ELITE MUNDIAL DO SKYRUNNING NA LOUSÃ

Lousã

Foto: Matias Novo Fotografia

É já este fim-de-semana (7 e 8 de outubro) que a Serra da Lousã recebe a elite mundial, na Louzanskyrace.

Lousã é a última oportunidade para garantir lugar na final

A prova organizada pelo Montanha Clube, estreou-se no ano passado no circuito Skyrunner® World Series e este ano antecede a grande final, que se disputa em Itália, a 28 de outubro, e à qual só os 10 melhores atletas masculinos e femininos têm acesso.

Por isso, a Lousã é a última oportunidade para garantir lugar na partida da The SkyMasters Limon Extreme 2023.

Provas desafiantes, um cenário único, em perfeita comunhão com a natureza e as gentes da Serra da Lousã,.

Um evento com uma qualidade organizativa e desportiva já reconhecida nacional e internacionalmente, é o que os participantes podem esperar, mas também as suas famílias e os fãs da modalidade, que todos os anos rumam à Lousã para usufruírem do melhor que esta região tem para oferecer.

A prova principal, com um percurso de 25 km e 2250 metros de desnível positivo, irá passar pelas aldeias da Silveira, Cerdeira e Franco, sendo que no ano passado viu cair o seu recorde, tanto do lado masculino, como feminino.

Lousã
Damien Humbert – Foto: Sportograf.com

Damien Humbert é dos inscritos, o que tem a melhor pontuação (ITRA)

Este ano conta com o segundo classificado no circuito Skyrunner® World Series, o francês da Inov8, Damien Humbert, que é, dos inscritos, o que tem a melhor pontuação no índice de performance da International Trail Running Association (ITRA), 903 pontos.

Mas o francês não terá a vida facilitada e conta com a oposição do japonês Shoma Otagiri (867 pontos ITRA), que tem já um terceiro e um segundo lugar em provas deste circuito, respetivamente na Hochkönigman, que se realizou em junho, na Áustria, e na Skyrace du Mercantour, que teve lugar em julho, em França.

Nuno Silva na Ultra Skyrunning Madeira – Photo by João M Faria

Destaque ainda para o português Nuno Silva, que parte com 855 pontos ITRA.

De referir ainda os candidatos ao título:

Danilo Brambilla (833 pontos ITRA), de Itália;
os franceses Lucas Dupuy (833 pontos ITRA) e Hugues Girad (800 pontos ITRA);
o britânico Chris Holdsworth (808 pontos ITRA);
e a armada espanhola composta por Manuel Anguita Bayo (827 pontos ITRA), Ismail Razga (ITRA 799), segundo classificado na Lousanskyrace 2022, Carlos Cipres (ITRA 795) e Eugeni Gil (ITRA 770).

Além de Nuno Silva, sublinha-se ainda a presença dos portugueses Sérgio Carneiro (ITRA 765), Tomas Estevães (ITRA 765) e Fábio Santos (ITRA 797).

Do lado feminino, a espanhola Ainara Urrutia (ITRA 721) está de volta, depois de no ano passado ter perdido na reta final para a francesa Noemie Vachon, e traz na bagagem mais dois segundos lugares em provas do circuito realizadas este ano, nomeadamente a Grigne Skymartahon e a Madeira Skyrace.

Ainara Urrutia no Grigne Skymarathon

Será desta que a espanhola sobe ao lugar mais alto do pódio?

As principais adversárias são as suas compatriotas:

Ikram Rharsalla, com melhor pontuação ITRA (741) do que Urrutia, mas com menos pontos no circuito Skyrunner® World Series;
Maria Fuentes Olcina (ITRA 715);
e Leire Fernandez Abete (ITRA 693), que este ano já venceu a Transvulcania Ultramarathon La Palma Island.

A francesa Axelle Bouvier (ITRA 655) e a alemã Lisa Risch (ITRA 648) são igualmente candidatas ao título, tal como as portuguesas Alice Lopes (ITRA 654) e Sílvia Pereira (ITRA 646).

Do programa faz ainda parte a “velhinha” Louzan 1000, prova que se realiza desde 1999 e que liga a vila da Lousã ao Trevim em 7 km de distância com 1000 metros de desnível positivo.

Integrada no circuito Portugal Sky Series, esta prova pontua para a Taça de Portugal Vertical e para a Taça de Portugal Juventude.

Os recordes dos percursos masculino e feminino foram fixados, respetivamente, em 2018 e 2001, por Guilherme Lourenço (47m42s) e por Lucinda Moreiras (1h01m01s).

Foto: Matias Novo Fotografia

Será este ano que vemos o recorde cair?

A Louzanskyrace Mini, de 16 km e 1500 metros de desnível positivo acumulado, com passagem pelas aldeias da Silveira e Cerdeira, promete também encher as medidas dos que se aventuram no seu percurso.

Não faltam relatos de dificuldade e beleza de quem já cumpriu esta prova em edições anteriores.

Todas as emoções deste evento único, que promete “ouro verde sob céu azul”, podem ser vividas na Serra da Lousã, estando preparadas zonas espetáculo, que podem ser consultadas no site do evento.

Os principais momentos vão ser partilhados nas redes sociais do evento em facebook e instagram.

Já os resultados em direto vão ser disponibilizados aqui.

Parceiros

Deixe um comentário