Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

CAS sem jurisdição no caso dos 50 Km Marcha femininos

A tentativa de um grupo de mulheres marchadoras de forçarem a World Athletics e o Comité Olímpico Internacional (COI) a colocar a prova de 50 quilómetros femininos no programa dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 sofreu um revés – potencialmente fatal – após o Tribunal de Arbitragem (CAS) ter ontem anunciado que não pode se pronunciar sobre o recurso porque não tem jurisdição no assunto.

50 quilómetros femininos no programa dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Entre as marchadoras que apelaram para o CAS estava Inês Henriques, campeã mundial em Londres 2017.

O recurso havia sido apresentado originalmente em abril do ano passado com o apoio do advogado americano Paul F. DeMeester, que acusou a IAAF de discriminar as mulheres por não incluir a distância de 50 km nos principais campeonatos.

CAS
Inês Henriques

Painel do CAS descobriu que não tinha jurisdição

O assunto foi descartado pelo CAS, no entanto. “O Painel do CAS descobriu que não tinha jurisdição para decidir sobre esses recursos“, afirmou este organismo em comunicado publicado ontem. “Por esse motivo, os procedimentos de arbitragem foram encerrados.

A prova foi incluída nos Mundiais de Londres, há três anos, com sete atletas participaram. No ano passado, em Doha, os mundiais atraíram 23 competidoras.

Além de Henriques, as outras atletas que levaram o caso ao CAS foram a campeã australiana Claire Woods, as equatorianas Paola Pérez, Johana Ordóñez e Magaly Bonilla, além da espanhola Ainhoa Pinedo e da americana Erin Taylor-Talcott.

Um atleta do sexo masculino, o Quentin Rew da Nova Zelândia, também apoiou o caso porque, de acordo com DeMeester, o bicampeão olímpico “sente fortemente que as mulheres atletas devem ter as mesmas oportunidades que os homens”.

A World Athletics, então a IAAF, havia afirmado em um comunicado enviado no ano passado para os jogos que eles tentaram incluir os 50 km de mulheres no programa, mas o COI recusou o pedido porque o programa de atletismo para Tóquio 2020 já havia sido acordado pelo seu Conselho Executivo em junho de 2017 antes do evento fazer sua estreia no Campeonato Mundial em Londres naquele ano.

Texto / Foto: Federação Portuguesa de Atletismo

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta