DRAGÕES NÃO EVITAM DERROTA FRENTE AO BARÇA

Dragões

Foto: FPA

Os Dragões nunca se renderam, mas acabaram por sair derrotados no Palau Blaugrana na Ronda 12 da Fase de Grupos da maior competição europeia de clubes; Restam dois jogos cruciais para as ambições portistas.

O FC Porto chega à Jornada 12 da Fase de Grupos da EHF Champions League depois de uma derrota pesada na ronda anterior da prova europeia frente a um dos candidatos – Telekom Veszprém HC – e depois de perder o Clássico diante do SL Benfica, pela margem mínima, em jogo relativo à Jornada 18 do Campeonato Placard Andebol 1.

Não fosse esse cenário ‘negro’ o suficiente, esta quarta-feira os Dragões viram o Orlen Wisla Plock somar um triunfo na receção ao Montpellier HB, o que se traduziu em troca na tabela classificativa.

Os polacos ‘saltaram’ para o sexto posto – último lugar que garante vaga nos Oitavos de Final – e os azuis e brancos ‘caíram’ para a sétima posição.

Fonte: Federação Portuguesa de Andebol

Foto: FPA

FC Porto não foi capaz de contrariar o favoritismo do Barça

Diante do colosso Barça, onde atua o pivô internacional português Luís Frade, o FC Porto não foi capaz de contrariar o favoritismo do crónico Campeão espanhol, mas mantém esperança no apuramento para os Last 16 a começar já na próxima ronda, com a receção aos eslovenos do RK Celje Pivovarna Laško.

Tudo indica que o jogo das decisões será o da última jornada – agendada para dia 7 de março – que vai colocar frente-a-frente, Orlen Wisla Plock e FC Porto, em terras polacas.

O primeiro golo do jogo foi espanhol através de contra-ataque, com a assinatura do sueco Hampus Wanne.

O sucesso defensivo dos blaugrana – que lhes é característico – foi sendo apoiado na boa entrada de Gonzalo Perez de Vargas (4 defesas em apenas dois minutos).

Depois da vantagem de dois para os da casa (2-0 e 3-1), os Dragões aproximaram no resultado, sustentados pelo sucesso na defesa viram David Fernández assistir Rui Silva para um golo aéreo que devolveu a igualdade ao marcador.

Foto: FPA

Jogo seguia a um ritmo frenético

O jogo seguiu a um ritmo frenético, com o Barça a conquistar sucessivas vantagens mínimas aproveitando as transições rápidas e, do outro lado, o FC Porto com ataques mais pacientes a ter sucesso.

Leonel Fernandes e Nikolaj Læsø protagonizaram um parcial de 0-2 que valeu aos Dragões a primeira vantagem no encontro (7-8), à passagem do minuto 12′.

Mas nem houve tempo para respirar, pois Hampus Wanne colocou, de imediato, tudo a zeros, fazendo o quarto golo da conta pessoal.

Nova conquista na defesa espanhola, deu a Timothey N’Guessan a oportunidade de colocar o Barça na frente… e o francês não desperdiçou (9-8).

A meio do primeiro tempo, Melvyn Richardson levou a melhor no frente-a-frente com Diogo Rêma Marques – da marca de castigo máximo – e, do outro lado, Gonzalo Perez de Vargas voltou a ser feliz, negando o golo a Ignacio Plaza.

Dika Mem, no contra-golo, devolveu a diferença de dois ao marcador (12-10).

A velocidade do jogo foi favorecendo os blaugrana e o lateral direito francês – Dika Mem – voltou a ser protagonista, colocando, desta vez, a vantagem em quatro (15-11), o que obrigou Carlos Resende a pedir o primeiro time-out.

Gonzalo Perez de Vargas somou a sua décima defesa do encontro e, no ataque, foi Timothey N’Guessan a dilatar a diferença (16-11).

No entanto, um período de superioridade numérica bem aproveitado pelo FC Porto – com dois golos do internacional português António Areia – levou Carlos Ortega a parar o encontro, a cinco minutos do descanso.

Os espanhóis ainda chegaram aos seis golos à maior, mas o ponta direita português voltou a ser feliz da marca de castigo máximo e reduziu para cinco.

Dragões
Luís Frade – o único português a alinhar pelo Barça à conversa com os companheiros da equipa do FC Porto – Foto: FPA

Dragões foram para intervalo com cinco golos à menor

Foi Luís Frade – o único português a alinhar pelo Barça – o primeiro a marcar no segundo tempo e, por consequência, a devolver ao marcador a maior diferença (seis) até então.

Bastaram pouco mais de cinco minutos para a vantagem espanhola ‘disparar’ para os oito golos (26-18) com o FC Porto a pagar caro qualquer erro cometido no ataque e também por culpa do sucesso do guardião espanhol.

Carlos Resende parou o encontro, mas o filme repetiu-se: defesa de Gonzalo Perez de Vargas e concretização, em contra-ataque, por Aleix Gomez.

Apesar das investidas azuis e brancas, a diferença alcançou o patamar da dezena (28-18), ainda dentro dos 40 minutos, por Dika Mem.

Diogo Rêma Marques teve uma boa entrada em jogo, com duas defesas consecutivas ajudou o FC Porto a reduzir por David Fernández para apenas oito (29-21).

A diferença manteve-se nos oito golos, mas os Dragões continuavam sem encontrar o antídoto para ter sucesso na recuperação defensiva e quebrar a velocidade imposta pelo Barça.

Aitor Ariño colocou o seu nome na lista de marcadores (32-24) e fez o golo número 14 de contra-ataque dos blaugrana que contrasta com os apenas dois do FC Porto, na mesma fase de jogo.

Apesar do sucesso dos espanhóis, os comandados de Carlos Resende nunca se renderam e, apoiados na ajuda de Diogo Rêma Marques, foram reduzindo a diferença no marcador, acabando por sair derrotados por sete golos.

No próximo dia 28 de fevereiro os Dragões regressam a casa e terão pela frente os eslovenos do RK Celje Pivovarna Laško, que ainda não conheceram o sabor da vitória na principal competição europeia de clubes, em jogo crucial para as aspirações azuis e brancas.

O apito inicial está agendado para as 19h45 e contará com transmissão em direto no Porto Canal.

Parceiros

Deixe um comentário