Kyle Murphy a vitória da persistência

O norte americano Kyle Murphy (Rally Cycling) insistiu quando os companheiros de fuga já não tinham pernas para mais.

Insistiu quando o pelotão deu tudo por tudo depois de perceber que dar mais de nove minutos de vantagem não tinha sido a melhor ideia.

Insistiu também quando Joni Brandão surpreendeu no último quilómetro e ganhou ligeira vantagem à cabeça do pelotão.

Tanta insistência tinha de dar certo e Kyle Murphy terminou vitorioso.

Leia também

Rafael Reis pulverizou a concorrência em Lisboa

Reis está imparável! Dois dias de Volta, Dois Triunfos

Texto / Fotos: Podium

Kyle Murphy
Kyle Murphy

Kyle Murphy foi o vencedor isolado

Foi um grande dia, a minha primeira vitória como profissional“, começou por salientar, sem esquecer que a Rally Cycling conta com um patrocinador português: O grupo Lusíadas.

E o que quer para o resto da Volta? Nem hesitou: “Acabar!

Destacou que o objetivo da equipa passava por um triunfo numa etapa: “Agora podemos relaxar, respirar e talvez procurar mais oportunidades“.

Marvin Scheulen

Marvin Scheulen a figura destaque da 2ª etapa

O português de origem germânica, Marvin Scheulen (LA Alumínios-LA Sport), foi o responsável pela fuga logo nos momentos iniciais da etapa, após a estreia de Ponte de Sor como cidade de partida da Volta.

Murphy seguiu-lhe a roda e pouco depois juntou-se Andrew Turner (SwiftCarbon).

Ou seja, grande parte dos 162,1 quilómetros da etapa foram protagonizados por este trio, onde Scheulen se destacou a vencer metas volantes e prémios de montanha.

O português passou a ser o novo detentor da Camisola Bolinhas Continente, que destaca o melhor trepador.

Kyle

Na fuga, Murphy só queria a etapa. Não houve calor nem vento que o intimidasse e, como vencedor do dia, somou pontos que lhe dão a Camisola Verde Rubis Gás, por liderar a classificação por Pontos.

Foi, apesar de tudo, uma etapa calma com o pelotão a correr atrás do prejuízo (desvantagem para a fuga) nos últimos quilómetros.

O ataque de Jóni Brandão (W52/FC Porto) na frente do grupo, pouco antes de cruzar a meta, foi outro motivo de animação.

O reforço da equipa azul e branca para esta temporada ganhou cinco segundos à concorrência – cortou a meta 12 segundos depois de Murphy -, mas Rafael Reis (Efapel) manteve a Camisola Amarela Santander.

Entre os mais novos, Juri Hollmann (Movistar) continua a ser Camisola da Juventude Jogos Santa Casa.

kyle

A subida à Torre pela Covilhã

Este fim de semana de tantas emoções ciclísticas começa com um dos dias mais importantes da Volta a Portugal Santander, a sempre fantástica ascensão ao ponto mais alto de Portugal Continental, a Serra da Estrela.

Serão 170,3 quilómetros da Sertã até à Covilhã com o final a acontecer no Alto da Torre, a única subida de categoria especial da corrida. A 3ª etapa tem metas volantes em Oleiros (22,7 quilómetros), Fundão (92,1) e Covilhã (150,1).

Parceiros

Deixe uma resposta