PRIMEIRA VITÓRIA NO MUNDIAL PARA PORTUGAL

Foto: IHF / Kloktiff

Apenas Rui Silva e Alexis Borges mantiveram a titularidade no segundo jogo de Portugal no Mundial de 2023, com cariz especial porque do outro lado, apesar do adversário ser a Coreia do Sul, também se fala português.

Melhoria na defesa e na eficácia de ataque permite a Portugal vencer

O antigo Selecionador Nacional, Rolando Freitas e o treinador-adjunto Herlander Silva, ao leme da equipa asiática, procuravam surpreender e somar a primeira vitória na competição, tal como Portugal.

Com duas trocas defesa-ataque (Luís Frade e Alexandre Cavalcanti em funções apenas defensivas), os Heróis do Mar agarraram a liderança desde o primeiro minuto e aos 10 minutos venciam por 7-3, já com quatro defesas de Miguel Espinha Ferreira nesse período, a justificar a aposta.

Por esta altura, a eficácia do ataque português era de 78%, enquanto que a Coreia do Sul tinha apenas 43%, o que resumia aquilo que acontecia em campo até então.

Aos 13 minutos, houve time-out para a equipa asiática, com o marcador em 9-4, mas a paragem mostrou uma Seleção Nacional menos concentrada e eficaz no ataque, a permitir uma recuperação contrária.

Perto dos 22 minutos a diferença já tinha sido encurtada para dois golos (10-8), depois de um parcial coreano de 3-0, numa situação de dupla inferioridade portuguesa.

O guardião da Coreia do Sul, Donguk Kim ia complicando ainda mais a tarefa de Portugal que, após a buzina, recolheu aos balneários a vencer por três golos.

Foto: IHF / Kloktiff

Donguk Kim fechava a baliza a sete chaves

Já no segundo tempo, as dificuldades foram ainda maiores, as soluções ofensivas teimavam em não resultar e Donguk Kim fechava a baliza a sete chaves.

Este foi o filme até aos 40 minutos, altura em que havia um 21-20 no placar, o que demonstrava um claro crescimento dos coreanos no jogo e uma apatia lusa na reação.

Paulo Fidalgo, treinador-adjunto que voltou a liderar a equipa neste segundo jogo do IHF World Championship 2023, pediu time-out pouco depois e colocou o sistema 7×6 a funcionar, mas o mesmo não desatou o nó entre as duas seleções.

O equilíbrio manteve-se e à medida que o jogo se encaminhava para o final, crescia alguma ansiedade nos jogadores portugueses, pelo facto de haver uma urgência de vencer este duelo para continuar a sonhar na prova, com destaque ofensivo para André Gomes e Miguel Martins.

Manuel Gaspar, que entrou no decorrer da segunda metade, foi decisivo em vários momentos, impediu o empate coreano de forma sucessiva e catapultou os companheiros para uma última e implacável reação, que sentenciou o desfecho do jogo: um parcial de 2-9, fruto de uma melhoria na defesa e na eficácia de ataque lusas e um respirar de alívio, antes dos festejos da primeira vitória de Portugal neste Mundial.

MVP: Manuel Gaspar – 9 defesas (69% de eficácia)

Resultado Final: 32-24
MVP: Manuel Gaspar – 9 defesas (69% de eficácia)
Top Scorer: André Gomes – 7 golos (70% de eficácia)

Triunfo mantém vivo o sonho dos Heróis do Mar

Um triunfo importante que mantém vivo o sonho dos Heróis do Mar neste IHF World Championship 2023 e, praticamente, coloca Portugal no Main Round, mas é necessário vencer a Hungria, na próxima segunda-feira (19h30) para levar dois pontos na bagagem, que serão determinantes na próxima fase. Neste jogo, Gustavo Capdeville e Diogo Silva voltaram a ficar de fora.

Foto: IHF / Kloktiff

Alexis Borges, pivô da Seleção Nacional, abordou este encontro com a congénere asiática:

Foi mais um jogo difícil, nós costumamos dizer que todas as equipas que aqui estão são boas seleções senão não estavam cá e temos que jogar os 60 minutos com o mesmo carácter e o mesmo nível competitivo para que o jogo corra bem.

Hoje, tivemos 50 minutos muito fortes, nos últimos 10 conseguimos descolar e conseguimos a vitória que é o mais importante.

[A Coreia do Sul] tem jogadores muito rápidos mas a nossa defesa e guarda-redes ajudaram bastante e conseguimos fazer o trabalho que o treinador nos pediu.

Parceiros

Deixe um comentário