Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Guimarães conquistada por Nuno Lopes e Monica Gutiérrez

O mês de Junho é por tradição marcado pela celebração dos santos populares mas entre estas festas há um feito que é aclamado, a fundação de Portugal na Batalha de São Mamede a 24 de Junho de 1128. Para dignificar este feito, Guimarães foi palco daquela que tem o cognome de Corrida dos Conquistadores!

Corrida do Conquistadores em Guimarães

A Corrida do Conquistadores aconteceu em Guimarães e foi a segunda etapa do circuito Running Wonders – Circuito de Meias Maratonas em Patrimónios Mundiais. A compor o evento esteve a meia maratona na distância de 21.097metros, uma minimaratona na distância de dez quilómetros e ainda uma caminhada com cinco quilómetros de extensão.

A equipa de OPraticante.pt esteve presente no evento e agora apresentamos todas as notas como tudo decorreu.

Caminhada

 

Percurso de duas facetas marcado pela chuva

A corrida dos Conquistadores teve partida no lendário Campo de São Mamede junto ao Castelo de Guimarães e chegada na Alameda Dr. Alfredo Pimenta junto ao estádio local.

Aos atletas era proposto um percurso desafiante e trabalhoso onde nos primeiros quilómetros, as ruas do centro histórico de Guimarães foram o atractivo e numa segunda fase da prova, os atletas já percorriam as ruas já mais fora da cidade, onde a passagem pela pista de atletismo dos Gémeos Castro era o ponto alto.

Partindo do Campo de São Mamede, em Guimarães, o primeiro quilometro de prova era em franca descida até ao centro histórico. A partir daí, as ruelas estreitas, irregulares e repletas de história dominavam o cenário que foi declarado património mundial da Unesco em 13 de Dezembro de 2001.

Labirinto pelo centro histórico

Os quatro quilómetros iniciais da prova foram percorridos num autêntico labirinto pelo centro histórico de Guimarães, onde a passagem junto à Igreja de Nossa Senhora da Oliveira era o ponto guia para os menos conhecedores do local.

A passagem do quarto ao oitavo quilometro era talvez a fase mais calma dos dez quilómetros iniciais onde se destacam as passagens junto ao complexo desportivo do Vitória Sport Clube e pelo parque da cidade.

Para os atletas da minimaratona, os dois últimos quilómetros da prova tinham como destaque a passagem pelos jardins do campo da feira e a passagem junto ao largo do Toural antes de terminarem a prova.

Para os atletas da meia maratona, o principal obstáculo da prova estava superado e a segunda parte da sua prova era mais calma, tanto em termos de piso como de altimetria.

Nestes últimos onze quilómetros de prova, podemos fazer uma divisão em dois segmentos, o primeiro segmento com seis quilómetros onde os atletas rumavam ao parque da cidade desportiva e davam uma volta à pista de atletismo dos gémeos Castro e os últimos cinco quilómetros com uma ida junto à rotunda na entrada de Silvares e consequente retorno para a meta, sendo que o ultimo quilómetro de prova era muito exigente e sempre em terreno ascendente.

guimarães

Percurso exigente e molhado

O percurso da corrida dos Conquistadores, não é um percurso fácil. Para quem foi somente correr a minimaratona deparou-se com um percurso em que 90% da sua extensão era em empedrado e muitas vezes em mau estado, o que é de esperar já que estamos a correr num centro histórico de uma cidade.

Já os atletas da meia maratona de Guimarães, tiveram na segunda metade da prova um piso mais regular e próprio para se correr sem grandes problemas e que certamente ajudou a recuperar algum tempo perdido nos quilómetros iniciais.

Este ano, ao contrário de anos anteriores, a prova decorreu debaixo de chuva. A saída do Campo de São Mamede foi atribulada com muita lama e com algumas paragens para se evitarem as poças de água que se criaram. Muitos foram os atletas que correram nos primeiros quilómetros com medo das quedas pois piso empedrado e chuva é uma mistura ideal para quedas e como tal não estranho ver nos primeiros quilómetros, algumas quedas de atletas e muitos a correrem pelos passeios laterais.

Em suma, o percurso da corrida dos Conquistadores é um percurso interessante e rico em cultura. Para quem procura boas marcas na meia maratona terá de saber defender-se bem do piso empedrado nos primeiros quilómetros e depois conseguir recuperar na segunda metade de prova. Para quem somente vai participar na minimaratona, que se prepare pois o piso não é o mais ideal para boas marcas, No global. este é um percurso que dignifica e muito a cidade de Guimarães.

Nuno Lopes vence corrida dos Conquistadores

À partida para esta prova em Guimarães, o brasileiro Paulo Paula da RunTejo que havia vencido a meia maratona do Douro Vinhateiro o mês anterior era tido como o principal candidato a vencer em Guimarães. Nos primeiros quilómetros de prova formou-se um grupo com Paulo Paula, Nuno Lopes, Licínio Pimentel e Nuno Costa. Paulo Paula ainda se isolou, mas acabaria alcançado e no final, a luta foi a dois com Nuno Lopes. No quilómetro dezoito de prova, o português desferiu um ataque para vencer a prova isolado com 1h05min31s. Paulo Paula acabaria a 15 segundos. A completar o pódio ficou Licínio Pimentel do Sporting Clube de Portugal com 1h07min10seg.

Em declarações à imprensa, Nuno Lopes mencionou que a prova é dura e não é propicia para tempos, mas que graças ao apoio do público e das pessoas que com ele trabalham conseguiu ter a confiança para levar a melhor sobre Paulo Paula.

 

Mónica Gutiérrez vence competição feminina

Na vertente feminina da corrida dos Conquistadores, a vitória sorriu para a atleta espanhola Mónica Gutiérrez que pouco após o tiro de partida se isolou e e controlou sempre as operações para vencer de forma isolada com 1h13min27seg. A completar o pódio ficou a azarada Carta Martinho do Recreio Desportivo de Águeda que ao quilometro seis sofreu uma queda com 1h16min51seg e Marisa Barros do Sport Comércio e Salgueiros com 1h17min46seg.

Note-se que nesta edição da prova foram batidos os recordes da prova tanto a nível masculino como feminino que estavam na posse de Ricardo Ribas (1h07min12seg em 2017) e Marisa Barros (1h15min05seg em 2014).

Vencedores por escalão

No que toca aos vencedores por escalão, a meia maratona teve os seguintes vencedores:

Na vertente masculina triunfaram Jorge Freitas do ACD Ases Sta. Eufémia (Juniores), Nuno Lopes (Séniores), Bruno Silva do Águias De Alvelos (M35), Paulo Paula da RunTejo (M40), António Silva do Nascidos Para Correr (M45), João Cavadas (M50), Joaquim Lopes do Clube Desportivo São Salvador Do Campo (M55) e Pedro Terra do S.S.T.S.J.M (M60).

Na vertente feminina venceram Mónica Gutiérrez (Séniores), Marisa Barros do Sport Comércio e Salgueiros (F35), Carla Martinho do Recreio Desportivo de Águeda (F40), Madalena Silva (F45), Lídia Pereira do Gdr Granja – Trutas Mau(F50), Rozelaine Franzin (F55) e Elvira Reis do S.M.M Atletismo (F60).

Minimaratona

Davide Figueiredo vence minimaratona dos Conquistadores

O grande vencedor da prova de dez quilómetros que complementou o evento foi David Figueiredo do Clube Desportivo São Salvador Do Campo que cortou a linha de meta isolado com 31.44min. Na segunda posição ficou José Pires do Sociedade Recreio Cepanense com 32.37min e na terceira posição João Figueiredo, filho do vencedor da prova que representa os Figueiredos Runners & Friends com 33.32min.

Sónia Barros triunfa na competição feminina

Na vertente feminina da prova, a grande vencedora foi Sónia Barros da Riofit com 39.40min. A completar o pódio ficaram Elisabete Lopes do N.A. Taipas com 40.37min e Ana Ribeiro do Ginásio da Trofa com 41.55min.

No que toca aos vencedores por escalão, a minimaratona teve os seguintes vencedores:

Na vertente masculina triunfaram David Martins (Juniores), José Pires do Sociedade Recreio Cepanense (Seniores), Ramiro Ribeiro (M35), Hélder Oliveira (M40), Davide Figueiredo do Clube Desportivo São Salvador Do Campo (M45), José Carneiro (M50), Fernando Figueiredo (M55) e João Ribeiro do Clube Atletismo Vila Boa Bispo (M60).

Na vertente feminina venceram Juliana Ferreira (Juniores), Sónia Barros da Riofit (Seniores), Liliana Gonçalves (F35), Elisabete Lopes do N.A. Taipas (F40), Paula Salgado (F45), Helena Lobo do N.A. Taipas F50), Conceição Silva do N.A. Taipas (F55) e Alice Ferreira da Asafnc (F60).

OPraticante.pt

A equipa de OPraticante.pt esteve representada nas duas distâncias do evento. Na meia maratona estiveram Tiago Lopes (90º geral / 26º sénior) – 01h30min43seg e Nuno Santos (470º geral / 82º M40) – 01h55min07seg. Na minimaratona participaram Paulo Silva (160º geral / 29º M35) – 48:10min e Helena Santos (585ª geral / 67ª sénior) – 01h08min20seg

Prova com boa organização da GlobalSport

Sendo esta uma prova integrada no circuito Running Wonders – Circuito de Meias Maratonas em Patrimónios Mundiais previa-se que teria uma excelente organização e de facto isso foi comprovado ao longo de todo o evento.

A partida da prova foi no Campo de São Mamede e a chegada foi na Alameda Dr. Alfredo Pimenta. Na partida estava todo um espaço para uma boa partida da prova, com tudo bem isolado, sinalizado e com um palco para se fazer o aquecimento a quem o desejasse. O que não estava no guião era a muita lama que tinha no local devido à muita chuva que se fez sentir antes e durante a prova. Para cómodo dos atletas, a organização colocou na partida um espaço para guarda-roupa que depois era transportado para um local junto da chegada.

No local da chegada da prova era onde funcionava todo o grande espaço do evento. No espaço lateral à avenida estavam todas as valências ao serviço dos atletas. Espaço de guarda-roupa como mencionei, espaço de massagens, espaço para se refugir da chuva e mudar de roupa e tendas dos patrocinadores. Todo o espaço estava devidamente isolado e sinalizado. Ainda perto do local estavam os balneários onde se podia tomar um banho quente após a prova.

Em termos de organização de espaços antes e após a prova, tudo estava definido de forma exemplar e onde nada de errado há a apontar.

 

Bom kit oferecido aos atletas

Devemos dar uma nota de agrado à organização por nos permitir levantar o dorsal da prova depois do secretariado ter fechado o seu horário de expediente.

O secretariado funcionou num espaço cultural da cidade não muito afastado da chegada da prova e aquando do levantamento do dorsal, os atletas recebiam um saco com o dorsal mais chip, uma garrafa de vinho, t-shirt técnica alusiva à prova, barra energética, amostras de creme para a pele e folhetos promocionais.

Após a prova, os atletas recebiam para além da medalha finishers, um bom abastecimento final que incluía águas, leite, fruta, gelatina, chocolate e barra enérgica. Para um preço de inscrição a rondar os 14/17 euros na meia maratona, o que os atletas receberam está a um bom nível.

Chuva afastou público da prova

Devido ao facto de as condições climatéricas estarem muito adversas, a chuva não deu tréguas durante toda a prova, o evento teve pouca afluência de público nas ruas de Guimarães. Aquando da passagem pelas ruas do centro histórico, tudo estava deserto e poucas pessoas se viam na estrada a aplaudirem os atletas.

Após a prova, pouca gente se manteve no local para assistir à cerimónia protocolar e mal terminavam a prova e recebiam o abastecimento, depressa saiam do local para se refugiarem da chuva que caía incessantemente.

Em termos de organização do percurso, este esteve organizado a bom nível com toda a sinalização de quilometragem e de abastecimentos sempre presente. Para além disso, em todos os cruzamentos a prova esteve devidamente isolada.

Bom número de abastecimentos

Não que as condições climatéricas assim o exigissem, mas a organização tomou todas as precauções para uma excelente hidratação dos atletas tendo colocado abastecimentos a cada 2.5 quilómetros. Nos abastecimentos mais avançados para além de águas, havia ainda bebida isotónica, bebida energética e laranja.

Em todos os abastecimentos foi notório o cuidado ambiental já que havia espaço para se depositar o lixo, embora nem todos os atletas respeitem esses intentos.

De notar ainda que o abastecimento do km7.5 estava mal colocado. O local escolhido foi na descida dos jardins do campo da feira, um local em empedrado totalmente perigoso e com várias garrafas no chão que fez alguns atletas caírem no local.

Corrida dos Conquistadores, uma prova que merece mais afluência

A corrida dos Conquistadores é uma prova que para quem gosta de correr no centro histórico de uma cidade repleta de história tem aqui a sua prova de eleição. É uma prova que merece uma maior participação do que aquela que teve este ano.

É certo que as condições climatéricas não ajudaram e certamente afastaram alguns participantes, principalmente da caminhada, mas mesmo assim os números apresentados são satisfatórios, na meia maratona teve 644 finalizadores o mesmo número do ano passado e na minimaratona, 619, um número inferior aos 719 do ano passado.

Estes números observados juntamente com os números globais de todas as edições da prova, mostram que o evento está a perder afluência de atletas. Entre os atletas diz-se que a prova é dura e com muito empedrado, outros preferem ir a corrida de São João da cidade vizinha que acontece no dia em antes, cabe agora à promotora verificar se está satisfeita com estes números e caso não esteja, tem de promover melhorias para atrair mais atletas à sua prova.

Texto: Nuno Fernandes
Fotos: Globalsport

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta