Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

João Correia: «Treino em casa não é novidade»

No seguimento da entrevista efectuada a Carina Paim, segue-se João Correia, que expressa os seus sentimentos sobre o adiamento dos Jogos Paralímpicos e a sua preparação atual. Na próxima semana, teremos aqui Carolina Duarte e Miguel Monteiro.

Porque para além dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, também os Jogos Paralímpicos sofreram o mesmo adiamento.

Mais, o surto de coronavirus também trouxe mais cancelamentos e adiamentos de outras competições internacionais a uma franja de atletas que já tinham conseguido a sua cota de qualificação para esses mesmos Jogos Paralímpicos.

Agora existe uma espera até 2021, sem também se perceber se ainda haverá época e alguma competição para eles em 2020. Contudo, os atletas não perderam a esperança e têm conseguido encontrar ânimo e capacidade de treino .

João Correia

João Correia: «Treino em casa não é novidade»

Quanto a João Correia (37 anos), internacional em cadeira de rodas (classe T51), mais pragmático, acha o adiamento correto, mas ficou surpreendido com a altura escolhida para o anúncio.

«Soube da notícia do adiamento dos Jogos, após um treino, já em confinamento. Fiquei surpreendido, porque as notícias oficiais, transmitidas pelo COI e IPC, não apontavam para uma decisão tão drástica.

Há que lamentar a demora na comunicação da decisão, que provocou níveis de stress muito elevados a atletas que ainda não tinham conseguido garantir o apuramento», referiu.

Contudo, adianta, «a cada dia que passa, percebo que foi a decisão mais acertada, porque a saúde e segurança dos atletas, treinadores e de todos os agentes envolvidos neste processo devem estar sempre em primeiro lugar».

João Correia e a Treinadora

«O objetivo está lá.»

Para o atleta do Maratona Clube de Portugal, a data apenas adia a ocasião. O objetivo está lá. «Sem dúvida! O sonho paralímpico continua vivo! Por enquanto, o jogo mais importante é o da saúde! Vamos todos ganhar essa medalha, salvando o máximo número de pessoas possível! Mais tarde, lutaremos pelas outras!»

João Correia é um dos atletas habituados a “treino à distância”, pois a sua treinadora é a britânica Jennifer Archer, responsável técnica da maior academia de atletismo em cadeira de rodas em Inglaterra, e afirma que os treinos estão «a correr bem.

Vinha de uma fase de pico de forma (fevereiro), dada a necessidade de assegurar a quinta posição no Ranking Mundial (de 12 meses), que abriria cota para o país.

Em março, a iniciar um novo ciclo, a minha treinadora optou por manter o mesmo plano de treino, nos próximos meses, apenas com uma única diferença, iríamos passar mais tempo a trabalhar e melhorar pequenos detalhes técnicos. O treino indoor, não é uma novidade para mim, nem tão pouco para a minha treinadora.

Sinto-me obviamente uma pessoa com sorte, por estar a ser orientado por alguém que tem vindo a aplicar o treino de rolos há vários anos nos seus atletas».

Sobre as unidades de treino, «neste momento faço dois treinos diários. O primeiro, de rolo, pelas 7h30 da manhã, antes de entrar em teletrabalho. O segundo, ao final da tarde, foca o trabalho de fortalecimento muscular, com pesos e TheraBands, finalizando com eletroterapia e exercícios de flexibilidade».

Paralímpicos
João Correia

Revolução caseira

Para elaborar estes treinos, a casa de João Correia também se adaptou: «a minha sala passou a contar com o rolo e a cadeira de atletismo. O meu quarto passou a ser o ginásio improvisado e espaço de fisioterapia».

Sobre que implicações podem trazer este tipo de treinos, atendendo a que não existem objetivos competitivos esta época, o internacional português refere ser «extremamente importante monitorizar regularmente o peso e não abdicar da qualidade dos alimentos que ingerimos, a FPA publicou recentemente um excelente artigo sobre a importância de consumirmos determinados alimentos aliados a uma boa hidratação».

«Para tentar romper as rotinas, devemos apelar à criatividade! Com as novas tecnologias é possível treinarmos com “companhia”.

Treinar diariamente em isolamento acarreta um desgaste psicológico enorme, daí os treinos de grupo online serem uma ótima ferramenta, até porque podemos acompanhar a progressão que cada atleta está a fazer.

João Correia

João Correia As lesões, neste momento em particular são de evitar!

Mas, atenção, devemos cumprir à risca com os planos de treino de cada treinador, sem exageros, são eles que melhor nos conhecem! As lesões, neste momento em particular são de evitar!

Terminado o confinamento, no meu caso em específico, enquanto velocista, terei de ajustar os timings de cada fase de corrida nos 100 metros, que em rolo são totalmente diferentes dos que em pista».

Estando a cumprir também as suas obrigações em teletrabalho, o restante tempo «é aproveitado para falar com a família, através de videochamada, e após o último treino, faço uma refeição ligeira e deito-me bastante cedo, já que no dia seguinte acordo normalmente cedo (6h), para antes de treinar dar resposta aos e-mails pessoais.

Durante o fim de semana, principalmente ao domingo, que é o dia de descanso semanal, sobra mais tempo para ajudar nas tarefas domésticas, ler, ver séries ou filmes, além de admitir que estou empenhado e a treinar arduamente para ser o próximo Master Chef de Portugal…», concluiu.

Resumo Palmarés

joão correiaNome: João Correia
Classe: T51
Local/data de nascimento: Santo Tirso, 20/07/1983
Clube: Maratona CP
Treinadora: Jennifer Archer
Recorde Pessoal: 22,01s
– Medalha de Prata nos Campeonatos Europeus em 2003 e 2005

Texto: António Fernandes (com a colaboração do técnico José Silva)
Fotos: Comunicação Federação Portuguesa de Atletismo

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta