TERESA BONVALOT VAI PARTICIPAR NAS ETAPAS DO HAVAI

Teresa Bonvalot - Foto: DR

Teresa Bonvalot viu, esta quarta-feira, ser confirmada a presença no arranque de temporada do Circuito Mundial de Surf da World Surf League, que vai acontecer dentro de 10 dias no Havai.

A campeã nacional beneficiou da desistência de uma das representantes da elite mundial feminina para usufruir do estatuto de primeira suplente do World Tour 2023.

Fonte: ANSurfistas
Fotos: WSL 

Teresa Bonvalot beneficiou do estatuto de primeira suplente do World Tour 2023

A revelação foi feita pela World Surf League através das redes sociais, com Teresa Bonvalot a ser anunciada como substituta da francesa Johanne Defay, que se encontra lesionada.

Dessa forma, a surfista portuguesa vai ser uma das 16 surfistas em competição em Pipeline, de 29 de Janeiro a 10 de Fevereiro.

Teresa Bonvalot já conhece a disposição provisória das baterias, tendo ficado colocada no heat 2, onde tem a companhia de duas havaianas: a cinco vezes campeã mundial e campeã olímpica Carissa Moore e Bettylou Sakura Johnson – as baterias ainda poderão sofrer alterações em caso de mais desistências.

Além de garantir a entrada na etapa de Pipeline, que marca a abertura da temporada, Teresa também já está confirmada para a segunda etapa do ano, que acontece em Fevereiro em Sunset Beach, também no Havai.

Estou muito contente por poder entrar nestas duas primeiras provas do ano”, começou por dizer Teresa.

Como esta vaga dependia da lesão de outras surfistas – e não desejo mal a ninguém -, não estava com grandes expectativas para entrar, mas acabou por acontecer.

Tentei fazer o meu papel no ano passado, fiquei à porta da qualificação e com este estatuto de suplente.

Vou usar esta oportunidade como uma forma de aprendizagem para estar ao pé das melhores surfistas do Mundo e adquirir ainda mais experiência”, prometeu.

Teresa Bonvalot
Teresa Bonvalot – Foto: DR

Em Portugal, a surfista portuguesa poderá ter legítimas esperanças de competir

Após as duas etapas havaianas o circuito segue para Portugal, em Março, onde Teresa também poderá ter legítimas esperanças de competir.

Depois, até ao cut que marca o meio da temporada, o circuito ainda passa por Bells Beach e Margaret River, na Austrália.

Caso consiga entrar em mais etapas, Teresa Bonvalot ficará com possibilidades reais de tentar discutir a presença no top 10 mundial na primeira metade da temporada e conseguir o apuramento para a segunda metade da época e, consequentemente, o apuramento para o World Tour de 2024.

Além disso, uma boa posição no ranking poderá valer a Teresa uma das seis vagas olímpicas em disputa no circuito mundial deste ano.

Parceiros

Deixe uma resposta