PORTUGAL VENCE ILHAS FAROÉ E CONTINUA NA LUTA

Foto: © IHF / HRS / kolektiff

Comandados de Nuno Santos garantiram Top-6 Mundial após deixarem pelo caminho as Ilhas Faroé, em jogo que só se decidiu através de livres de 7 metros e onde Gonçalo Morgado vestiu a capa de herói.

Fonte: Federação de Andebol de Portugal
Fotos: © IHF / HRS / kolektiff

Portugal no Top-8 Mundial

Portugal chegou a este embate, que valia um bilhete para o apuramento do quinto lugar, com as Ilhas Faroé após ter sofrido uma derrota nos Quartos de Final contra a Dinamarca, ao passo que os faroenses caíram aos pés do Egipto, na mesma fase da prova.

Foto: © IHF / HRS / kolektiff

Até então, a formação de Nuno Santos tinha apenas somado uma derrota, frente à anfitriã Croácia, na Fase Preliminar do Campeonato do Mundo, que em nada teve impacto na presença de Portugal no Top-8 Mundial.

No jogo do quinto lugar, a formação das Quinas irá enfrentar a Alemanha, que por sua vez venceu o encontro com a Noruega, por 30-35.

7 Inicial: Deniz Gunes, Nuno Oliveira, João Bandeira Lourenço, Tiago Sousa, António Machado, Filipe Monteiro e Eduardo Leite

Em novo embate, na Arena de Varaždin, o encontro com as Ilhas Faroé começou com parada e resposta, com sucessivas igualdades no marcador e alternâncias até que, à passagem dos seis minutos, os faroenses chegaram aos dois golos de vantagem (3-5).

Portugal tentou a aproximação, bem sucedida, por diversas ocasiões, e chegou mesmo ao empate por João Bandeira Lourenço (7-7). Na sequência, conseguiu alcançar o comando do marcador.

Voltaram-se a seguir igualdades no marcador, num jogo muito disputado, no entanto, após estar em vantagem (17-16), Portugal acabou por sofrer um parcial de três golos sem resposta e saiu para o descanso em desvantagem.

Foto: © IHF / HRS / kolektiff

Intervalo: 17-19

Na segunda metade, e com desvantagem de dois golos, Tiago Sousa entrou a marcar e aproximou o resultado à margem mínima (18-19), mas as Ilhas Faroé acabaram por manter a dupla vantagem, apesar da excelente prestação de Gonçalo Morgado entre os postes.

Aos 40 minutos – e apesar dos faroenses terem estado a quatro – Portugal conseguiu recuperar para 22-24, mas Nuno Santos acabou por parar o encontro de seguida.

Na retoma, Tiago Sousa voltou a colocar o tudo pela margem mínima (24-25), muito devido à prestação da defesa lusa apoiada no seu guardião, e Eduardo Leite voltou a dar a vantagem a Portugal (26-25).

Após a formação das Quinas ter chegado aos dois golos à maior (28-26) foi a vez do técnico faroês parar o encontro, mas quem saiu melhor foi mesmo Portugal, que ampliou para três, vantagem que foi mantendo à passagem dos 50 minutos.

Nesse momento, as Ilhas Faroé conseguiram chegar à margem mínima (31-30) mas, com bola para empatar, não foram bem sucedidos e a equipa das Quinas voltou a distanciar-se.

No entanto, Oli Mittún – jogador faroês de referência – voltou a aproximar e a sua equipa acabou mesmo por empatar a 32.

O encontro seguiu com golo cá, golo lá até que a turma de Nuno Santos regressou aos dois golos de vantagem mas as Ilhas Faroé conseguiram igualar a menos de 30 segundos do final, levando o técnico luso a parar o encontro (35-35) mas o tempo regulamentar acabou por ficar empatado.

Foto: © IHF / HRS / kolektiff

Empate levou o encontro a “morte súbita”

Devido ao empate, Portugal seguiu para o desempate através de livres de 7 metros, e foram as Ilhas Faroé a marcar primeiro.

Tiago Sousa falhou em face do guarda-redes adversário e os faroeses seguiram em vantagem.

Nuno Oliveira também acabou por falhar, assim como o adversário, mas Gonçalo Morgado mostrou-se mágico – novamente – e João Bandeira Lourenço deu o empate levando o encontro a “morte súbita”.

Portugal marcou pela mão de José Ferreira assim como o jogador das Ilhas Faroé; em nova série, foi a vez de Eduardo Leite e Oli Mittún, que também não falharam, assim como João Bandeira Lourenço.

No – que se veio a confirmar – último livre de 7 metros, Gonçalo Morgado mostrou-se novamente intransponível e colocou Portugal na rota do quinto lugar.

Resultado Final: 41-40
MVP & Top Scorer: Tiago Sousa – 9 golos (64% de eficácia)

Foto: © IHF / HRS / kolektiff

“Foi um jogo equilibrado desde o início” Nuno Santos

Nuno Santos, treinador da formação lusa, analisou este embate de muito coração frente às Ilhas Faroé: “Foi um jogo equilibrado desde o início, com o resultado sempre por um/dois golos, com alternâncias no marcador.

No início sentimos algumas dificuldades no 7×6, depois alterámos o sistema defensivo para 5:1 e, penso que, esta mudança foi determinante para conseguirmos, primeiro equilibrar e depois, ganhar duas ou três bolas.

Posteriormente, esta toada de equilíbrio foi quase até ao fim, tivemos oportunidade de vencer o jogo em tempo regulamentar, mas acabámos por falhar um remate aos 6 metros e eles ainda tiveram seis segundos para marcar mas sem sucesso.

Depois entrámos nos 7 metros, mais uma vez tivemos que sofrer, mas o Gonçalo Morgado acabou por defender a bola decisiva.

Fomos a única equipa que não marcou o Oli Mittún individualmente, fizemos um 5:1 direcionado para ele e, penso que conseguimos contrariar, de alguma forma, esse jogador que era fundamental para as Ilhas Faroé.

Portugal voltará a entrar em campo, no domingo, para o último encontro do Campeonato do Mundo, frente à Alemanha, onde tem o quinto lugar em jogo e poderá acompanhar toda a ação no Canal 11.

Parceiros

Deixe um comentário