Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Solidariedade e Homenagem na Corrida do Bombeiro

Numa época em que muitos eventos desportivos decorrem a um ritmo quase descontrolado e onde muitas vezes nem se olha a datas nem a números, convém escolher a participação em certo evento conforme o propósito que este tem. Os eventos solidários são sempre de ter em conta pois praticar desporto sabendo que a sua inscrição é para um fim humanitário traz sempre outra disposição. Para os atletas que desejassem isso tinham na 3ª Corrida do Bombeiro uma excelente opção para isso, a solidariedade.

A 3ª Corrida do Bombeiro decorreu no Domingo (20) de uutubro pelas 10horas junto à praia de MiraMar, Arcozelo, Vila Nova de Gaia e foi uma organização da Eventsport em parceria de solidariedade com os Bombeiros Voluntários de Valadares. A compor o evento esteve uma corrida cronometrada na distância de dez quilómetros e ainda uma caminhada na extensão de cinco quilómetros sem fins competitivos que cujo objectivo era homenagear todos os bombeiros pelo seu trabalho e entrega perante a nossa sociedade e estimular também a prática desportiva como elemento da promoção da saúde e da qualidade de vida.

Foto: EventSport

A equipa de OPraticante.pt esteve presente no evento e agora apresentamos todos os detalhes como tudo decorreu.

Percurso  de solidariedade à beira-mar com uma visita ao quartel dos Bombeiros

A Corrida do Bombeiro teve partida e chegada junto à capela do Senhor da Pedra na praia de MiraMar e aos atletas que iam participar na prova de dez quilómetros era apresentado um percurso de uma só volta, que apresentava as suas dificuldades, mas que no final se traduzia num percurso muito equilibrado e que permitia boas marcas.

Partindo desse tradicional ponto turístico da região, os atletas seguiam pela marginal em direcção à Avenida Vasco da Gama onde viravam à esquerda para rumarem pela Avenida Gago Coutinho, marginal afora no sentido de Valadares. A recta era longa e só depois do terceiro quilómetro de prova, os atletas viravam à direita na Rua José Monteiro de Castro Portugal e onde tinham que ultrapassar um segmento de dois quilómetros sobretudo de subida e num empedrado que causava mossa.

Foto: Orlando Fernandes

Retorno dentro do quartel dos Bombeiros Voluntários de Valadores

O atleta que chegasse ao topo da subida e da prova tinha como brinde um retorno dentro do quartel dos Bombeiros Voluntários de Valadares e posteriormente tinha mais dois quilómetros em descida pelo mesmo empedrado.

Os últimos quilómetros finais de prova decorriam no sentido inverso ao percorrido inicialmente na Avenida Sacadura Cabral para depois no último quilometro se entrar na ciclovia e assim terminar a prova.

Solidariedade
Foto: EventSport

Jorge Valente vence 3ª Corrida do Bombeiro, a corrida da solidariedade

A 3ª Corrida do Bombeiro teve uma animada discussão da vitória e incerteza até quase ao seu término. Na primeira parte da prova, Jorge Valente do ARVOR – Associação Recreativa Veteranos de Ovar tomou a dianteira da prova e a poucos metros de distância seguia um trio de atletas do Sporting Clube de Espinho / António Leitão no seu encalce e que prometia incerteza até ao final. No final, o atleta do clube vareiro manteve-se firme na frente e cortou a linha de meta isolado com 34:08min. A fechar o pódio ficaram dois atletas do clube de Espinho, Fábio Correia com 34:17min e Ricardo Ferreira com 34:22min.

Solidariedade
Foto: EventSport

Lucinda Sousa vence na competição feminina

Na vertente feminina da prova, a competição decorreu em ritmo controlado por parte da vencedora, a veterana Lucinda Sousa que é mais conhecida pelo seu histórico no trail running e que nesta prova de estrada mostrou a sua classe ao vencer isolada com 39:37min. Completaram o pódio Sónia Barros da RunRiver-Escola Atletismo de Rio Tinto com 40:18min e Daniela Gregório do Maia AC com 42:17min.

Foto: EventSport

A prova teve vencedores por escalão e estes foram os seguintes:

Na competição masculina venceram Jorge Valente da ARVOR – Associação Recreativa Veteranos de Ovar (Seniores), Paulo Silva dos Nascidos para Correr(Vet35), Ricardo Ferreira do Sporting Clube de Espinho / António Leitão (Vet40), António Sousa do Ripolins Grijó a Correr (Vet 45),Paulo Reis da Sporting Clube de Espinho / António Leitão (Vet50), Fernando Santiago (Vet55), Manuel Dourado (Vet60) e Adérito Alves do Salgueiros Running (Vet 65).

Na competição feminina triunfaram Sónia Barros da RunRiver-Escola Atletismo de Rio Tinto (Seniores), Hortense Tenda do Sporting Clube de Espinho / António Leitão (Vet35), Sandra Pereira dos Nascidos para Correr (Vet40), Lucinda Sousa da Prozis (Vet45), Fátima Geraldes da CAP – Centro de Atletismo do Porto (Vet50), Rosa Pinto dos Nascidos para Correr (Vet55) e Glória Santos da Arcorun (Vet60).

Foto: EventSport

Vencedores por equipas

Na competição por equipas, a grande vencedora foi o Sporting Clube de Espinho / António Leitão. Completaram o pódio os Nascidos para Correr e RunRiver-Escola Atletismo de Rio Tinto.

Foto: EventSport

OPraticante.pt no pódio

A equipa de OPraticante.pt esteve representada na prova por cinco atletas tendo obtido o primeiro lugar no escalão de Veteranas 65 por parte de Adelaide Veludo que terminou a prova com 52:23min. Completaram a equipa os seguintes atletas, João Oliveira (113º geral / 22º sénior) – 43:45, Nuno Fernandes (384º geral / 66º sénior) – 54:24, Kátia Pereira (485º geral / 16ª Vet40) – 59:27min e Filomena Soares (577º geral / 5ª Vet60) – 01:16:28. Na classificação por equipas, a equipa obteve um 23º lugar.

Adelaide Velundo – OPraticante.pt / Foto: Orlando Fernandes

Prova de solidariedade com excelente organização da EventSport

A 3ª Corrida do Bombeiro apresentou tal como em todos os eventos levados a cabo pela EventSport uma excelente organização. Desde cedo que a estrutura da prova estava montada no parque junto ao Senhor da Pedra. No local estavam todas as valências para um evento decorrer com toda a capacidade, secretariado, espaço para guarda-roupa, stands de patrocinadores, espaço de abastecimento e casas de banho próximas. Tudo estava devidamente assinalado e isolado para que não acontecessem confusões.

Solidariedade
Nuno Fernandes – OPraticante.pt

Com o aproximar da hora da prova, muitos eram os participantes no evento, que se chegavam ao local para levantarem o seu dorsal e muitos eram os grupos que aproveitavam para conhecer o local que é um dos ex-libris do litoral de Vila Nova Gaia, muitas eram os passeios no areal e as selfies junto ao templo característico do local.

Os atletas que levantavam o seu dorsal no secretariado, não estavam muito tempo à espera e recebiam um saco vermelho com uma t-shirt cor de laranja alusiva à prova, o dorsal com chip e folhetos promocionais. Após a prova de solidariedade, para além da medalha finisher, os atletas recebiam o abastecimento com fruta e água. Para um preço de inscrição de 8/10 euros, o que os atletas recebiam está a um bom nível neste evento de solidariedade.

Foto: EventSport

Aquecimento foi muito elogiado

Com a chegada das nove horas da manhã, a música e a animação tocou conta do local com a promoção da prova a ser feita pelo speaker de serviço e estava dado o toque para o aquecimento. Enquanto uns aproveitavam os terrenos da ciclovia para fazer um aquecimento mais capacitado, outros que somente queriam aproveitar a manhã para descontrair deixavam-se levar no aquecimento proposto pelo instrutor presente. O espaço de entrada para a prova, estava repleto de integrantes no aquecimento.

Depois de uma foto ou outra, sozinho ou acompanhado por amigos, os atletas entravam finalmente na caixa de partida da prova. Ao contrário da edição inaugural, a partida e os momentos que a antecederam não tiveram muito simbolismo e do nada estava dado o tiro de partida para mais uma prova.

Solidariedade

Percurso da prova com bom ambiente

A prova decorreu num percurso marcado e isolado de forma irrepreensível pelas autoridade e voluntários. Todos os quilómetros e todos os pontos de abastecimento estiveram indicados. Destaque ainda para a preocupação ambiental com a colocação de caixotes do lixo para se despejarem as garrafas e quando estas eram atiradas para o chão depressa os voluntários iam-nas recolher.

A medida que os quilómetros iam passando era possível deslumbrar algum apoio popular junto à estrada. No início da subida para o quartel dos Bombeiros Voluntários de Valadares, os atletas eram brindados com aplausos e incentivos para o que aí vinha. Perto do topo na passagem por entre habitações, muitos eram os presentes a incentivar e a fazer as graçolas do costume quando há provas de atletismo. Dentro do quartel ouvíamos novo incentivo e com ele no ouvido íamos até novamente junto da praia para os quilómetros finais e ser aplaudidos pelos integrantes da caminhada que foi deveras concorrida.

Foto: Orlando Fernandes

Bom número de abastecimentos em prova

De elogiar ao longo do percurso é o grande número de pontos de abastecimentos presentes. Não que tivesse uma manhã muito quente que obrigasse a muita hidratação, mas sempre bom ter disponível hidratação ao longo da prova. No total foram quatro pontos, aos três, quatro, sete e oito quilómetros onde os bombeiros locais estavam a entregar água aos presentes na prova. Muito boa iniciativa.

 

Perdeu-se o espírito solidário deste evento?

Estive presente na primeira edição deste evento em 2017 por altura dos trágicos incêndios que assolavam o País. Naqueles tempos havia um grande espírito de solidariedade em Portugal e esta prova sendo de apoio a quem tem tão nobre tarefa também foi envolvida nesse espírito.

Naquele ano, os momentos antes da partida da prova foram intensos com vários discursos a serem feitos, homenagens e que fizeram trazer ao de cima o carácter especial desta prova, a solidariedade. Agora voltando dois anos depois, a sensação que tive é que foi uma prova despida dessa emoção, foi somente mais uma prova do calendário. É certo que ao longo de toda a prova estiverem presentes os homenageados do dia, mas aquela emoção não se viveu. São os tempos que vivemos, onde o que hoje vivemos, amanhã já foi esquecido. É pena.

Corrida do Bombeiro, uma prova consolidada no calendário, uma prova de solidariedade

O fim de semana de 19/20 de Outubro foi talvez o fim de semana com mais provas de grande relevo no Norte de Portugal. Seja com provas de estrada regulares de dez quilómetros, meias maratonas e trails de bom nome, o fim de semana estava preenchido de competição e como tal uma ou outra prova poderia ser afectada na sua afluência.

Olhando aos números de afluência, a 3ª Corrida do Bombeiro teve um total de 585 atletas finalizadores caindo ligeiramente em relação aos 637 do ano passado. Mesmo assim e tendo em conta a competição, é um número excelente de participação na corrida principal e dado a forma como a marginal estava repleta de caminheiros na prova secundaria, podemos dizer que o evento ultrapassou os mil participantes no seu global, o que é feito fantástico para o fim de semana de solidariedade em questão.

Solidariedade

Esta é uma prova de solidariedade que está consolidada no calendário de provas do grande Porto e tem todas as condições para continuar a ter evolução, boa localização, percurso interessante e sobretudo continuar a apelar à causa solidária e estimular ainda mais esta para que não se esqueçam das razoes porque se criou este evento.

Sitio oficial do evento.

Evento 2019.

Página dos Bombeiros Voluntários de Valadares.

Eventsport.

Texto: Nuno Fernandes
Fotos: Orlando Fernandes / EventSport

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta