Pichardo voou para a final em Tóquio 2020

Pichardo

Pedro Pichardo

Pedro Pichardo conseguiu a melhor marca do apuramento no triplo-salto. Nelson Évora e Tiago Pereira não conseguem qualificação. Cátia Azevedo apura-se para as meias finais dos 400 metros

Destinos diferentes para os atletas portugueses que competiram esta madrugada nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Leia também os artigos sobre a prestação portuguesa nos Jogos Olímpicos

Patrícia Mamona e Auriol Dongmo apuradas para as finais

Liliana Cá na final do disco, Irina Rodrigues ficou fora

Carlos Nascimento afastado na primeira ronda

Auriol Dongmo a cinco centímetros da medalha

Alto Calibre de Patrícia Mamona na obtenção da prata

Liliana Cá na final do disco à procura do pódio

Liliana Cá protagoniza mais um feito histórico

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo

Pedro Pichardo apurou-se diretamente para a final

Os primeiros, a abrir a jornada, foram os participantes no triplo-salto. No grupo B estava Pedro Pichardo, que se apurou diretamente para a final (necessário saltar 17,05 metros ou ficar nos 12 primeiros).

O atleta do Sport Lisboa e Benfica fez um primeiro salto a 16,98 metros (que até daria para chegar à final), não ficou satisfeito e no segundo salto arrancou uma das suas melhores marcas do ano: 17,71 metros!

Qualificação conseguida, liderança do apuramento e uma mostra de excelente forma.

O meu objetivo era chegar à final e esse objetivo foi conseguido. Não saiu no primeiro salto, tive um pequeno erro no “step”.

No segundo salto já consegui ligar tudo. Sinto-me muito bem fisicamente, mas o principal está na minha cabeça.

Estou confiante e agora é recuperar bem para a final”, disse Pedro Pichardo, recordista de Portugal, preparado para a final de 5 de agosto (às 3h00 da madrugada).

Nelson Évora

Nelson Évora “Mais que as medalhas, ficam estes momentos”

Essa sorte não conheceram Nelson Évora e Tiago Pereira, no grupo A. Nelson Évora, campeão olímpico em 2008 fez um primeiro salto nulo.

Durante o salto Nelson lesionou-se. Com dores ainda saltou 15,39 metros, mas o terceiro salto foi nulo e assim terminou a sua quarta participação em Jogos Olímpicos.

Foi 27º no conjunto dos dois grupos. Muito confortado pelos adversários Nelson Évora ainda se emocionou.

Mais que as medalhas, ficam estes momentos. Não era assim que eu me queria despedir.

É bom ter este respeito dos adversários, mas gostava de estar em mais uma final com todos eles.

No primeiro salto ‘saltou-me’ a virilha e fiquei cheio de dores”, confessou o atleta.

Tiago Pereira

Excelente estreia de Tiago Pereira

Com melhor resultado ficou Tiago Pereira.

O atleta do Sporting Clube de Portugal foi 16º no geral graças a um salto de 16,71 metros, ficando a 12 centímetros do último qualificado, Hughes Fabrice Zango, do Burkina Faso, que saltou 16,83 metros (ele que tem de recorde pessoal, desta época, 18,07 metros).

No final, Tiago Pereira confessou estar “de coração partido. Não correu nada bem a minha estreia.

No segundo salto estava bem, mas um erro no ‘jump’ não me deu o resultado que esperava. No último não o enquadrei de todo.

Agora é pensar em frente, analisar os erros. Para o ano temos Europeus e Mundiais e não os quero cometer de novo”.

Numa qualificação atípica, com muitos atletas a fazerem resultados abaixo do esperado, alguns deles candidatos à final, mas que ficaram pelo caminho.

Cátia Azevedo

Cátia Azevedo espalhou o perfume do seu talento

A última a entrar em ação foi Cátia Azevedo.

A recordista de Portugal de 400 metros atacou a distância na segunda das eliminatórias, foi destacada pela realização e deixou o perfume do seu talento na pista, terminando em terceiro lugar em confortáveis 51,36 segundos, a sua segunda melhor marca de sempre, depois do recorde de Portugal (50,59 segundos).

Com este resultado, a atleta do Sporting garantiu a qualificação direta para as meias finais dos 400 metros que se realizam amanhã (4 de agosto) às 11.30 horas.

No final da sua corrida, após confortar Tiago Pereira, Cátia Azevedo, antes de falar na sua prestação, referiu que “as pessoas não fazem a mínima ideia do que é estar nestas competições e, depois, julgam tudo por um dia de trabalho, esquecendo todos o que passamos durante um ano para podermos estar aqui.

Quanto a mim, é verdade que tenho vindo a fazer uma boa época, muito regular, apesar de alguns altos e baixos na preparação.

Só nós, equipa e o meu treinador, sabemos o que foi necessário fazer para estarmos aqui.

Agora é enfrentar a meia final com confiança. Está tudo em aberto.

Isto são os Jogos Olímpicos e tudo pode acontecer”.

Durante o dia de hoje, a partir das 11h15, o atleta português volta ao Estádio Olímpico com Francisco Belo na qualificação do lançamento do peso.

O atleta do Sport Lisboa e Benfica está no grupo A e a qualificação para a final tem a marca de 21,20 metros ou os 12 primeiros classificados.

Parceiros

Deixe uma resposta