Filme da 7 ª Etapa – Felgueiras – Bragança – 193,2 km

Aqui apresentamos o filme da etapa de hoje, a 7ª etapa em linha, que Rafael Reis da Efapel venceu em Bragança, e é o novo Camisola Amarela.

Entramos esta quinta-feira na 7ª etapa da Volta, a mais longa da Volta a Portugal, com quase 200 km, e que terminou em Bragança.

Alejandro Marque, da Atum General Tavira Maria Nova Hotel saiu de Amarelo, com Amaro Antunes da W52-FC Porto apenas a 5 segundos e Frederico Figueiredo da Efapel a 25.

Será que nesta que é a etapa mais longa vai haver mudanças na classificação geral, quando as temperaturas ultrapassavam os 30 graus, vamos ver o se se vai passar, e aqui fica o filme da 7ª etapa.

Leia também

Prólogo, o filme da etapa – Lisboa/Lisboa 5.4 km

Filme da 1ª Etapa – Torres Vedras / Setúbal – 175,8 km

Filme da 2ª Etapa – Ponte de Sôr / Castelo Branco – 162,1 km

Filme da 3ª Etapa – Sertã/Torre – 170,3 km

Filme da 4ª Etapa – Belmonte/Guarda 181,6 km

Filme da 5ª Etapa – Águeda – Sto. Tirso 171,3 km

Filme da 6 ª Etapa – Viana do Castelo – Fafe – 182,4 km

Texto: José Morais – Noticias do Pedal
Fotos: RTP / Podium

Dia mais longo das 10 etapas:

Sétima etapa, o pelotão tem pela frente o dia mais longo da 82ª Volta a Portugal Santander.

São 193,2 quilómetros com início em Felgueiras, meta em Bragança e um constante sobe e desce, faltavam no inicio desta etapa quatro dias para o final da corrida, quatro subidas de Montanha faziam parte do trajeto do dia:

Lameira ao km 18,7 de terceira categoria;
Lixa do Alvão ao km66,7 de segunda categoria;
Serra de Padrela ao km 89,4, terceira categoria;
e Serra da Nogueira ao km 179,5, de terceira categoria;

e ainda as metas volantes estavam em:

Vila Pouca de Aguiar ao km 74,7;
Valpaços ao km 118,6;
e Torre de Dona Chama ao km144.

filme

Partida simbólica e as primeiras pedaladas:

Eram 11:56 e já se pedala naquela que seria a etapa mais longa da Volta, e relembrava-se as classificações.

Camisola amarela:

Alejandro Marque da Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel vestia a Camisola Amarela Santander, com cinco de segundos de vantagem na geral sobre Amaro Antunes da W52-FC Porto e 25 sobre Frederico Figueiredo da Efapel).

Mauricio Moreira, mais um homem da Efapel surgia na quarta posição a 1:01 minutos, com o jovem da Movistar Abner González em quinto, a 1:04, e no top 10 estavam ainda, Joni Brandão da W52-FC Porto) a 1:05, António Carvalho da Efapel) a 1:26, João Rodrigues da W52-FC Porto a 1:39, Henrique Casimiro da Kelly/Simoldes/UDO a 1:53, Tiago Antunes da Tavfer-Measindot-Mortágua a 2:34.

filme

Líder dos pontos:

Luís Gomes da Kelly/Simoldes/UDO era o dono da Camisola Verde Rubis Gás símbolo da liderança na classificação dos pontos, somava 74 pontos, com Rafael Reis da Efapel a 11 de distância, Ben King da Rally Cycling vencedor da etapa de ontem em Fafe, era o terceiro com 46 pontos.

Rei da montanha:

Bruno Silva era novo líder da montanha, vestindo a Camisola Continente, tinha 29 pontos os mesmo que Amaro Antunes da W52-FC Porto e mais cinco que Alejandro Marque da Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel e Frederico Figueiredo da Efapel.

Classificação da juventude:

Abner González da Movistar continuava com a Camisola Branca Jogos Santa Casa com 4:30 minutos de vantagem na liderança da juventude, em segundo surgia Pedro Miguel Lopes da Kelly/Simoldes/UDO, com Alex Molenaar da Burgos-BH a ser terceiro a 29:51.

filme
Efapel

Equipas:

A Efapel não largava a liderança por equipas, tinha 3:44 minutos de vantagem sobre a W52-FC Porto, com a Kelly/Simoldes/UDO a 5:08, o Louletano-Loulé Concelho e Tavfer-Measindot-Mortágua a fecharem o top 5, a 9:44 e 19:36, respetivamente.

Partida real, inicio do filme de como foi a etapa:

Eram 12:06, começava a 7ª etapa da 82ª Volta a Portugal Santander de Felgueiras a Bragança com 193,2 quilómetros, no pelotão alinharam à partida 94 ciclistas em Felgueiras, e no início da subida de Lameira o mesmo seguia compacto.

A primeira tentativa de fuga surgia, cinco ciclistas tentavam sair ao km 13, eram eles Hector Carretero da Movistar, João Rodrigues da W52-FC Porto, Tomas Contte e Carlos Oyarzún do Louletano-Loulé Concelho e António Carvalho da Efapel, tinham 10 segundos de vantagem.

Situação do pelotão:

O pelotão estava compacto ao km 15, termina assim a tentativa de fuga dos cinco ciclistas, mas, surgia nova tentativa de fuga, eram eles, Ricardo Mestre da W52-FC Porto e Bruno Silva da Antarte-Feirense, tentavam sair a três quilómetros do prémio de montanha, e juntava-se a eles Rafael Reis da Efapel.

Mas havia mais movimentações, e na frente ficavam só Ricardo Mestre da W52-FC Porto e Rafael Reis da Efapel, com 10 segundos de vantagem para o pelotão.

Primeiro Prémio de Montanha:

E na passagem do primeiro Prémio de Montanha do dia, de terceira categoria, em Lameira ao k 18,7 quilómetros, 1º era Rafael Reis da Efapel, 2º Ricardo Mestre da W52-FC Porto, 3º Lluís Mas da Movistar, 4º Mauricio Moreira da Efapel.

Entretanto o pelotão estava novamente compacto ao km 22, mas, nova tentativa de fuga, ao quilómetro 35,5 tentavam sair do pelotão 12 ciclistas, e tinham 15 segundos de vantagem.

Constituição da fuga:

Dois ciclistas chegavam, entretanto, à frente, eram 14 na fuga, e eram eles, Ricardo Mestre da W52-FC Porto;
Juan Diego Alba, Juri Hollmann e Mathias Norsgaard Jorgensen da Movistar;
Juan Lopez-Cozar e Juan Felipe Osorio da Burgos-BH;
Diego Lopez Fuentes da Kern Pharma;
Ben King e Gavin Mannion da Rally Cycling;
Rafael Reis da Efapel;
Gonçalo Amado da Antarte-Feirense;
Adrian Bustamante da Kelly/Simoldes/UDO;
e juntavam-se ainda, Roniel Campos do Louletano-Loulé Concelho e Joaquim Silva do Tavfer-Measindot-Mortágua.

Mais um abandono:

Entretanto Keegan Swirbul da Rally Cycling abandonava a corrida devido a queda, a vantagem era de 1:10 minutos do pelotão, para os homens da fuga.

No início da subida a diferença era de 1:25 minutos, mas agora ao quilómetro 50 era de 1:05.

Mais um grupo atentar a fuga:

Eram muitas as movimentações, e entretanto formava-se um grupo intermédio que estava a aproximar-se da frente da corrida, eram eles:

Samuel Caldeira e Ricardo Vilela do W52-FC Porto;
Luís Mendonça e Javier Moreno da Efapel;
Ivan Moreno da Kern Pharma;
Gonçalo Leaça da LA Alumínios-LA Sport;
António Ferreira, Vicente Garcia de Mateos e Rafael Silva da Antarte-Feirense;
Nicolas Paredes do Louletano-Loulé Concelho;
Pedro Lopes da Kelly/Simoldes/UDO;
Adria Moreno da Burgos-BH;
Nuno Meireles da Louletano-Loulé Concelho;

filme

A junção:

Entretanto o grupo intermédio apanhava a frente da corrida, que filme, a fuga tinha 27 ciclistas, com um minuto de vantagem para o pelotão.

Ao quilómetro 59, a diferença entre a frente da corrida e pelotão era de 1:49 minutos, 27 ciclistas constiutiam o grupo de fugitivos que ao km 62,2 tinham 2:20 minutos de vantagem para o pelotão.

Os fugitivos:

O grupo da frente passava o Prémio de Montanha em Lixa do Alvão, segunda categoria ao 66,7 quilómetros, quando a diferença para o pelotão nesse ponto era de 3:10 minutos.

No Prémio de Montanha segundo do dia, em Lixa do Alvão, segunda categoria ao 66,7 quilómetros, 1º era Rafael Silva da Antarte-Feirense, 2º Roniel Campos do Louletano-Loulé Concelho, 3º Gonçalo Amado da Antarte-Feirense, 4º Luís Mendonça da Efapel, 5º Ricardo Mestre do W52-FC Porto, 6º Vicente Garcia de Mateos da Antarte-Feirense.

Diferença:

Na passagem pela meta volante de Vila Pouca de Aguiar ao 74,7, a diferença entre fugitivos e pelotão era de 4 quatro minutos.

Meta Volante primeira do dia em Vila Pouca de Aguiar ao 74, 1º era Rafael Reis da Efapel, 2º Adrian Bustamante da Kelly/Simoldes/UDO, 3º Luís Mendonça da Efapel.

Ao km 77, a vantagem dos 27 ciclistas na frente aumentava para os 4:30 minutos, e cumprida a segunda hora de prova foram percorridos 80,5 quilómetros, a uma média de 40,2.

Mais de cinco minutos de vantagem:

Ao quilómetro 82,5 a diferença subia para 5:15 minutos, na frente da corrida os fugitivos passavam a contagem de Montanha na Serra de Padrela ao km 89,4.

26 ciclistas estavam na frente, Mathias Norsgaard Jorgensen da Movistar ficava para trás ainda durante a subida, já não estava entre os fugitivos.

Mais um Prémio de montanha:

Na terceira subida do dia, uma terceira categoria na Serra de Padrela ao km 89,4, o 1º era Rafael Silva da Antarte-Feirense, 2º Roniel Campos do Louletano-Loulé Concelho, 3º Nuno Meireles do Louletano-Loulé Concelho, 4º Ricardo Vilela da Antarte-Feirense.

A vantagem na passagem do Prémio de Montanha a diferença era de 5:25 minutos, Mathias Norsgaard Jorgensen da Movistar era apanhado pelo pelotão.

100 quilómetros:

Já estávamos com mais de 100 quilómetros de corrida dos 193,2 que teriam de ser percorridos na etapa de hoje, a mais longa da Volta a Portugal 2021.

Ao km 101, a diferença entre fugitivos e pelotão era de 5:10 minutos, entretanto a diferença reduzia e ao km 112 era de 4:35 minutos de vantagem sobre o pelotão.

Meta volante:

E na segunda Meta Volante do dia, em Valpaços ao km 118,6 quilómetros, 1º era Rafael Reis da Efapel, 2º Luís Mendonça da Efapel, 3º Samuel Caldeira da W52-FC Porto.

A diferença chegou a baixar ligeiramente dos quatro minutos, mas ao quilómetro 130 a fuga voltava a ganhar vantagem, 4:40 era a diferença entre fugitivos e o pelotão.

Quando estavam percorridas as três horas de corrida, a média era de 42,3 quilómetros/hora, e os 26 ciclistas da fuga aumentavam novamente a vantagem para o pelotão para os 5:15 ao quilómetro137.

Nova situação do filme da Volta a Portugal:

Os fugitivos passavam a meta volante em Torre de Dona Chama ao km 144, terceira e última Meta Volante do dia, 1º era Rafael Reis da Efapel, 2º Luís Mendonça da Efapel, 3º Ricardo Mestre da W52-FC Porto.

Na passagem pela meta volante, a diferença era de 4:45 minutos, no pelotão, a liderança ia alternando entre a Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel, a equipa do camisola amarela, Alejandro Marque, e a Movistar.

Mais um ciclista ficava para trás:

Juri Hollmann da Movistar descolava da frente da corrida, e ficam apenas 25 ciclistas na frente, entretanto mais dois ciclistas que descolavam na frente da corrida, eram eles Nicolas Paredes do Louletano-Loulé Concelho e António Ferreira da Antarte-Feirense.

Com menos de 45 quilómetros para a meta, a diferença entre a fuga e o pelotão era de 3:40 minutos, Gavin Mannion da Rally Cycling, era mais um ciclista a descolar da frente da corrida e a ficar para trás.

A fuga:

E os ciclistas da W52-FC Porto que estavam na fuga, eram os que mais trabalhavam na frente nesta fase da corrida, pelas 16:08, e a 30 quilómetros da meta em Bragança, a vantagem da fuga para o pelotão era de 4:25 minutos.

A 25 quilómetros a vantagem estava nos 4:15 minutos, entretanto Luís Mendonça da Efapel, um dos fugitivos sofria um furo, e Gonçalo Amado da Antarte-Feirense, era mais um ciclista que ficava para trás na fuga, quando Luís Mendonça da Efapel já estava novamente no grupo da frente que estava a 20 km da meta.

filme

E a fuga ia perdendo ciclistas:

Desta vez era Samuel Caldeira da W52-FC Porto, perdia o contacto com a frente da corrida, a equipa do camisola amarela, Alejandro Marque, Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel, estava na frente do pelotão.

A 20 quilómetros da meta, a vantagem da fuga para o pelotão descia para os 4:10 minutos.

Último Prémio de Montanha:

No quarto e último Prémio de Montanha do dia, de terceira categoria, na Serra da Nogueira ao km 179,5 quilómetros, 1º era Rafael Silva da Antarte-Feirense, 2º Ricardo Mestre da W52-FC Porto, 3º Ricardo Vilela da W52-FC Porto, 4º Roniel Campos do Louletano-Loulé Concelho.

Rafael Reis e Luís Mendonça

A vantagem da fuga era de 3:25 minutos, entretanto, Rafael Reis e Luís Mendonça, ambos da Efapel, estavam ao ataque na descida.

Na frente, Ricardo Mestre da W52-FC Porto descolava do grupo que perseguia os dois ciclistas da Efapel, que tinham 20 segundos de vantagem.

Ultrapassadas todas as contagens de montanha da 7ª etapa, Bruno Silva da Antarte-Feirense mantinha na liderança desta classificação, apesar de não ter hoje pontuado, mas a equipa trabalhou para que continuasse a vestir a Camisola Continente.

Rafael Reis na frente, será que vai voltar a vestir a Amarela? Que filme:

Rafael Reis está sozinho na frente da corrida, e a aí iam três, Rafael Reis vence pela terceira vez na 82ª Volta a Portugal Santander, e a emoção.

Grande corrida está a realizar Rafael Reis, três etapas ganhas, prólogo em Lisboa, primeira etapa na sua terra, Setúbal, e agora em Bragança.

Esta é a Volta em que as fugas estão a decidir os vencedores de etapa, e a Efapel a recuperar a amarela.

A estratégia da equipa resultou em pleno, não só venceu a quarta etapa da equipa nesta Volta, como está novamente com a Camisola Amarela Santander, Rafael Reis regressa ao comando da corrida, quando faltam três etapas para o fim.

filme

Classificação etapa

O vencedor da etapa de ontem, Ben King (Rally Cycling), foi segundo em Bragança, a 16 segundos de Rafael Reis. Diego Lopez Fuentes (Kern Pharma),, Joaquim Silva (Tavfer-Measindot-Mortágua) e Adria Moreno (Burgos-BH) completaram o top 5.

Classificação geral provisória:

1º Rafael Reis da Efapel 31:11.46 horas;
2º Alejandro Marque da Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel a 28 segundos;
3º Amaro Antunes da W52-FC Porto a 33;
4º Javier Moreno da Efapel a 36;
5º Diego Lopez Fuentes da Kern Pharma a 44.

O que falta da volta:

O que temos ainda para percorrer da Volta, Sexta-feira: Bragança-Montalegre 160,7 km, Sábado: Boticas-Mondim de Basto, Senhora da Graça 145,5 km, Domingo: Viseu, contrarrelógio individual 20,3 km.

Parceiros

Deixe uma resposta