Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Arsénio Santos escolher entre continuar ou desistir

Arsénio Santos foi o primeiro participante as 100 Milhas do One Hundred Douro FKT, que teve de desistir por lesão, quando se ia bem lançado para ser o primeiro recordista.

Infelizmente a lesão obrigou-o a uma escolha, desistiu em prol da sua saúde, da sua recuperação, mas ficou a vontade de voltar.

E estivemos há conversa com o Arsénio Santos, conhecê-lo e perceber o que se passou para não concretizar esta aventura.

Arsénio Santos iniciou-se no desporto através das corridas de orientação, passando, depois, para as corridas de aventura, onde ficou a conhecer o trail.

Nos trails curtos ganha o gosto pela modalidade e de prova para prova foi elevando a fasquia passando assim para provas acima dos 100km.

A maior distância percorrida foi na prova ALUT-Algarviana Ultra Trail.

Mas a prova que mais o marcou foi EstrelAçor por causa da distância que nunca tinha corrido até então, da dificuldade técnica e do desnível acumulado.

Arsénio Santos

Arsénio Santos que te levou a participares neste evento?

Eu tive conhecimento da prova através das redes sociais e juntei o facto de, por coincidência, ir de férias até Trás-os-Montes.

Para além disso, conhecia muito bem o percurso, pois cresci na aldeia de Vilarinho de Cotas, perto do Pinhão, concelho de Alijó, e podia contar com a família para apoiar-me durante o percurso.

Arsénio Santos

Efetuaste alguma preparação especial?

Infelizmente, não o fiz.

Apesar de estar convicto de que seria um bom desafio para mim, a data foi escolhida na terça-feira dia 18 e o desafio foi no domingo dia 23.

Andava, antes do desafio, a treinar para outras provas de trail a realizar ainda este ano.

Arsénio como traçaste os teus objetivos para superares a marca do João Andrade?

Os meus objetivos para superar a marca do João era manter um ritmo sempre acima do “fantasma” dele, alimentar-me constantemente e cuidar da hidratação.

Arsénio Santos

Como decorreu a tua prova, qual a tua maior dificuldade no seu decorrer, conseguiste apreciar o percurso ?

Apesar de ter alguma experiência em ultramaratonas e nesta distância, a maior dificuldade foi perceber se estava a fazer um bom balanço entre a nutrição e o esforço.

Passados uns quilómetros essa dúvida dissipou-se porque a “crew” estava sempre ao nosso lado, incomum nas provas de trail onde temos de gerir a nutrição de outra maneira.

Eu, felizmente, conheço o percurso: é o local mais lindo do mundo e, seja de dia ou de noite, consegue-se sempre apreciar.

O que sentiste quando tiveste de desistir Arsénio?

Foi a primeira vez que desisti numa prova.

Ao km 90 vinha com um bom ritmo, abaixo dos 5:30.

Comecei a sentir dores fortes no pé direito, na zona do tendão de Aquiles.

Ainda forcei por mais 17km, mas percebi que se continuasse a lesão ficaria pior.

Fiz uma escolha inteligente. Sacrificar-me e aumentar a lesão e andar condicionado por muito tempo para recuperar dela ou mesmo arranjar algo permanente.

Tinha duas escolhas:

Continuar a forçar e aumentar a lesão, aumentar o tempo de recuperação ou mesmo poder arranjar uma lesão permanente;

A outra escolha seria parar de imediato, ter uma recuperação rápida e ficar pronto o mais rápido possível para os próximos desafios.

Então, sentei-me à berma e decidi que parar seria a escolha mais sensata.

Custou imenso ter de abandonar o desafio, mas felizmente estou recuperado do tendão de Aquiles e já estou a treinar normalmente.

Arsénio Santos

Preferes correr contra ti mesmo ou contra outros corredores?

Eu gosto de dizer que corro sempre contra mim.

Se eu planeio uma prova para acabar a um certo ritmo tento bater esse tempo.

Mesmo que não fique bem classificado e o tempo for cumprido, o objetivo é concluído com sucesso.

Arsénio Santos

Em termos psicológicos, como analisas um FKT e uma prova?

Acho que numa prova essa gestão é mais fácil porque corremos lado a lado com os outros atletas e na meta já sabemos quanto tempo fizemos e a classificação.

Num FKT, temos de estar na expectativa se o próximo atleta consegue ou não superar a marca.

Qual o teu próximo objectivo?

Além de estar atento aos desafios do João Andrade, estou a trabalhar para, no final de junho do próximo ano, executar o meu projeto AGIR360 – Azores Great Islands Run 360, que consiste em dar a volta às 9 ilhas do arquipélago dos Açores em 9 dias consecutivos.

Até lá, estou a pensar fazer o Azores Bravos Trail 55, o EstrelAçor 180 e as 24h Mem Martins.

One Hundred Douro FKT a aventura das 100 Milhas

Doze atletas foram os atletas que se desafiaram a superar este evento:

Arsénio Santos, Pedro Leonel , Carla André, Bruno Ferreira, Nuno Rocha, João Oliveira, Hélio Costa, André Cunha, Francisco Monte, André Pereira, já participaram.

Arsénio Santos, não concluiu a sua prova por lesão.

Pedro Leonel superou a marca de João Andrade e foi recordista masculino.

Carla André, superou a marca do Pedro Leonel e é o recorde feminino e foi da prova, até ser superada por Nuno Rocha.

Bruno Ferreira não chegou a participar por ter contraído uma lesão, e por não ter recuperado não irá participar nesta edição.

Nuno Rocha – 12/09 terminou a sua prova com novo recorde masculino e da prova, 16h 40m 00s.

João Oliveira – 12/09 foi o segundo participante superando o recorde de Cala André, terminando com o tempo de 18h 08 m 30s.

Hélio Costa – 12/09 terminou com o tempo de 20h 49m 51s, foi o terceiro participante superando também o recorde de Carla André.

André Cunha terminou com 19h38m30s, referindo há nossa equipa de reportagem “Exausto mas satisfeito.

Francisco Monte – 18/09 terminou com 20h14m42s, declarando “Foi uma aventura absolutamente incrível, e senti-me verdadeiramente em prova, mesmo não havendo provas nesta altura.

André Pereira – 19/09 terminou com 19h30m00s

Hugo Gonçalves e Miguel Ângelo são os dois últimos participantes, iniciaram a competição ontem ao fim da tarde.

Miguel Ângelo com João Andrade antes do inicio da aventura

Miguel Ângelo desistiu “Obrigado pelo vosso apoio infelizmente até me estava a correr, lesionei-me numa unha.

Por isso decidi e não foi de ânimo leve dar por terminada a minha aventura.

Obrigado a todos vocês por acreditarem estamos juntos

Visualize as suas declarações após a desistência.

Hugo Gonçalves a caminho do Recorde

André Rodrigues, Joel Pinto, Daniel Pereira, Toninho Maia, Nisio Ferreira, Alexandre Pinto e Bruno Coelho, com Hugo Gonçalves constituem a equipa de apoio

Hugo Gonçalves – 21/09 um atleta que gosta de Ultras, de se superar, está atualmente a cerca de 12 km da meta, acabou de passar os 148 km com o tempo de 14h02m22s.

André Rodrigues, Joel Pinto, Daniel Pereira, Toninho Maia, Nisio Ferreira, Alexandre Pinto e Bruno Coelho constituem a equipa de apoio de luxo, excelentes atletas, que o têm acompanhado e motivado para a sua superação.

Dispõe de todas as condições para superar o recorde de Nuno Rocha e ser ele o vencedor da primeira edição.

Texto: Henrique Dias – OPraticante.pt
Fotos cedidas pelo atleta

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta