Kasper Asgreen vence Volta à Flandres

Kasper Asgreen

Kasper Asgreen

O ciclista dinamarquês Kasper Asgreen (Deceuninck-QuickStep) bateu este domingo ao sprint o holandês Mathieu van der Poel (Alpecin-Fenix) para conquistar a Volta à Flandres, surpreendendo o grande favorito à vitória no segundo ‘Monumento‘ da época.

Texto: Lusa / José Morais – Noticias do Pedal

Kasper Asgreen bateu ao sprint o holandês Mathieu van der Poel

Kasper Asgreen, de 26 anos, ganhou a clássica de 254,3 quilómetros, entre Antuérpia e Oudenaarde, com um tempo de 6:02.12 horas, batendo ao ‘sprint‘ o holandês, vencedor de 2020 e grande favorito à vitória.

Após chegarem isolados ao final, graças a um poderoso ataque do ciclista da Alpecin-Fenix que distanciou outro dos grandes favoritos, o seu ‘arquirrival‘ Wout Van Aert (Jumbo-Visma), Van Der Poel que vinha na frente, com o ciclista da Deceuninck-QuickStep na roda, e ao lançar o ‘sprint‘ foi ultrapassado pelo dinamarquês, acabando por desistir de tentar, em cima da meta, reconhecendo a superioridade do adversário.

Novo triunfo na Bélgica

Para Kasper Asgreen o dia de hoje foi um novo triunfo na Bélgica, e desta feita o maior da carreira, após já ter vencido a E3 Harelbeke este ano – é apenas o nono ciclista da história a conseguir vencer as duas provas no mesmo ano -, e uma ‘vingança‘ do segundo lugar de 2019, quando perdeu para o italiano Alberto Bettiol.

O belga Greg van Avermaet (AG2R) fechou o pódio a 32 segundos, ‘trazendo‘ até à meta um grupo reduzido que ficou arredado de lutar pela vitória a 26 quilómetros do fim.

Foi aí que Asgreen atacou, mesmo ‘contra‘ o colega de equipa, e campeão do mundo, o francês Julian Alaphilippe, levando consigo Van der Poel e Van Aert.

Antes, a Deceuninck-QuickStep já tinha feito a seleção do grupo a partir do Molenberg, uma das quase duas dezenas de secções de empedrado, colocando um ritmo por vezes ‘explosivo‘ que deitou por terra vários candidatos.

No fim, e já depois de uma queda coletiva que ‘atrasou‘ o grupo, permitindo a reentrada dos ‘azarados‘, foi a maior força do dinamarquês a fazer a diferença.

Na frente, o trio Van der Poel-Van Aert-Asgreen transformou-se num duo de novo por iniciativa do holandês, que deixou o belga ‘pregado ao chão‘ – o segundo em 2020 foi hoje sexto, a 47 segundos – e se isolou, sendo depois apanhado pelo dinamarquês a 10 quilómetros do final, seguindo até à meta juntos.

Senti-me bem nos últimos quilómetros, por isso decidi confiar no meu ‘sprint’.

No último quilómetro, seguia na roda do Mathieu e sabia que ainda tínhamos uma vantagem, por isso segurei-me e decidi quando atacar“, contou Asgreen, após o final.

Kasper Asgreen
Kasper Asgreen

“ambos no limite”

Com “ambos no limite“, a decisão foi “por pequenas margens“, na consagração do segundo dinamarquês a ganhar a ‘Ronde‘, depois de Rolf Sorensen em 1997, no que foi “um dia perfeito” da Deceuninck-QuickStep, especializada neste tipo de clássicas e que hoje conseguiu a 14.ª vitória em 2021.

O plano era ‘saltar’ após a segunda passagem no Kwaremont, e foi o que fizemos.

A equipa esteve incrível, agradeço-lhes muito“, acrescentou.

Na estreia em ‘Monumentos‘, o português André Carvalho (Cofidis) esteve, como o compatriota Rui Oliveira (UAE Emirates), por diversas vezes na frente do pelotão, acabando por terminar a prova no 111.º lugar, a 13 minutos.

André Carvalho

Já Oliveira foi 56.º, a quatro minutos, no regresso à ‘Ronde‘, que em 2020 acabou em 65.º.

O dia ficou ainda marcado pela expulsão do belga Otto Vergaerde (Alpecin-Fenix) e do cazaque Yevgeniy Fedorov (Astana), após um desentendimento logo nos primeiros quilómetros.

Horas depois, também o suíço Michael Schär (AG2R) foi expulso da prova por atirar o bidon fora da zona permitida, para ser apanhado por um espetador, algo que vai contra as novas normas da União Ciclista Internacional, em vigor há três dias.

Parceiros

Deixe uma resposta