Triplo-Salto e 50 km Marcha, duas finais com portugueses

Triplo-salto

Pedro Pichardo

E ao sétimo dia de atletismo nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 temos direito a duas grandes finais: triplo-salto e 50 km marcha masculinos

Leia também os artigos sobre a prestação portuguesa nos Jogos Olímpicos

Patrícia Mamona e Auriol Dongmo apuradas para as finais

Liliana Cá na final do disco, Irina Rodrigues ficou fora

Carlos Nascimento afastado na primeira ronda

Auriol Dongmo a cinco centímetros da medalha

Alto Calibre de Patrícia Mamona na obtenção da prata

Liliana Cá na final do disco à procura do pódio

Liliana Cá protagoniza mais um feito histórico

Pichardo voou para a final em Tóquio 2020

Marta Pen e Cátia Azevedo nas meias-finais em Tóquio

Sapporo, crónica do desconforto dos atletas

Cátia e Marta terminaram prestação olímpica

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo

Triplo-salto, Pedro Pichardo aparece como favorito a vencer

Na próxima madrugada, quando forem três horas, começa a aguardada final do triplo-salto masculino onde avulta a presença do recordista de Portugal, Pedro Pichardo.

Triplo-salto
Pedro Pichardo

O atleta do Sport Lisboa e Benfica foi o único a obter a qualificação para a final e fê-lo com a melhor marca do apuramento (17,71 metros).

Numa disciplina onde o atletismo português já conquistou o ouro olímpico, em masculinos (Nelson Évora, 2008) e a prata olímpica, em femininos (Patrícia Mamona, 2021), o atleta treinado pelo próprio pai, Jorge Pichardo, surge como um dos favoritos ao triunfo na competição.

É verdade que o português é detentor da melhor marca ao ar livre, mas o melhor registo do ano pertence a Hughes Fabrice Zango (Burkina Faso), medalha de bronze nos mundiais de 2019, que saltou 18,07 metros em pista coberta, talvez o principal favorito, a par de Will Claye, o norte-americano que tem recorde pessoal de 18,14 metros, e tem três medalhas olímpicas: prata no triplo-salto em 2012 e 2016 e bronze no comprimento em 2012.

Pela ordem, Pedro Pichardo será o sexto atleta a saltar, com Claye a ser o primeiro e Zango o 10º.

Por fora, mas com aspirações, “correm” o chinês Yaming Zhu (17,40 de recorde pessoal) e o italiana Andrea Dallavalle (17,35).

A final dos 50 km marcha, com a figura de João Vieira presente

A segunda final do dia, é um bocadinho forçoso dizê-lo assim, já que pertence à agenda do oitavo dia, é a dos 50 km marcha, prova marca para as 5h30 de sexta em Tóquio (21h30 de quinta em Portugal).

João Vieira

Uma final onde estará um português com uma carreira ímpar: João Vieira.

O atleta do Sporting Clube de Portugal, de 45 anos de idade, treinado pela sua esposa, foi destaque há uns dias na página da World Athletics, muito por força da sua exemplar medalha de prata conquistada em Doha, nos Mundiais de 2019.

O português é um dos nomes a ter em conta para os lugares cimeiros.

Ausente está o japonês campeão mundial, Yusuke Suzuki, mas estarão lá outros nomes grados da marcha atlética, entre eles o mítico Yohann Diniz, recordista mundial dos 50 km marcha, campeão mundial em 2017 e três vezes campeão europeu.

Para João Vieira, esta será a sua sexta presença em Jogos Olímpicos, embora a primeira não possa contar, pois não foi possível competir por estar doente.

Depois esteve (sempre em 20 km marcha) em Atenas 2004 (10.º classificado), em Pequim 2008 (32.º) , em Londres 2012 (11.º e desistiu nos 50 km) e Rio 2016 (31.º e desistiu nos 50 km).

Como dissemos, a prova começará às 21.30 horas, em Sapporo, prolongando-se, certamente, pelas primeiras horas da madrugada.

Parceiros

Deixe uma resposta