Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Carina Paim «Estava bem e motivada»

Para além dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, também os Jogos Paralímpicos sofreram o mesmo adiamento. Os atletas portugueses Carina Paim, João Correia, Carolina Duarte e Miguel Monteiro viram um sonho e objectivo adiado.

Mais, o surto de coronavirus também trouxe mais cancelamentos e adiamentos de outras competições internacionais a uma franja de atletas que já tinham conseguido a sua cota de qualificação para esses mesmos Jogos Paralímpicos.

Agora existe uma espera até 2021, sem também se perceber se ainda haverá época e alguma competição para eles em 2020. Contudo, os atletas não perderam a esperança e têm conseguido encontrar ânimo e capacidade de treino .

A Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) falou com quatro destes atletas, apresentando hoje dois deles (Carina Paim e João Correia num próximo artigo), os seus sentimentos sobre o adiamento e a sua preparação atual. Na próxima semana, teremos aqui Carolina Duarte e Miguel Monteiro.

Carina Paim
Carina Paim

Carina Paim: «Estava bem e motivada»

Começamos com Carina Paim (20 anos), especialista em 400 metros, que recentemente medalha de bronze nos Mundiais IPC de 2019, que compete em T20 (deficiência intelectual). A atleta do Sporting Clube de Portugal foi das que não ficou contente com o adiamento.

«Para mim o adiamento dos jogos para 2021 foi um pouco mau, pois encontrava-me numa forma muito boa, sentia-me muito bem e motivada», referiu, sublinhando que, «como é óbvio, continua a ser um objetivo. É um sonho e sendo que não foi cancelado simplesmente foi adiado, significa que ainda é possível».

Com esta determinação focada no futuro e na perseguição do sonho realizável, a atleta treinada por Anabela Leite, tem cumprido com as indicações das autoridades portuguesas.

«Os meus treinos têm sido feitos em casa, o mais parecido possível com o normal (pista), com algumas adaptações. Tudo o que é corrida, aquecimento geral, séries, fartlek, rampas etc., é feito em passadeira.

O treino de ginásio é também adaptado, muito por falta de material. A maior parte dos exercícios são executados com o peso do corpo, os restantes alguns para meter carga utilizo paletes de garrafas de água no lugar dos pesos, cadeiras em vez caixas…

Para os exercícios de pliometria utilizo bancos ou a cama para os saltos e as escadas de casa», resumiu a atleta empenhada em manter a boa forma, apesar das circunstâncias atuais.

Carina Paimcarina paim

Treino ativo e adaptado

Sobre as implicações que estes tipos de treino podem trazer, atendendo a que não existem objetivos competitivos para esta época, Caria Paim refere que o trabalho feito em casa ajuda bastante.

«Consigo manter-me ativa e manter o meu nível como estava, ou semelhante ao que estava antes da quarentena, para que, quando voltarmos aos treinos, não se tenha que voltar a começar tudo do zero. Assim será mais fácil», referiu.

Adiantando que este tipo de trabalho, «terá algumas implicações, pois correr na passadeira não é o mesmo que correr na pista, fazer trabalho de força com paletes de garrafas de água não é o mesmo que utilizar uma barra com pesos.

Treinar em casa ajuda a manter, mas não há evolução, é quase impossível ficar mais rápido, mais resistente ou mais forte, sendo isso mau para quando voltar tudo ao normal».

Com tantas mudanças, com tanto trabalho em casa, mas sem deslocações, abre-se tempo para outras atividades mais caseiras e Carina Paim aproveita para «fazer tudo o que não conseguia no meu dia-a-dia anterior a este confinamento.

Para além das aulas que continuo a ter (online), passo mais tempo com a família, ponho as séries em dia, vejo filmes, faço jogos em família, aproveito para cozinhar, etc., etc», concluiu, afirmando ainda que tenta recuperar ao máximo todos os dias, com um sono regular.

Resumo de Palmarés

Nome: Carina Paim carina paim
Classe: T20
Local/data de nascimento: Lagos, 03/05/1999
Clube: Sporting CP
Treinadora: Anabela Leite
Recorde Pessoal: 57,29 s
– Medalha de bronze nos Mundiais IPC, Dubai 2019
– Campeã da Europa de Pista ao Ar Livre, Berlim 2018, e Pista Coberta, Istambul 2019
– Recordista da Europa dos 400m Pista Ar Livre

Texto: António Fernandes (com a colaboração do técnico José Silva)
Fotos: Comunicação Federação Portuguesa de Atletismo

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta