Aveiro, Maratona da Europa um grande evento

Maratona da Europa

Foto: Organização

Ocorreu a primeira edição da Maratona da Europa, um evento que pretende-se afirmar como as provas mais rápidas de Portugal. Ocorreu perto de casa, a viagem de carro seria curta desta vez e numa cidade que é conhecida como a “Veneza de Portugal”, pelos diversos canais que liga a cidade à Ria de Aveiro com os seus barcos Moliceiros para passeios turísticos, como tal, o Lobo Solitário em representação de OPraticante.pt, tinha de fazer parte deste evento, elogiado por uns, criticado por outros.

Foto: Inês Reis

Os desafios…

Maratona da Europa, um evento, que foi constituído por diversas actividades. A prova rainha, Maratona da Europa (42Km), a Meia Maratona (21KM), a Corrida (10 Km) e a caminhada (5Km), a completar o evento uma organização que conseguiu chegar a toda a família, incluindo as diversas actividades existentes para miúdos e graúdos, como por norma digo… A partir deste dia, tenho a certeza que Aveiro, será um marco no calendário desportivo com estas actividades de atletismo e com os diferentes desafios que propõe já para a próxima edição, promovendo o sucesso deste evento.

Foto: Organização

Aquecimento e o ambiente…

Depois, de participar no aquecimento de zumba, mas muito ligeiro, pois sentia-me nervoso para a prova, após as diversas fotografias que tentava tirar para tornar este evento memorável, caramba, era na minha cidade, ou melhor, na cidade mais próxima de onde habito que decidiu realizar um evento mundial, todos os registos eram poucos… Despeço-me de quem me acompanhou… Que me dá força a lutar e correr atrás dos sonhos e vou para o local de partida da Maratona da Europa… Com toda a malta curiosa e empolgada com o evento, muitos comentários foram proferidos, porque todas as provas partiam ao mesmo tempo e confesso que até eu duvidei que fosse tão bem sucedido, por toda a adrenalina que cada um se propunha a se auto desafiar…

Foto: Correr Lisboa

Tiro de Partida…

Tiro de partida, a adrenalina a saltar e apesar de ter analisado o percurso, estava curioso pelas paisagens, conheço bem a zona, mas em prova, em estrada, é sempre diferente… Uma passagem numa zona conhecida, em subida, logo no início, mas sentia-me confortável, achava que ia rápido demais para o treino realizado, mas ia na “onda”… Cerca do km 3, uma descida para libertar as tensões iniciais, ia vendo pessoas a aplaudir em diversos locais…

Foto: Correr Lisboa

Rumo a Esgueira…

Uma onda de carinho que senti nesta fase. Pessoas por todo o local, nas varandas, na estrada, incentivavam pessoas que conheciam… Ou pessoas que apenas se tentavam superar, sentia-me orgulhoso, não só pela cidade, mas pelo envolvimento dos aveirenses, têm a característica de receber bem, isso sentia-se… Mas nem sempre assim pode ser, não pode existir pessoas por todo o troço de uma Maratona… No entanto, tive o prazer de me cruzar com um amigo que em tempos partilhei o dia-a-dia profissional, uma motivação momentânea…

Foto: Inês Reis

Rumo à Avenida…

Uma zona, para testar os limites, de toda a forma, o piso não era liso, conhecendo a cidade sabia que a distância, em paralelo, seria igual em sentido contrário, nada faltava, nem apoio, nem dores… Mas ainda não estávamos a meio da prova, correr nesta zona não era de todo fácil, ver a malta a regressar e ter a perfeita noção que teria de regressar… Incentivos de desconhecidos, não só aos mais rápidos, mas entrar em qualquer desafio é sempre aliciante, principalmente alguém como eu que detestava correr…

Foto: Correr Lisboa

Rumo à Gafanha…

Uma maratona é mais do mesmo, muitas das vezes damos a pensar, em nada, em tudo, só mais um km, só mais um bocadinho, a mente não pára, pensamos o que nos faz mover, porque estamos nestes desafios, pensamos em desistir, mas tentamos combater o próximo Km… Passo pelas salinas, uma zona engraçada, pelos montes de sal que são construídos pela sua extracção… Uma zona turística que recomendo e mais… mais… Alcatrão… Sim, é uma maratona,a Maratona da Europa… Ahahahah … após esta zona de estrada deserta, começo a entrar na zona habitacional… Espectáculo, a moldura humana e o apoio que se podia sentir, bandeiras da maratona por todo o lado, desde o primeiro ao ultimo Km.. excelente… Continuava orgulhoso…

Rumo à Barra…

Mais uns km’s, mas desta feita uma zona mais desafiante a nível psicológico, pois era o meio da prova e uma zona meio deserta, vos confesso ao km 25, caminhei, um pouco, realinhando a mente e o corpo, mas tinha de me tentar superar, melhor que a última, visto que esta seria a segunda maratona… Mas ao passar nesta zona (Barra), pessoas não faltavam a aplaudir e a incentivar os “loucos”, aqui só participavam os loucos da maratona… Depois do km 28, as cãibras deram um ar da sua graça e que raio, tive de caminhar… Mas, entretanto, surge uma câmara, tive de sorrir… Ah e de correr… Parece que fica mal caminhar… Ahahahah

Foto: Correr Lisboa

Voltando pela Gafanha…

Ao regressar, tinha de percorrer outra vez a zona da Gafanha, mas o público estava lá, em força, desta vez, apoiava os “loucos” de forma diferente, o discurso tinha mudado, apesar das pessoas deveriam de ser as mesmas… “Já falta pouco!”… “Parabéns, campeões!”… “O pior já passou!”… “Está a quase!”… Brincava, porque o quase, é que custa… Normalmente, brinco com isso… Pessoas, sem pertencer à organização da Maratona da Europa cediam garrafas de água, estavam envolvidas no evento… Parabéns a todos que se envolveram de corpo e alma… Nesta fase, encontrei um participante da maratona que se estava a desafiar, não era português, mas agradecia sempre, super simpático, mas em prova não pergunto nomes, apenas tento desafiar ao máximo e quando não aguento, motivo a continuarem… Consegui que ele tivesse um impulso durante uns Km’s, mas acabou por ficar para trás, com pena minha, decerto que concluiu…

Foto: Correr Lisboa

Onde está a meta?

Já era os Km’s que alguns tinham de gerir as cãibras, por falta de preparação, principalmente, porque tinham-se superado, porque o corpo reagiu de forma inesperada. O meu caso, não era diferente, ora caminhando, ora correndo, recebendo mensagens da pessoa que me tem apoiado, sabia que os meus filhos, pais e a ela estavam na meta, as lágrimas caíram, mas tinha de lá chegar, uma zona, sem muito apoio, mas pontualmente ia surgindo alguém, eu, como sempre ia metendo conversa e incentivava quando ouvi-a um discurso negativo ou que podia dificultar a minha subida… Ou o meu trajecto… Mas ia semi-morto…

Foto: Correr Lisboa

Os últimos minutos…

Último abastecimento, já sentia a conclusão no sangue, mas sabem, o objectivo é sempre fazer melhor que a prova anterior, sendo a segunda maratona qualquer minuto conta… Recebo mais uma mensagem… Algo, que normalmente não faço, pegar no telemóvel, mas não resisto e leio a mensagem… Lágrimas nos olhos… Uma mensagem de força, sim, sentia que estava a terminar, mas se aumentasse o ritmo, os músculos reagiam negativamente, vejo a Sé, agora seria sempre a descer… Uiiii, não estava fácil… A moldura humana em grande apoio…

Foto: Correr Lisboa

Recta da meta…

E como não podia esperar outra coisa, nem que fosse de rastos, teria de concluir a prova, a Maratona da Europa… Antes de iniciar a prova, damos uma volta ao redor da meta, ambicionamos, no final da mesma, cruzar em modo de corrida determinadas zonas, o apoio é sempre importante, seja de quem for, mas quando estás quase a saborear a conclusão e o meu filho surge ao meu lado em modo de corrida, é qualquer coisa, pela primeira vez em quase 100 provas, oiço uma voz que me diz ao ouvido, força pai, está quase…

Não aguentei as lágrimas e agarrei-me ao meu campeão em modo de choro… Simultaneamente, sou invadido por uma cãibra forte, pensei que já não me conseguia mexer mais, teimava em não passar… Senti uma energia brutal de quem estava na linha da meta, vos confesso, não sei onde arranjei forças, mas esta prova tinha de concluir, nem que fosse de rastos, de mão dada, eu e o meu campeão, lá fomos…

Manuel Carlos Martins, um dos representantes de OPraticante.pt

Pouco depois oiço a voz da minha mãe, não podia parar, mas sei que lá estavam, desculpem, mas tinha de me superar e o relógio não pára, junta-se a minha princesa (filhota), que orgulho cruzar a meta de mão dada a quem mais amo! Grato, por este momento especial!

Para completar, uma mulher, com M grande, tem-me apoiado nas minhas loucuras, chama-me louco, mas está lá nos momentos certos! Sou parabenizado pela conclusão, mas não paro de chorar, pela superação, pelas dores e principalmente pela conclusão!!!

Sem o vosso apoio, seria impossível. Grato a todos que esperaram algumas horas pela minha chegada… A terminar com o tempo de 3h58m30s, 609º na geral e 131º no escalão (Vet40), uma representação bem sucedida, ao projecto OPraticante.pt.

Também representaram a equipa de OPraticante.pt, na meia maratona Nuno Fernandes, 684º geral / 90º sénior – 02h07m58s e Patricia Silva que não completou o percurso por lesão, e Laurinda Vicente participou na caminhada.

Foto: Inês Reis

“Se você pode sonhar, você pode fazer”

Neste mundo das corridas vamos conhecendo pessoas e histórias de paixão por este desporto e a razão pela qual são motivadas a participar em determinados eventos, desafiando-se. Desta vez, estiva à fala com o Abílio Xavier, um excelente exemplo de motivação para quem se inicia. Aqui fica o seu testemunho, fico grato por querer partilhar a sua experiência:

Abílio Xavier

Abílio Xavier, 39 anos, beirão de gema, nascido em Viseu – terras de Viriato. “Adoptado alentejano de Beja” pelas vicissitudes da vida.
Pratiquei futebol durante os tempos da escola. Ao entrar no mercado de trabalho levei a “marretada”, acomodei-me, deixei as tarefas profissionais dominarem a minha vida. Rendi-me ao cansaço e ao sedentarismo. Em 18 meses engordei 42kg.
Fui pai em 2013. Dei por mim a ter dificuldades em acompanhar o meu filho nas suas brincadeiras. Pensei: mas que se passa comigo? O que é que me aconteceu? Decidi então que tinha de mudar.
Após algumas conversas com amigos decidi experimentar o mundo das corridas. Pedi dicas e conselhos a um treinador de atletismo. Estava dado o sinal de partida.
Volvidos cerca de 4 anos perdi todo o peso que havia ganho e, da dificuldade inicial em fazer 2km seguidos, passei a correr maratonas e ultra-trails.
Hoje sou um homem mais confiante, mais feliz, mais motivado. Sou mais eu. Caí e reergui-me graças ao atletismo.
Como escreveu Walt Disney: “If you can dream, you can do it” – é esta a minha filosofia de vida.”

Foto: Correr Lisboa

A opinião sobre a prova…

Desafiei o Abílio a dar uma opinião sobre a prova, apenas reforça a minha opinião sobre a mesma, porque de facto, fiquei feliz por tudo ter sido excelente.

Desde que ganhei o gosto e a paixão pelas corridas, ano após ano fui estabelecendo desafios pessoais no sentido de ter motivação extra e ir crescendo como “atleta”.

Para 2019 reservei a estreia em ultra trails e nas Maratonas.

Raramente corro provas de estrada. A minha “casa” são os trilhos e o contacto com a natureza. Contudo, aquando do anúncio oficial da Maratona da Europa, decidi que seria este evento ideal para me estrear nas maratonas.

As afinidades a Aveiro, as características do percurso, a projecção que a organização pretendeu dar a esta prova deram-me um clique. Inscrição feita, dados lançados, restava apenas perceber como poderia superar-me e cortar aquela linha de meta.

Pensei que tinha tempo mais que suficiente para me preparar. Pedi dicas, ouvi conselhos, mas…não conseguia sair de “casa”, e trilho após trilho ia deixando o alcatrão de lado.

Foto: Correr Lisboa

Como vais conseguir? Fácil…

A duas semanas da prova dei por mim a pensar: e agora Abílio? Duas semanas? Como vais conseguir? Fácil…“if you can dream, you can do it..

Chegado à linha de partida, senti o ambiente, absorvi todas as emoções, pensei em tudo, pensei no que motivava, pensei no que fui e para onde queria ir.

Os nervos fervilhavam, dei por mim a ter o tique habitual…esfregar as mãos, não por estar frio, mas sim para controlar aquela ansiedade. Este pormenor não fugiu ao olhar atento da repórter da TVI24. Naquele instante fui abordado e entrevistado em directo! Uau! Mas o que é que me está a acontecer? São cerca de 6000 pessoas!!! Porquê eu? Não era tempo para encontrar respostas.

Sinal de partida e…aqui vamos nós. Qual a estratégia de corrida? Como vou fazer 42km? Nunca tinha pensado nisso. Não havia agora tempo para pensar. Decidi concentrar-me e, km após km lançava o desafio de chegar ao próximo km. Fechava os olhos e recordava momentos felizes, recordava quem tinha estado ao meu lado nos momentos que antecederam a prova, recordava tudo o que me tinha feito mudar, recordava os motivos que me levaram a correr.

Fui rolando, rolando, as pernas pesavam cada vez mais. Cheguei a meio da distância e pensei: metade da prova está feita! A partir de agora era a contagem decrescente.

Foto: Organização

 

Mas o que é isto? Aonde estou eu?

Passagem pela Gafanha e pela Praia da Barra! Mas o que é isto? Aonde estou eu? Gente maravilhosa incansável no apoio. Não podia mesmo falhar. Dei por mim a ter asas. Sentia-me flutuar sobre o alcatrão cada vez mais quente, mas não abrandava.

Meta à vista…lágrimas de emoção rolavam no meu rosto…passadas 3h27min regressava ao ponto de partida. A satisfação e o orgulho eram indescritíveis. Consegui, pensei. A melhor recordação? O teu sorriso…sim teu…tu que me acompanhaste nesta minha aventura.

Desfrutei de cada km. Parabéns à organização. Desde a promoção do evento, ao apoio e “mimos” dados a cada atleta, denotei que tudo foi preparado ao pormenor, com dedicação e empenho. Certamente regressarei em 2020.

Maratona da Europa

Maratona da Europa…

Uma prova bem organizada, apesar de muitas críticas iniciais, nomeadamente, sobre a hora da partida de todas as provas, correu de forma brilhante. Bem organizada, com diversas opções e tudo bem pensado, de forma a se tornar o maior evento a nível nacional, mas a organização de provas, na óptica dos atletas, necessitam de um tempo maior para organizar o calendário pessoal. Mas vejo, que no futuro, será uma prova, com o tempo mais rápido de Portugal e de tudo foi bem estruturado para que nada faltasse neste evento!

Foto: Organização

E a data da próxima edição, está agendada, será a 26 de abril de 2020, reserva esta data na tua agenda, para não faltares

Parabéns e muito sucesso nas próximas edições.

 

Texto: Manuel Carlos Martins / Nuno Fernandes
Fotos: Correr Lisboa / Global Sport / Inês Reis

Parceiros

Deixe uma resposta