Banner superior
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Epic Race Pontevedra, que prova é esta

A Epic Race Pontevedra é uma ultramaratona non-stop com 562km de extensão e 13.000m de desnível positivo que tem que ser feita em contra-relógio, uma vez que os atletas têm 51 horas para finalizar a mesma.

Epic Race Pontevedra, é caso para dizer que prova é esta?

Esta corrida pode ser disputada a solo, duplas, triplas ou quadras. Nestas categorias podemos encontrar equipas masculinas, femininas ou mistas onde cada uma compete não só pela geral da prova, mas também pelas respetivas categorias.

A Epic Race Pontevedra é dividida em 8 etapas, o final de cada etapa é onde as equipas passam o testemunho entre os atletas das mesmas e é também onde os participantes podem ser apoiados legalmente pelas suas equipas. Entre etapas, cada atleta tem que se fazer acompanhar de tudo aquilo que lhe possa fazer falta para resolver qualquer tipo de problema que surja, ajuda exterior é punida com 4 horas, como tal a única ajuda que pode existir é entre atletas.

Na Península Ibérica temos várias corridas desta envergadura, contudo, o Epic Race Pontevedra é considerado por muitos a ultramaratona mais exigente da Península… Esta afirmação é facilmente comprovada se compararmos os tempos finais de cada uma delas.

Estivemos com Rui Matias, que nos fala da sua aventura, do que o levou a aceitar este desafio.

Quais as razões para te propores a tal desafio?

Desde que me lembro, sempre fui um miúdo ambicioso e este sempre foi um adjetivo que fez parte da minha forma de estar na vida.

A vida para ter sentido, no meu ponto de vista, tem que ser composta por objetivos para que o dia a dia seja uma luta constante em busca do sucesso para os atingir.

Em 2018, participei no Epic Race Pontevedra, completei 433 dos 562km e por 15 minutos de atraso ao fechar a etapa 6 fui desclassificado. Fiquei triste, porque tinha passado imensas horas na bicicleta, mas ao mesmo tempo ganhei força e decidi de imediato que no ano seguinte estaria lá de novo para acabar de escrever este capitulo da minha vida.

Assim foi, voltei e meti um ponto final naquilo que tinha ficado por escrever em 2018.

Que tipo de preparação fizeste?

Uma corrida desta dimensão, na minha opinião, só deve ser enfrentada por alguém que tenha muitas horas em cima da bicicleta, que conheça muito bem o próprio corpo e o saiba ouvir e por alguém que seja dotado de uma força psicológica um pouco acima da média para que consiga ultrapassar todas as fases boas e más que surgem durante tantas horas a pedalar.

A preparação que fiz, por mais estranho que possa parecer, não foi diferente àquela que faz um atleta mediano que disputa a Taça de Portugal de Maratonas. Desde janeiro até à data da prova, pedalei 6200km em 252 horas divididas entre treinos em estrada, rolo e BTT, assim como em algumas provas.

O ginásio também foi um complemento importante na minha preparação para que toda a estrutura corporal aguentasse tantas horas em cima da bicicleta.

Não menos importante, o bom ambiente e apoio familiar e dos amigos também foram a chave do sucesso. Não sei como seria passar 49h29min a pedalar se não tivesse uma estrutura familiar forte e com bons amigos sempre por perto!

Como foi e como correu a prova?

A prova…

• 3º Lugar na categoria Solo Masculino;
• Finisher mais jovem na história do Epic Race Pontevedra (24 anos);
• 562km percorridos em BTT;
• 49 horas e 29minutos de tempo total;
• 13.000m de desnível positivo;
• 20min de sono planeado.

O tiro de partida

Era dia 31 de maio de 2019, 13 horas em Portugal, 14 horas em Espanha e é dado o tiro de partida.

O inicio foi em ritmo controlado atrás de uma viatura da organização, e os primeiros 10/15km foram um sofrimento, sentia-me maldisposto e ansioso, doía-me o corpo todo… acho que eram nervos por saber o que tinha passado na edição anterior e por saber o que tinha pela frente.

As etapas iam passando e eu sentia-me bem, sem quebras e sempre desperto, até que chega o primeiro amanhecer, o meu ponto fraco neste tipo de corridas… o que acontece é que começo a adormecer em cima da bicicleta! O ano passado quando isto aconteceu ia acompanhado e a coisa escapou, mas este ano ia sozinho, então e para evitar que caísse por adormecer na bicicleta, deitei-me por duas vezes no chão e dormi durante 2 a 3 minutos, o suficiente para despertar e seguir focado na corrida. Tive que recorrer a este “truque” 4 vezes durante a corrida e tenho a certeza que foi a opção mais segura e não me fez perder tempo, pelo contrário.

Quando cheguei ao fim, não tinha noção da quantidade de horas que tinha passado na bicicleta, e na verdade só tive ao fim de uns dois dias… O desgaste físico e psicológico é tão grande que perdemos a noção de algumas coisas!

Em suma, a corrida correu como planeado, tive a sorte do meu lado visto que a bicicleta durante os 562km só levou óleo na corrente e nunca tive qualquer tipo de problema na mesma.

Epic Race Pontevedra

Conselhos a quem queira participar?

Uma boa preparação é fundamental, e uma boa preparação passa pelos pontos que descrevi na forma como preparei esta corrida.

Muita gente já me questionou se fiz treinos de 500km antes do Epic, e a resposta é que não… na minha opinião basta estarmos bem treinados e com a cabeça no lugar, e claro, ter a sorte ao nosso lado para termos sucesso.

Rui Matias

Ir para um desafio destes a pensar em pódios?

Se tivermos pouca experiência, que é o meu caso, o conselho é que apenas se pense em terminar dentro do tempo, o que vier por acréscimo é bem-vindo, mas pensar apenas em acabar, é o principal.

Texto: Ricardo Saraiva
Fotos: Cedidas pelo Rui Matias

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta