Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Crono “Alentejana” com supremacia azul e branca

É a minha primeira vitória como profissional. É uma sensação única!” declarou em êxtase João Rodrigues (W52/FC Porto), 24 anos, o novo Camisola Amarela da 37ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola, após vencer o crono, o contrarrelógio individual este sábado, em Castelo de Vide.

João Rodrigues – W52/FC Porto

“É uma sensação única!” declarou João Rodrigues após a vitória no crono

Contra o tempo e contra o vento, o corredor azul e branco gastou 12 minutos e 45 segundos a cumprir o exigente traçado de 8,4 quilómetros do crono, deixando a três segundos o compatriota algarvio Luís Mendonça (Radio Popular/Boavista), que tinha tocado na “Amarela” na etapa matinal em Portalegre.

Os três segundos são também agora a vantagem que Rodrigues tem na classificação geral para Mendonça enquanto o companheiro de equipa, Raúl Alarcón, terceiro no crono está a quatro segundos.

Cauteloso mas confiante no triunfo final da Alentejana, João Rodrigues sublinhou que “ainda falta uma etapa, até lá vamos ter muitas dificuldades. Pode haver cortes na chegada a Évora, temos de esperar por amanhã para vermos se realmente a equipa consegue a vitória.”

Luís Mendonça – Foto: Paulo Maria

Manhã passageira

A anteceder o crono, a etapa matinal com pouco mais de 70 quilómetros foi discutida entre Ponte de Sor e Portalegre sendo ganha pelo colombiano Sergio Higuita (Equipo Euskadi) mas catapultando Luis Mendonça para a Camisola Amarela. Sem vantagem por não haver bonificações, estavam empatados com o mesmo tempo nove corredores, o que aguçava o apetite dos seguidores da prova para as contas finais do contrarrelógio.

Luis Mendonça escreveu na sua página “De amarelo na Volta ao Alentejo… quase nem dá para acreditar que na semana passada estava no bloco operatório ainda com imensas dúvidas de quando iria competir e hoje estou de amarelo nesta Volta… Parto às 18h15 para o crono… Vou dar tudo para segurar esta liderança

A manhã seria decisiva para a classificação da montanha. A investida de James Fouche na aproximação ao prémio de 4ª categoria no Crato permitiu ao neozelandês da equipa Wiggins Lecol garantir a Camisola Castanha Delta Cafés, sem ser necessário abordar o soberano Cabeço do Mouro nas primeiras posições.

A despedida

As derradeiras emoções da 37ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola vivem-se, este domingo, a partir de Portalegre, de onde o pelotão parte para os 152 km finais, com Metas Volantes em Monforte, Borba e Redondo. A chegada e a entrega das camisolas, definitivos símbolos de líder, e do último Chapéu Alentejano acontece pelo quarto ano consecutivo na Praça do Giraldo, em Évora.

Texto: Podium Events
Fotos: Paulo Maria

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta