa 44º da geral e Ana Correia 5º do escalão F40, ambos atletas da Associação Desportiva de Amarante, foram os primeiros atletas amarantinos a cortar a meta com os tempos de 1:19:53 e 1:36:19 respetivamente.

O bolo fálico de São Gonçalo

No final os participantes receberam a medalha de finisher e o tradicional bolo fálico de São Gonçalo, iguaria indissociável da cidade e da prova.

Bolo fálico de São Gonçalo

Record  batido

Esta edição foi mais participada de todas, tendo recebido atletas de várias regiões do país, nomeadamente da região de Lisboa, Portalegre, Bragança. Teve um número Record de estrangeiros sendo de destacar um atleta do Canadá e outro do Quénia, para além dos nossos vizinhos espanhóis. Esta heterogeneidade de atletas vem demonstrar que esta corrida faz parte do calendário de provas a realizar e com lugar consolidado no panorama nacional.

Esta corrida é uma prova organizada por atletas para atletas e por esse motivo é tão acarinhada pelos seus participantes. Como elemento de uma organização não  poderia terminar este texto sem deixar de mencionar e agradecer aos restantes elementos da organização António Mendes, Elisabete Ribeiro e Luís Mendes que fizeram com que este evento tenha tido o sucesso das edições anteriores.

Como Diretor de Prova tive o privilégio de tirar esta fotografia com atletas do Sociedade Recreio Cepanense que compareceram com 23 atletas.

[divide icon=”circle”]

Texto: Davide Pinheiro
Fotos: Município de Amarante, Elisabete Ribeiro e Padaria Pardal

Parceiros

Deixe uma resposta