Pedro Pichardo sagra-se Campeão Olímpico

Pedro Pichardo

Pedro Pichardo

O atletismo português conquistou a sua quinta medalha de ouro nos Jogos Olímpicos: Pedro Pichardo venceu a final do triplo-salto de Tóquio 2020 com a marca de 17,98 metros

Leia também os artigos sobre a prestação portuguesa nos Jogos Olímpicos

Patrícia Mamona e Auriol Dongmo apuradas para as finais

Liliana Cá na final do disco, Irina Rodrigues ficou fora

Carlos Nascimento afastado na primeira ronda

Auriol Dongmo a cinco centímetros da medalha

Alto Calibre de Patrícia Mamona na obtenção da prata

Liliana Cá na final do disco à procura do pódio

Liliana Cá protagoniza mais um feito histórico

Pichardo voou para a final em Tóquio 2020

Marta Pen e Cátia Azevedo nas meias-finais em Tóquio

Sapporo, crónica do desconforto dos atletas

Cátia e Marta terminaram prestação olímpica

Triplo-Salto e 50 km Marcha, duas finais com portugueses

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo

Pedro Pichardo dominou totalmente a competição

Na sua estreia nos Jogos Olímpicos, Pedro Pichardo dominou totalmente a competição: foi o melhor no apuramento e na final, logo ao primeiro salto, chegou à liderança, que nunca mais perdeu.

Nesse salto, o atleta do Sport Lisboa e Benfica chegou aos 17,61 metros (vento: +0,4 m/s).

Ainda era muito cedo para o saber, mas seria suficiente para ser campeão olímpico. O que mais perto, o argelino Yasser Mohamed Triki, saltou 17,30.

No ensaio seguinte, Pichardo repetiu a marca (17,61 m) e ficou a ver a concorrência lutar pelas medalhas, primeiro o chinês Yaming Zhu, depois Hughes Fabrice Zango, e também o norte-americano Will Claye.

Pedro Pichardo
Pedro Pichardo

Ao terceiro salto, resolveu a questão: 17,98 metros (vento nulo), estava batido o recorde de Portugal (o anterior era dele, de 17,95 m).

Alcançou a melhor marca mundial do ano ao ar livre, e o terceiro salto mais longo de sempre das finais olímpicas, depois dos 18,17 ventosos de Mike Conley em 1992 e dos 18,09 (recorde olímpico) de Kenny Harrison em 1996.

Na final, medalha de prata para o chinês Yaming ZHu, com 17,57 m (recorde pessoal) e o bronze foi para Hughes Fabrice Zango, do Burkina Faso (17,47 m), que tinha alcançado a medalha de bronze nos mundiais de 2019, impedindo o pódio a Pichardo.

Pedro Pichardo

Final do triplo foi impressionante

Esta final do triplo foi impressionante com seis dos sete primeiros a conseguirem as suas melhores marcas do ano ou de sempre!

No final, nas entrevistas rápidas, Pedro Pichardo considerou ser um “privilégio sagrar-se campeão olímpico por Portugal.

Um país que me acolheu e cuja melhor forma de agradecer é vencer por esta bandeira”.

Pedro Pichardo

Tenho recebido muitas mensagens, especialmente antes da prova, que me deixaram mais tranquilo.

Vim para a final tentar fazer muito, não penso que haja limites. Agora estou mais feliz, já sou campeão olímpico.

Antes da final, afirmei que queria alcançar o que estava na minha cabeça, e agora posso dizer que pensava saltar 18,40 metros.

Mas no aquecimento senti uma dor que não me deixou confortável. Ainda assim, consegui saltar para ganhar a medalha de ouro.

Agora que cheguei a campeão olímpico quero mais e alcançar o recorde do Mundo”, afirmou o atleta, grato pelo acolhimento de Portugal, “país onde ficarei para sempre, não regressarei a Cuba”.

Pedro Pichardo subirá ao pódio às 10h45 desta manhã, onde se ouvirá a Portuguesa, pela quinta vez na história dos Jogos Olímpicos.

Parceiros

Deixe uma resposta