Bruno Sancho junta a Taça ao Campeonato Nacional

Bruno Sancho

Bruno Sancho

O campeão nacional de maratona BTT (XCM), Bruno Sancho (Korpo Activo/Penacova), deu continuidade aos bons resultados, conquistando a Taça de Portugal de XCM, graças ao triunfo na última prova pontuável, em Condeixa-a-Nova.

A 4ª e ultima etapa da Taça de Portugal de XCM foi organizada pelos BlackBulls Cycling Team, uma etapa duríssima, com condições climatéricas bastante adversas, mas valeu o empenho dos atletas para o seu sucesso.

Ana Antunes (Ser e Parecer Publicidade/Cycling Project), mesmo sem pontuar neste domingo, celebrou a vitória na Taça entre a elite feminina.

Texto: UVP – Federação Portuguesa de Ciclismo
Fotos: BlackBulls Cycling Team by Carlos Augusto

Bruno Sancho junta a Título da Taça de Portugal de XCM à Maratona BTT (XCM)

O troféu de regularidade da época de 2021 decidiu-se nos 80 quilómetros da maratona deste domingo, disputados num terreno endurecido pela chuva, em plena serra de Sicó.

Bruno Sancho

Andrew Henriques (BTT Loulé/Elevis) partia no comando da Taça, mas bastava a Bruno Sancho ser o mais forte em Condeixa para destronar o algarvio.

Duas semanas após ter conquistado o título de campeão nacional de elite, o ex-profissional de estrada confirmou o bom momento e foi o melhor de todos em Condeixa.

Bruno Sancho completou a corrida em 4h01m37s, menos 4m46s do que Andrew Henriques e Filipe Francisco (Louletano-Loulé Concelho), que o acompanharam no pódio de hoje.

Bruno Sancho

Com este resultado, Bruno Sancho conquistou a Taça, somando 940 pontos, mais 30 do que Andrew Henriques e mais 340 do que Roberto Ferreira (DMT Racing Team).

Bruno Sancho confessou à nossa equipa de reportagem “Em relação ao percurso, era percurso duro e técnico e com as condições climatéricas que se fizeram sentir, fez com que se torna-se num dia muito difícil.

No entanto foi uma prova com um percurso que me agrada, não tive percalços acabou tudo por correr bem.

Em relação à dobradinha tem um significado especial, pois é a recompensa por toda a dedicação à modalidade.

Marilyne Marques marcou a diferença

A elite feminina cumpriu 60 quilómetros, suficientes para Marilyne Marques (CCDR Colmeal Torre/Visit Belmonte/Starmodular) fazer a diferença e triunfar ao fim de 4h09m50s.

Marilyne Marques

Relativamente ao percurso, achei um trajeto bastante interessante, vários single tracks, subidas duras, descidas divertidas mas muita lama devido ao mau tempo, o que tornou as subidas ainda mais duras e algumas descidas e zonas técnicas mais perigosas.

Apesar das dificuldades causadas pela lama, no geral penso que a prova me correu bem.

Sabia que devido ao mau tempo seríamos menos atletas em prova, então havia algumas hipóteses de fazer uma boa classificação.

A partir daí foi gerir o esforço, sempre com o máximo de concentração para tentar evitar erros e enganos no percurso.

Na parte final o cansaço já se fazia sentir e o ritmo já não era o mesmo, mas valeu a pena todo o esforço, tanto pela experiência como pelo resultado final.

Vencer uma prova da Taça de Portugal no meu escalão, apesar de saber que o resultado também se deveu à ausência de algumas atletas, é sempre uma alegria enorme.

Ainda mais com a pouca experiência que tenho neste tipo de provas, e um orgulho tê lo conseguido representando a minha equipa a quem devo um grande agradecimento por todo o apoio dado.” declarou Marilyne Marques após o términus da prova.

Marisa Costa (BTT Loulé/Elevis) gastou mais 2m05s e foi a segunda classificada, enquanto Marlene Gonçalves (Douro BTT CPAD) fechou as contas do pódio, a 12m14s.

Marisa Costa

Marisa Costa, uma atleta polivalente a praticar para além deste evento do XCM, a Orientação onde recentemente conseguiu mais uns feitos, e a sua inclusão pelo ciclismo e BTT, escreveu na sua página “Há dias de azar e ontem foi um deles. O lema para o menu de ontem foi: enquanto a cabeça manda, as pernas não param de rodar…

Prova exigente dadas as condições climatéricas 🥶🌧, com dificuldade acrescida devido à falta de travões traseiros partir do km3.

Não pude curtir os trilhos como queria, no entanto, não caí nem parti nada (nem o motor)😂

Orgulhosa por não ter desistido e ter feito o melhor que pude!

Para o ano estou cá outra vez, sempre acompanhada pelos melhores.

Ana Antunes ganhou a Taça, com 800 pontos, seguindo-se Celina Carpinteiro (BTT Loulé/Elevis), com 630, e Marlene Gonçalves, com 610.

Entre os veteranos, a Taça de Portugal foi ganha pelos

Master 30 Filipe Ramos (Guilhabreu BTT) e Ana Barata (BTT Gardunha/Fundão/Create).

em master 35 José Lourenço (SPAC BTT);

pelos masters 40 Martinho Saragoça (Róódinhas/Santos Silva) e Raquel Santos (BTT Seia);

pelo master 45 José Magalhães (Guilhabreu BTT);

pelos masters 50 António Marques (BTT Seia) e Carla Vieira (Padeirinhas Sobre Rodas/Simoldes);

pelo master 55 Fernando Gonçalves (CTM/Vila Pouca/CEPSA/Casa Lima Chaves) e pelo master 60 Abílio Moreira (Trepanelas/Prifer).

Tiago Craveiro

A Taça nas classes de paraciclismo foram para Tiago Craveiro, em D, e Hugo Frade (Saertex Portugal/Edaetech), em C. Carlos Brás (Golden Clube Cabanas) venceu o troféu em bicicleta de assistência elétrica.

O Vasconha BTT Vouzela foi a melhor equipa, ao passo que o BTT Gardunha/Fundão/Create foi o melhor bloco em masters na geral.

Depois de uma época atribulada, esta última etapa também foi duríssima, com condições climatéricas bastante adversas, mas com a garra e determinação que nos caracteriza conseguimos alcançar mais um pódio por equipas e levar de vencida esta importante competição.

Um agradecimento a todos os atletas e staff presentes, e a todos os que contribuíram para mais esta importante vitória.

Uma dedicatória especial para o nosso atleta Bruno Rosa que se encontra a recuperar de uma lesão grave.

Nenhum de nós é tão forte como nós todos juntos.” palavras do responsável da equipa do Vasconha BTT Vouzela

Parceiros

Deixe uma resposta