ARAÚJO COM REGRESSO MUITO ATRIBULADO

Araújo

Foto: BMR – by Manuel Rocha

Para além dos problemas mecânicos que enfrentou, o bracarense Hugo Araújo sofreu um delicado problema de saúde que o afetou profundamente no domingo e quase o impedia de competir.

Mas, mesmo muito debilitado fisicamente, Hugo Araújo ainda levou o BMW M3 ao 4º lugar da Divisão Turismo 2.

A 41ª Altice Rampa Internacional da Falperra ficará para sempre na memória de Hugo Araújo e não pelas melhores razões, mesmo que as mesmas nada tivessem a ver com a entrega, rapidez e eficácia do jovem talento bracarense.

E o fim-de-semana até começou de forma auspiciosa, com Hugo Araújo a colocar o BMW M3 no comando da tabela de tempos dos carros da Divisão Turismo 2 na primeira subida de treinos.

Texto: VMotores
Fotos: BMR – by Manuel Rocha 

Regresso muito atribulado de Hugo Araújo às lides da Montanha

Mas, de forma inglória, a sorte terminou aí.

A embraiagem cedeu na segunda subida de treinos o que nos impossibilitou de ver que tempo seria possível fazer quando aumentássemos o ritmo, pois, apesar de termos ficado com o melhor tempo dos T2 na subida inicial, eu tinha noção de que tinha ido muito controlado e com pneus velhos”, revelou o piloto.

O problema mecânico inviabilizaria a participação na única subida de prova incluída no programa de sábado da rampa, pois a equipa foi forçada a levar o BMW M3 para as instalações e fazer “horas extraordinárias” para substituir a embraiagem, de forma que Hugo Araújo alinhasse no domingo.

O piloto tinha um foco claro: “o meu objetivo era colocar a fasquia na casa dos 2:25 na subida inaugural de treinos, para depois, já com pneus novos, tentar atingir a marca de 2.19, nas duas subidas de prova, batendo assim o meu melhor tempo na Falperra, com o Subaru, que é na casa dos 2:20”.

E na referida subida de treinos até fez melhor: 2:24.

Estava montado um cenário que parecia ser muito favorável. Só que o pior aconteceu.

“foi um sacrifício físico e mental”

Hugo Araújo teve uma súbita indisposição, com dores muito fortes e só a sua garra e espírito de sacrifício o levaram a estar presente nas duas subidas finais a contar para a classificação.

Foto: BMR – by Manuel Rocha

Assim, o piloto fez as subidas decisivas “sempre com dores cada vez mais fortes e foi um sacrifício físico e mental tremendo concluir as subidas”.

Mesmo assim, os tempos alcançados levaram-no ao 4º lugar final na Divisão Turismo 2.

Depois, já à noite o cenário mais grave ficou confirmado quando num exame complementar de diagnóstico lhe foram diagnosticadas uma cólica renal e uma pedra nos rins, estando agora o piloto em repouso e sob medicação.

Em jeito de balanço e reflexão, Hugo Araújo enfatizou que “é nas adversidades que geramos sabedoria e aprendizagem e é isso que nos levará ao sucesso.

Não ter nada por garantido. E assim foi, com o apoio de todos os amigos que estiveram presentes fisicamente, mas também “online”, com um grupo de amigos, pilotos e respetivas assistências sempre ao nosso lado tudo se tornou mais merecedor do sacrifício!”.

Como tal, o bracarense agradece “à equipa técnica que nos acompanhou e que encarou todos os desafios de sorriso no rosto e aos patrocinadores que tornaram possível esta participação”, terminando com a sua pública expressão de “Foram incríveis. Bem hajam!”.

Parceiros