Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

K4 no Japão com Emanuel, João, Messias e David

Emanuel Silva, João Ribeiro, Messias Baptista e David Varela vão marcar presença, no próximo ano, nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Com uma prestação repleta de união, garra, determinação e vontade de vencer, o K4 português terminou a final A do Mundial de Szeged na 6.ª posição e carimbou o passaporte coletivo para as Olimpíadas do próximo ano.

Na final deste domingo, o K4 500 metros de Portugal realizou o tempo de 1:21.11 minutos mais 1.85 segundos do que a campeã mundial Alemanha. A Espanha sagrou-se vice-campeã mundial, com a Eslováquia a assegurar a conquista da medalha de bronze. A embarcação portuguesa, refira-se, terminou “colada” às 4.ª e 5.ª classificadas, Rússia e Hungria, respetivamente, e à frente da Bielorrússia, da França e da República Checa.

Emanuel Silva concretiza a quinta presença olímpica em K4

Com este apuramento, Emanuel Silva concretiza a quinta presença olímpica, enquanto João Ribeiro, depois de ter estado no Rio de Janeiro 2016, volta a entrar no lote de atletas apurados para as Olimpíadas. Os jovens Messias Baptista e David Varela vão estrear-se nos Jogos Olímpicos.

Foi uma regata perfeita. Viemos com o objetivo de qualificar. Vínhamos conscientes daquilo que fizemos, um trabalho muito difícil. Agora, é trabalhar com a mesma ambição e acreditar que em Tóquio pode ser melhor”, sublinhou Emanuel Silva.

João Ribeiro destacou a união e a atitude do quarteto, elogiando “a fibra que todos viram”. “Fomos para a prova com a vontade de querer garantir o nosso bilhete para Tóquio. Sabíamos que todas as equipas podiam ganhar. Felizmente, conseguimos o bilhete, o que mais desejávamos”, resumiu o canoísta de Esposende.

Após destacar uma “emoção muito grande” pela qualificação olímpica, Messias Baptista realçou a “grande evolução” da equipa”. “Sabíamos que ia ser muito difícil, muito complicado”, afirmou David Varela, antes de recordar: “Saímos bem e estivemos sempre dentro do grupo”. “Não tenho palavras. Conseguimos o apuramento olímpico”, concretizou.

Eles foram uns autênticos heróis. Se não fossem unidos, uma equipa, um só, seria muito mais difícil chegar onde estão agora. Tiveram de se unir, sonhar, trabalhar duro e impor-se como sempre. Um feito histórico. A perfeita equipa de cinco”, congratulou-se Rui Fernandes, com o Técnico Nacional a considerar que “é possível sonhar com outra coisa”. “Com medalha, por exemplo. E viu-se, pois a diferença é pequena. Tudo é possível”, concluiu.

Hélder Silva

Hélder Silva termina prova de C1 200 metros no 8.º lugar

Hélder Silva concluiu a participação no Campeonato do Mundo de Velocidade e Paracanoagem, com a obtenção do 8.º lugar na final A da prova de C1 200 metros. O canoísta luso terminou com o registo de 41.36 segundos a 1.99 segundos do lituano Henrikas Zustautas, que se sagrou campeão do Mundo, em Szeged.

O bielorusso Artsem Kozyr conquistou a medalha de prata, enquanto o georgiano Zaza Nadiradze ficou com a medalha de bronze. De referir que Hélder Silva, 6.º classificado no Mundial de Montemor-o-Velho, em 2018, lutou até à meta pelo 4.º lugar, que ficou a escassos 57 centésimos de distância.

Resumo da participação

Resumindo a participação da equipa nacional de Canoagem de Velocidade no Campeonato do Mundo em Szeged na Hungria: 6 finais, 3 medalhas, 6 quotas para os Jogos Olímpicos e 1 quota para os Jogos Paralimpicos.

Os atletas que não alcançaram a tão desejada quota Olímpica ou Paralimpica, em Maio de 2020 terão mais uma oportunidade.

Texto / fotos: Federação Portuguesa de Canoagem

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta