TRIUNFO EXPRESSIVO SOBRE CABO VERDE MANTÉM AMBIÇÃO INTACTA

Foto: IHF / Kloktiff

Portugal derrotou a seleção de Cabo Verde por 23-35 no segundo duelo do Main Round, em Gotemburgo.

Segue-se o derradeiro confronto com a Suécia, este domingo, às 19h30.

Leia também

PORTUGAL ENFRENTA CABO VERDE COM O SONHO DOS QUARTOS

Fonte: Federação de Andebol de Portugal
Foto: IHF / Kloktiff

Sonho dos quartos continua vivo para Portugal

À entrada desta partida, Portugal ocupava a 3.ª posição do Grupo II do Main Round, com três pontos, enquanto que Cabo Verde era 6.º e último, ainda sem pontos.

Paulo Pereira mudou três peças no xadrez luso para o embate frente à seleção africana, que começou com um ataque falhado para cada lado antes de uma primeira exclusão bem cedo para Paulo Moreno, pivô e capitão do SL Benfica e o primeiro golo da partida pertenceu a Délcio Pina (1-0), outro dos muitos jogadores cabo-verdianos que atuam no Campeonato Placard Andebol 1.

Aos cinco minutos, Francisco Costa abriu as contas para Portugal mas ainda sem entrar verdadeiramente no jogo, os Heróis do Mar viram Leandro Semedo (SL Benfica) colocar a sua seleção a vencer por dois golos (3-1).

Portugal implementou mais velocidade no ataque e melhorou na defesa, o que fez com que aos 11 minutos, depois de um parcial de 0-3, surgisse a primeira liderança lusa no encontro, ao 4-5, pela mão de Pedro Portela.

Foto: IHF / Kloktiff

Primeiro time-out da partida favorável a Portugal

Seguiu-se o primeiro time-out da partida, solicitado pelo experiente treinador dos africanos, Ljubomir Obradovic – que comanda também a Artística de Avanca Bioria – e após paragem, Cabo Verde apresentou o sistema 7×6 no ataque.

Por esta altura, havia já três exclusões a registar para a seleção africana e nenhuma para Portugal.

O pós-paragem não foi feliz para Cabo Verde, que sentiu mais dificuldades no ataque e, com a baliza à mercê, permitiu que Portugal chegasse aos três golos à maior (4-7), aos 14 minutos.

Mas os Heróis do Mar não conseguiam assumir total domínio e em novo momento de quebra português, o empate apareceu de novo aos 17 minutos (7-7), com Cabo Verde em inédita situação de superioridade numérica.

Os atletas lusos voltaram a recompor-se e fizeram com que o adversário estivesse cerca de cinco minutos sem marcar, aproveitando para concretizar um parcial de 2-5, catapultando o marcador para 9-12, aos 26 minutos.

Até ao descanso, três golos para Cabo Verde e dois para Portugal, o último dos quais da autoria de Luís Frade em cima do soar da buzina.

Foto: IHF / Kloktiff

Portugal chegou ao intervalo a vencer Cabo Verde por 12-14

Na segunda parte tudo mudou, para melhor. Os primeiros minutos do segundo tempo tiveram como protagonistas três recém-entrados: duas defesas de Manuel Gaspar, dois golos consecutivos de António Areia e outro de Rui Silva, o que elevou a diferença para cinco golos (12-17) e deu o mote para uma avalanche de confiança, materializada em golos para Portugal.

Até aos 40 minutos, Cabo Verde ainda conseguiu dificultar a tarefa lusa (15-19), mas foi nesse momento que o nó desatou de vez.

Uns impressionantes 11 golos marcados e apenas um sofrido em 10 minutos (16-30), com António Areia inspirado, colocaram um ponto final num jogo que começou de forma complicada mas que foi resolvido pelos resilientes Heróis do Mar.

No último período da partida, Portugal geriu o ritmo do jogo, a equipa africana acabou por se conformar com o desfecho e no final, foram 12 golos a separar as duas equipas num total de 23-35.

Foto: IHF / Kloktiff

“Vai ser um jogo decisivo” Victor Iturriza

Victor Iturriza, pivô luso-cubano, analisou este encontro com duas partes distintas: “Na primeira parte tivemos alguns problemas na defesa e cometemos alguns erros mas.

Na segunda parte, conseguimos ler melhor os ataques de Cabo Verde no 7×6 e, aproveitámos para fazer golos fáceis, alargámos a vantagem e tornámos o jogo mais fácil e adequado para nós.

O atleta lançou ainda o mote para o encontro com a Suécia, que terá lugar já este domingo, no último embate do Main Round:

Vai ser um jogo decisivo, eles sabem que nós precisamos do jogo para passar e aqui, em casa, com um pavilhão cheio e com muito orgulho próprio não vão facilitar em nada e vão querer ganhar a Portugal.

Temos que ir com uma mentalidade de saber sofrer, porque vai ser um jogo duro e difícil, e teremos que aguentar os momentos menos bons durante o jogo para conseguirmos a vitória no fim.

A Scandinavium Arena já se encontra esgotada para o duelo de domingo e sobre jogar frente a 12 mil suecos, Iturriza foi perentório:

Os adeptos são bons para o jogo e nós estamos habituados a jogar em pavilhões assim, somos jogadores experientes e sabemos qual o nosso foco e este estará dentro do campo.

Foto: IHF / Kloktiff

Altas instâncias no apoio a Portugal

O segundo jogo de Portugal no Main Round, especial pelo facto de ser entre duas seleções que partilham o mesmo idioma, contou a presença do Primeiro-Ministro, António Costa, bem como do Secretário de Estado do Desporto, João Paulo Correia, para além de Miguel Laranjeiro, Presidente da Federação de Andebol de Portugal.

A visita de António Costa e de João Paulo Correia à Scandinavium Arena, na Suécia, não podia ter sido mais positiva, uma vez que a Seleção Nacional averbou a vitória mais expressiva desde o início do Mundial e mantém intacta a ambição de chegar aos Quartos de Final.

Parceiros

Deixe uma resposta