Cátia e Marta terminaram prestação olímpica

Cátia

Cátia Azevedo e Marta Pen

As portuguesas Marta Pen e Cátia Azevedo disputaram hoje as semifinais dos 1500 e 400 metros, respetivamente, nos Jogos Olímpicos, terminando a sua prestação em 19.º e 17.º lugar, esta última a melhor prestação portuguesa de sempre na disciplina.

Leia também os artigos sobre a prestação portuguesa nos Jogos Olímpicos

Patrícia Mamona e Auriol Dongmo apuradas para as finais

Liliana Cá na final do disco, Irina Rodrigues ficou fora

Carlos Nascimento afastado na primeira ronda

Auriol Dongmo a cinco centímetros da medalha

Alto Calibre de Patrícia Mamona na obtenção da prata

Liliana Cá na final do disco à procura do pódio

Liliana Cá protagoniza mais um feito histórico

Pichardo voou para a final em Tóquio 2020

Marta Pen e Cátia Azevedo nas meias-finais em Tóquio

Sapporo, crónica do desconforto dos atletas

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo
Foto destaque: Cátia Azevedo (José Coelho/LUSA); Marta Pen (AFP or licensors)

“Estou feliz, obviamente que sonhava com a final” Marta Pen

Marta Pen, atleta do Sport Lisboa e Benfica (SLB) treinada por Danny Mackey, que, após protesto da Federação Portuguesa de Atletismo, por, nas eliminatórias, ter sido impedida de manter o seu ritmo à entrada da última volta, vendo goradas as suas expetativas de bater o seu recorde pessoal de 4m03,99s, foi integrada na segunda semifinal dos 1500 metros.

Alinhou com nomes como a:

holandesa Siffan Hassan, campeã do mundo na disciplina e campeã olímpica de 5000 e 10 000 metros, que nestas olimpíadas tem como objetivo renovar os títulos olímpicos e somar-lhe o de 1500 metros, e que haveria de vencer em 4m00,23s;

britânica Laura Muir, com cinco títulos europeus;

australiana Linden Hall, que há poucos minutos, na primeira semifinal, tinha visto cair o seu recorde nacional da Austrália.

Marta Pen
Marta Pen Freitas

A portuguesa, que tinha pela frente o grande desafio de chegar nas cinco primeiras posições, manteve-se até à última volta no meio do grupo.

Mas na parte final, acabou por cair para a cauda da corrida, ainda conseguindo recuperar posições, para cortar a meta em 10.º lugar, com a marca de 4m04,15s, a sua melhor nesta época e a sua segunda melhor na distância, a 16 centésimos do seu recorde pessoal.

Na geral, Marta Pen termina esta sua prestação no 19.º lugar.

Estou feliz, obviamente que sonhava com a final, mas a prova de 1500 metros é extremamente tática.

Podia ter-me posicionado e gerido a prova um bocadinho melhor, mas estou satisfeita, porque foi a melhor marca da época, consegui a marca de qualificação para os próximos mundiais e espero em Paris 2024 fazer melhor”, disse Marta Pen no final.

Cátia Azevedo num histórico 17.º lugar para Portugal

Pouco mais de meia hora depois, Cátia Azevedo, atleta do Sporting Clube de Portugal (SCP) treinada por Carlos Silva, disputou a quarta semifinal dos 400 metros.

Na partida alinhou com nomes como a

gigante Allysson Felix, dos EUA, com seis medalhas de ouro em Jogos Olímpicos;

ou Stephenie Ann McPherson, da Jamaica, com esta última a vencer, com a marca de 49,34s, recorde pessoal e a melhor marca de todas as semifinais.

A portuguesa acabaria por terminar na sétima posição, com a marca de 51,32s, melhorando quatro centésimos em relação à eliminatória, numa semifinal onde a norte-americana fez a sua melhor marca nesta temporada e a terceira classificada, Sada Williams, bateu o recorde nacional dos Barbados, com 50,11s, que, mesmo assim, a deixaram fora da final.

A recordista de Portugal dos 400 metros (50,59s), que está na melhor época da sua carreira, termina assim esta que foi a sua melhor prestação e do nosso país, na disciplina, em Jogos Olímpicos, já que foi a primeira portuguesa a chegar a esta fase da competição, no 17.º lugar.

Cátia Azevedo
Cátia Azevedo

Estou a valer o meu recorde pessoal.

O meu aquecimento correu tão bem, mas aquela rapariga que me passou nos 200 metros deixou-me um bocadinho desconcentrada e corri mais tensa até aos 300, erro meu, não por falta de experiência, mas por estar mais tensa”, explicou a velocista, no final, em declarações à agência Lusa.

E concluiu: “Não esperava que corressem todas na casa do segundo 49, depois de terem chegado aqui com marcas de 50 segundos, mas não podemos estar à espera dos outros.

Dependemos de nós e eu saí daqui com duas marcas de qualificação para os mundiais e abaixo dos mínimos para estes Jogos.

Não foi possível uma marca abaixo dos 50, mas saio daqui bastante satisfeita.

Parceiros

Deixe uma resposta