Marcha Atlética, Ouro e Prata nos Europeus de equipa

Equipa portuguesa que conquistou o ouro coletivo

Portugal mediu forças com os melhores europeus, nos Campeonatos da Europa de Equipas em Marcha Atlética, que se realizaram hoje, 16 de maio, em Podebrady, na República Checa.

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo

Adriana Viveiros melhor prestação portuguesa nos Europeus de Marcha Atlética

A sub-20 Adriana Viveiros, da Associação Desportiva e Recreativa de Água da Pena, conquistou a medalha de prata nos 10 km, em 47m01s, com:

recorde pessoal;
confirmação da marca de qualificação para os mundiais de sub-20 (17 a 22 de agosto, Nairobi, Quénia);
marca de qualificação para os Campeonatos Europeus de Sub-20 (15 a 18 de julho, Talin, Estónia);
melhor marca da temporada;
e terceira melhor marca nacional de sempre na distância; naquela que foi a melhor prestação portuguesa nos 10 km sub-20 femininos nesta competição.

No final, ainda com as emoções à flor da pele, Adriana Viveiros disse sobre este resultado que, embora “difícil acreditar, sabia que tinha hipóteses”.

Estou na minha melhor forma e vim com o objetivo principal de bater o meu recorde pessoal, mas acabei por conquistar a prata, o que me deixou muito feliz, mas mais ainda o ouro coletivo”, referiu.

Marcha Atlética
Pódio de Adriana Viveiros

Destaque para a prestação de Inês Mendes

Destaque ainda para a prestação de Inês Mendes, na quinta posição, com a marca de 47m23s, e:

igualmente recorde pessoal;
marca de qualificação para os europeus e mundiais de sub-20;
segunda melhor marca da temporada nos 10 km sub-20 femininos;
e quinta melhor marca nacional de sempre na distância em sub-20.

Pódio coletivo Portugal

Bruna Marques ajudou Portugal a conquistar o ouro

A chegada de Bruna Marques, do Juventude Vidigalense, na 16.ª posição, com a marca de 51m55s, a sua melhor esta temporada, que já tinha mínimos para os mundiais de juniores e que alcança agora os mínimos para os europeus.

Fechou as contas para a equipa lusa, que conquistou, assim, o ouro, naquela que foi a sua única prestação coletiva nesta edição da competição.

Inaugurando o medalheiro feminino nacional nos 10 km sub-20 nos Campeonatos da Europa de Equipas em Marcha Atlética da melhor forma, com a Portuguesa no lugar mais alto do pódio.

Futuro da marcha atlética masculina em destaque

Também do lado masculino, o futuro da marcha continuou em destaque.

Pedro Dias, do Clube Oriental de Pechão (COP), superou-se nos 10 km, ao terminar com a marca de 42m51s, com:

recorde pessoal;
marca de qualificação para os mundiais e europeus de sub-20;
e melhor marca na distância sub-20 esta temporada;
que lhe valeu o 9.º lugar e a melhor prestação portuguesa na distância em sub-20, nesta competição.

Equipa portuguesa que conquistou o ouro coletivo

Voltando ao início os Campeonatos da Europa de Equipas em Marcha Atlética

Mas voltando ao início, os primeiros a partir, naquela que foi a última edição a incluir os 50 km masculinos, foram:

o campeão nacional da distância em título Rui Coelho, do Clube de Atletismo de Seia, e Hélder Santos, do Leiria Marcha Atlética;

e, do lado feminino, nos 35 km (o programa desta edição já não incluiu os 50 km femininos), Inês Henriques, do Clube de Natação de Rio Maior.

Depois da desistência, por problemas gástricos, de Inês Henriques, nos 35 km femininos, recordista nacional da distância e atleta que mais participações (12) soma nesta competição, que já conquistou a medalha de bronze nos 50 km femininos; os atletas Hélder Santos e Rui Coelho, nos 50 km masculinos, bateram os seus recordes pessoais, com as marcas, respetivamente, de 4h07m27s e 4h07m29s, que lhes valeram a 24.ª e 25.ª posições, naqueles que foram também os melhores resultados no ranking nacional desta temporada na distância.

A participação portuguesa terminou com a prova de 20 km femininos, na qual a estreante e campeã nacional sub-23, Maria Bernardo, do COP, foi desclassificada; e a sua colega de equipa e recordista nacional da distância, Ana Cabecinha, desistiu da competição.

Marcha Atlética
Carlos Carmino

“Os atletas não são máquinas”

Esta participação tem muito mais de positivo do que de menos bom”, referiu, no final, Carlos Carmino, técnico nacional de marcha e team leader da comitiva, em jeito de balanço.

Os atletas não são máquinas. Todos temos um misto de fisiológico e emocional”, justificou sobre as desistências das experientes Inês Henriques e Ana Cabecinha.

Quanto à desclassificação da Maria Bernardo, na minha opinião, não foi justa.

Mas é preciso olharmos para os resultados positivos.

Neste contexto, destacar a prestação dos nossos atletas juniores, que baterem os seus recordes pessoais, confirmaram e conquistaram mínimos.

Fizeram história ao nível da nossa participação nesta competição, alcançando os melhores lugares de sempre em sub-20 e as primeiras medalhas femininas individual e coletiva nos 10 km sub-20, logo, respetivamente, a de prata e a de ouro”, concluiu.

Os resultados completos podem ser consultados na página oficial do evento.

Parceiros

Deixe uma resposta