PORTUGAL COM TRÊS APURAMENTOS OLÍMPICOS E DUAS MEDALHAS NAS CLASSES ADAPTADAS NOS MUNDIAIS DE VELA

Carolina João e Diogo Costa - 2023 Allianz Sailing World Championships | Internacional 470 Class Association | Foto: Robert Deaves

A Federação Portuguesa de Vela cumpriu nos Mundiais que ontem terminaram em Haia boa parte das suas aspirações olímpicas, classificando as classes 470, ILCA 7 e ILCA 6, e mantendo fundamentadas esperanças no kite, mas também no 49er.

Fonte: Lusa

Diogo Costa e Carolina João seguram uma das oito vagas para Paris2024

Diogo Costa e Carolina João foram os primeiros a celebrar nos Países Baixos, ao segurar uma das oito vagas para Paris2024, concluindo a competição no 10.º posto e a presença na ‘medal race’.

Para garantirem que voltam aos Jogos Olímpicos – em Tóquio2020 competiram em classes diferentes – Diogo Costa e Carolina João precisam agora de bater a concorrência interna, protagonizada por pela promissora dupla Beatriz Gago/Rodolfo Pires, 34.ª em Haia.

Gago e Pires, com quem trabalham juntos, com o técnico espanhol Aaron Sarmiento, foram vice-campeões da Europa juniores em 2022 e este ano a sua evolução levou-os ao 11.º lugar na Semana Olímpica Francesa de Vela da Hyères, onde, em 2024, se distribuem os derradeiros ‘ingressos’ para os Jogos.

Eduardo Marques – 2023 Allianz Sailing World Championships

Eduardo Marques tem sido o mais forte luso nas provas internacionais

Em ILCA 7, Eduardo Marques tem sido o mais forte luso nas provas internacionais, contudo terá de bater Santiago Sampaio e Lourenço Mateus, que também vieram aos Mundiais, além de José Saraiva Mendes, vice-campeão do mundo de sub-21 em 2022.

A situação de Vasileia Karachaliou é diferente, uma vez que, quando chegou a Portugal, assumiu que só o fez porque na sua classe ILCA 6 não havia, ainda, praticantes com capacidade para discutir o apuramento olímpico.

Luísa Peres é o principal nome do futuro português na classe, mas ainda lhe faltará experiência ante a atual vice-campeã da Europa e que terminou este Mundial em oitavo.

Ainda assim, Vasileia, que tem desesperado pela ausência de boas novas quanto à sua naturalização, sabe que, se não tiver passaporte até março de 2024, não poderá representar a missão das ‘quinas’ em Paris2024 e a sua vaga será entregue a outro país.

Mafalda Pires de Lima está em evolução franca e tem conseguido desempenhos promissores nos kites, tendo, assumidamente, como principal adversário o seu corpo: tem 63 quilos, uns 10 abaixo do peso ideal, já que este é fundamental para ganhos de velocidade.

O irmão, Tomás Pires de Lima, e Pedro Afonso Rodrigues não estarão no mesmo patamar de proximidade à estreia olímpica, contudo já prometeram manter a exigência e foco para conquistarem a oportunidade, provavelmente mais consistente em Los Angeles2028.

Vela 470
Diogo Costa e Pedro Costa foram 15.º em Tóquio2020

49er é a classe em que Portugal poderá ter mais dificuldades em se qualificar

O 49er é a classe em que Portugal poderá ter mais dificuldades em se qualificar e o facto de as suas duas tripulações em Haia terem ficado em 72.º e 74.º traduz objetivamente isso.

O olímpico Pedro Costa – que foi 15.º em Tóquio2020, com o irmão Diogo, antes de a classe 470 passar a ser mista e este último passar a competir com Carolina João – e o jovem Pedro Bolina não estão no nível de desenvolvimento que desejariam, enquanto os irmãos Tiago e Ricardo Alves ainda precisarão de maior experiência internacional, apontando mais ao evento olímpico de 2028.

Tanto os kites como os 49er têm nos Europeus deste ano, em Southampton, Inglaterra, e Vilamoura, respetivamente, uma vaga olímpica em disputa, sendo que em 2024, na semana olímpica de Hières, os primeiros contam com mais cinco ‘bilhetes’ mundiais e os segundos com três.

Na vela adaptada, Pedro Câncio Reis e Guilherme Ribeiro foram vice-campeões do mundo em RS Venture, depois do bronze na estreia, em 2022, em Omã.

Por sua vez, João Pinto conquistou em Haia a medalha de bronze em Hansa 303.

Resultados completos dos portugueses nos Mundiais de vela:

470:

10.º – Diogo Costa/Carolina João

34.º – Beatriz Gago/Rodolfo Pires

ILCA7:

24.º – Eduardo Marques

74.º – Santiago Sampaio

80.º – Lourenço Mateus

ILCA 6:

8.ª – Vasileia Karachilou

49er:

72.º – Pedro Costa/João Bolina

74.º – Ricardo Alves/Tiago Alves

Kitefoil:

33.ª – Mafalda Pires de Lima

48.º – Tomás Pires de Lima

61.º – Pedro Afonso Rodrigues

Vela adaptada:

Hansa 303:

3.º – João Pinto (medalha de bronze)

RS Venture:

2.º – Pedro Câncio Reis/Guilherme Ribeiro (medalha de prata)

Parceiros

Deixe um comentário