BOUWMAN VENCE, ALMEIDA CONTINUA NO TOP10

Bouwman

Koen Bouwman

A tática da equipa Jumbo-Visma deu hoje a vitória na sétima etapa da Volta a Itália ao ciclista neerlandês Koen Bouwman, que formou dupla com o compatriota Tom Dumoulin na fuga do dia e anulou a concorrência.

Leia também

JOÃO ALMEIDA MANTÊM-SE, ARNAUD DÉMARE ‘BISA’ AO ‘SPRINT’

ALMEIDA BONIFICA PARA SUBIR NA GERAL, DÉMARE ‘METE A SEXTA’

Texto: Lusa

Página do evento

Koen Bouwman vence e assume a liderança da classificação da montanha

Bouwman, que assumiu a liderança da classificação da montanha, cumpriu os 196 quilómetros entre Diamante e Potenza em 5:12.30 horas, com o neerlandês Bauke Mollema (Trek-Segafredo) em segundo e o italiano Davide Formolo (UAE Emirates) em terceiro, ambos a dois segundos do vencedor.

João Almeida

O português João Almeida (UAE Emirates) foi oitavo na etapa, chegando a 2.59 minutos do vencedor da ‘tirada‘, seguindo em sétimo na geral, a 1.58 minutos do líder, López, que é seguido de perto pelo alemão Lennard Kämna (BORA-hansgrohe), segundo a 38 segundos, e o estónio Rein Taaramäe (Intermarché-Wanty-Gobert Matériaux), terceiro a 1.02 minutos.

A tentativa de formar uma ‘fuga bidone’ – muitos elementos – marcou o arranque da etapa, onde até o favorito Richard Carapaz (INEOS) tentou, sem que o pelotão deixasse o equatoriano seguir.

Da UAE Emirates, a equipa de João Almeida, ‘saltaram’ pelo menos três, todos italianos. Alessandro Covi e Diego Ulissi falharam, mas Davide Formolo seguiu para a frente.

Bouwman

Aí, foi fazendo grupo com vários ciclistas até que se formou o grupo final, de quatro ciclistas: Dumoulin e Bouwman, que se destacou sempre ao vencer os pórticos de montanha, Formolo, o único que lhe dava luta, e Bauke Mollema.

As sucessivas tentativas de deixar os outros para trás, com medo de um ‘sprint’ a quatro em que a Jumbo-Visma levava vantagem, não surtiram efeito, com a tática e a capacidade de Dumoulin, enquanto especialista de contrarrelógio, de impor ritmo a segurarem o triunfo.

Bouwman
Koen Bouwman

“foi um dia muito difícil”

Para o vencedor da tirada, este “foi um dia muito difícil”, pelo traçado “mais inclinado do que parece”, sobretudo em cima da meta, onde sentiu “muita força no arranque do ‘sprint’”.

Estávamos dois de quatro, na fuga, e o Tom fez um belo trabalho. Eu estava a sentir-me bastante bem e tinha confiança no ‘sprint’. (…)

Os nossos homens para a geral perderam tempo, e agora eu e o Tom focar-nos-emos em tentar ganhar etapas, com o Tobias Foss a tentar a geral.

Ter esta vitória é indescritível”, destacou o novo líder da montanha.

João Almeida foi hoje oitavo, entrando no ‘top-10’ com bom posicionamento, evitando cortes de tempo no grupo dos favoritos, sem grandes alterações nos primeiros lugares, seguindo em sétimo, e em terceiro na classificação da juventude.

João Almeida, Rui Costa e Rui Oliveira da UAE Team Emirates

Os compatriotas e colegas de equipa Rui Costa (47.º na etapa) e Rui Oliveira (152.º) subiram na geral, com o primeiro a chegar ao 47.º posto também na geral e o segundo a ascender a 146.º.

No sábado, a oitava etapa começa e termina em Nápoles, com 153 quilómetros cronometrados, com apenas uma contagem de montanha, de quarta categoria, ainda longe da meta.

Parceiros