Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

“Projeto EuroVelo extensível em Portugal”

102European Cyclist’s Federation aprova extensão de vias cicláveis

Um dos grandes objetivos da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), cumpriu-se, a extensão de vias cicláveis na “Rota da Costa Atlântica” em Portugal, a European Cyclist’s Federation aprovou a extensão de vias cicláveis na Rota da Costa Atlântica em Portugal, desde Sagres até Caminha, a já existente rota Eurovelo 1, denominada de Rota da Costa Atlântica, que em Portugal, liga Sagres a Vila Real de Santo António, passando assim a rota n.º1 da rede EuroVelo a contar com mais de 9.000 km de extensão, a qual vem desde a Escandinávia até Portugal.

A Rota da Costa Atlântica liga algumas das mais bonitas paisagens de orla costeira mundiais onde se pode esperar encontrar fiordes, praias banhadas de sol e agitadas cidades portuárias em cicloturismo, turismo usando a bicicleta como meio de transporte, individualmente, com os amigos ou em família, este enorme desafio que mobiliza muitos europeus, foi motivo suficiente para a FPCUB, órgão responsável por coordenar o projeto em Portugal, apresentar assim uma proposta à European Cyclist’s Federation (ECF) para a extensão da rota em mais 920 quilómetros de vias cicláveis em Portugal.

A avaliação da parte da European Cyclist’s Federation (ECF) foi favorável e positiva, e foi apresentada formalmente esta quarta-feira em Lisboa na FIL, na edição da BTL-Bolsa de Turismo de Lisboa, no stand da Região de Turismo do Algarve, em que estiveram presentes e demonstraram o seu apoio, a Secretária de Estado do Turismo Ana Mendes Godinho, o Presidente do Turismo de Portugal Luís Araújo, o Presidente da Região de Turismo do Algarve Desidério Silva, e o Vogal do Turismo de Portugal Filipe Silva, entre outras personalidades, entidades e parceiros, que se fizeram representar para celebrar a aprovação da extensão de Sagres a Caminha, porem também a European Cyclist’s Federation não quis ficar de fora neste acontecimento, e esteve presente em direto de Bruxelas, via Skype.

Temos ainda de referir, que além do discurso da Secretária de Estado do Turismo Ana Mendes Godinho, também ela amiga da bicicleta, António Costa, Primeiro-Ministro que esteve na BTL, incluiu no seu discurso uma grande referência à bicicleta, referindo o cicloturismo e o turismo ciclável, como uma grande oportunidade para o nosso país, o que veio enaltecer ainda mais este projeto.

Para Filipe Beja atual membro do conselho para a mobilidade sustentável da FPCUB, descreveu que “A rota será dividida em 18 secções, permitindo assim que qualquer utilizador de bicicleta, desde o mais inexperiente, ao mais preparado, possa planear a sua deslocação calmamente, usufruindo do enquadramento cultural que a rota oferece, pretendendo assim, que qualquer cicloturista possa disfrutar da paisagem, da gastronomia típica, fauna, flora, do património cultural, e do bem-estar que as pedaladas podem proporcionar”.

Sendo a rede EuroVelo, uma rede de rotas europeias destinadas à prática do cicloturismo, com diferentes tipos de percursos, locais, regionais, nacionais ou transfronteiriços, fazendo a ligação entre 43 países da Europa, em Portugal, o futuro sucesso do projeto é uma convicção.

Porem, também José Manuel Caetano, presidente da FPCUB, afirma que tem sido desenvolvido um planeamento de trabalhos, os quais tem desafiado várias entidades públicas, nas suas diferentes competências e escalas de território a trabalhar conjuntamente, neste desígnio nacional de utilidade pública.

A inclusão da Costa Atlântica Portuguesa na Rota da Costa Atlântica Europeia permite assim elevar a presença de Portugal no mapa do cicloturismo Europeu e mundial, o que contribuirá em força para o aumento de visitantes e da dinâmica das economias locais e regionais ao longo da rota, ao mesmo tempo a criação de emprego e oportunidades de negócio e simultaneamente a promoção do turismo e mobilidade sustentável, estes os objetivos da FPCUB com este contributo.

José Manuel Caetano afirma ainda de que, o cicloturismo atinge já um contributo significativo na economia europeia, e a título de exemplo na economia Suíça e Francesa, com o impacte estimado atinge os 8.500 M€/ano, na Europa que representa o principal destino mundial de cicloturismo, o contributo económico ascende a 44.000 M€/ano, comparável ao valor gerado pelo mercado da indústria europeia de cruzeiros.

E o presidente da FPCUB termina dizendo; ” A FPCUB e todos os que contribuíram para que esta extensão fosse uma realidade e nunca desistiram estão de parabéns por esta vitória, mas será todo o país a ganhar com isso, quer a nível nacional, quer local”.

Com a decisão de aprovação da extensão da Rota da Costa Atlântica, como parte integrante da rede EuroVelo, foi tomada pelo Conselho EuroVelo da ECF a 11 de fevereiro de 2016, sendo a proposta submetida pela FPCUB em cooperação com diversos parceiros em Portugal, em particular, com o Governo de Portugal que apoiou o projeto através da Secretaria de Estado do Turismo, o Turismo de Portugal, a Infraestruturas de Portugal, as Entidades Regionais de Turismo e as Comunidades Intermunicipais.

E aqui ficam os dados principais do EuroVelo; Rota da Costa Atlântica atravessa 6 países: Noruega, Reino Unido, Irlanda, França, Espanha e Portugal – Extensão de mais de 9.000 km – Extensão em Portugal de cerca de 1.150 km passando começando em Caminha ao longo da Costa, passando pelo Porto, Aveiro, Coimbra, Lisboa, Sines, Sagres, Faro até Vila Real de Santo António prosseguindo para Espanha.

O site relativo à EuroVelo1 em Portugal ficará disponível de forma gratuita até ao final do 1º semestre de 2016, com toda a informação necessária para percorrer toda a costa atlântica.

Texto: José Morais
Foto: António Baganha

 

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta