Inês Monteiro acredita que ainda tem muito mais para ganhar

Após superar as lesões, Inês Monteiro acredita que ainda tem muito mais para ganhar.

Inês Monteiro é inquestionavelmente uma das referências do fundo português feminino.

A atleta da Guarda, já lesionada conseguiu em 2010 o segundo melhor tempo de sempre de Portugal logo a seguir a Fernanda Ribeiro, que só seria batido em 2016 por Sara Moreira.

Onze medalhas internacionais

Num percurso com onze medalhas internacionais, numa luta desigual, um “adversário” superou-a, as lesões. Foi um grande calvário, mas após superar essa grande adversidade, Inês sente que está aí para se redimir e voltar a honrar a bandeira portuguesa.

Após sete anos de interregno, já foi em dezembro aos europeus de crosse e vai no próximo fim de semana aos Europeus de 10 mil metros.

A atleta do Centro de Atletismo de Seia sente-se forte e preparada para novas conquistas.

Inês Monteiro

Inês Monteiro nasceu a 18 de maio de 1980 e é natural da Guarda onde reside.

Apesar de ter começado aos 11 anos no mundo do atletismo, foi aos 15 anos que Inês Monteiro teve o seu primeiro grande momento ao sagrar-se vice-campeã juvenil de corta-mato.

Mas foi aos 18 anos que Inês mostrou a sua raça de vencedora, quando ao deslocar-se para o Europeu de Corta-mato toma conhecimento da morte súbita do seu pai. Ainda assim, a atleta viajou e trouxe a medalha de prata que conquistou na corrida de juniores dedicando-a ao pai. No ano seguinte viria a sagrar-se campeã europeia da categoria.

Clubes que representou

Iniciou-se no Clube Desportivo Pinheiro, que representa em 1998 e 1999.

No ano 2000 representou o Sporting CP.

De 2001 a 2005 representou as cores do Joma.

No período 2006 a 2012 apresenta-se com as cores do Maratona CP, com exceção do ano 2010 em que compete como individual.

Compete desde 2016 com as cores do Centro de Atletismo de Seia.

Treinadores

Até 2011, Pedro Martins foi o seu treinador, João Campos treinou a atleta em 2012. Desde 2016, Inês Monteiro é treinada por João Gomes.

Curriculo invejável

Como juvenil e júnior foi três vezes campeã nacional de corta-mato.

Na época 2001/2002, Inês Monteiro estreia-se como sénior e foi acumulando uma serie de vitórias tanto a nível nacional como internacional.

A nível nacional, obteve quatro títulos nacionais 1500 mt (2003, 2006, 2008 e 2009), um título nacional 5000 mt (2005) e 10000 mt (2003), dois títulos nacionais pista coberta 1500 mt (2000 e 2009) e outros tantos em pista coberta 3000 mt (1999 e 2000) e finalmente um titulo nacional Corta-mato em 2009.

A nível internacional, são de destacar três primeiros lugares nos Campeonatos da Europa, Atenas, 2005 nos 3000 mts, Madeira, 2009, 10000 mt e Marselha, 2010, 10000 mts.

Teve duas participações em Jogos Olímpicos: Atenas 2004, 5000 mt e Pequim 2008 na maratona.

Como e quando é que surge esta paixão pelo atletismo?

A paixão pelo Atletismo surge desde muito cedo através da minha tia (Fátima Neves) que era atleta. Aos 11 anos federou-me num clube e iniciei assim.

Um título de Campeã da Europa de juniores em corta mato, seis títulos nacionais, três de estrada em sénior e três no corta mato nas camadas jovens, um percurso recheado de internacionalizações e títulos?

Sim, felizmente tenho um currículo bastante bom!

Uma carreira prometedora, com títulos, mas que as lesões travaram?

Sim, mas em 2010, quando estava no auge da minha carreira e fui atraiçoada por uma grave lesão nos joelhos. Foram 6 anos a tratar esta lesão com algumas cirurgias pelo caminho. Foram anos muito difíceis para mim.

Numa luta desigual, em 2010 foi operada ao tendão rotuliano do joelho direto, com tantas lesões nunca lhe passou pela cabeça desistir?

Como já referi, durante estes 6 anos houveram momentos muito complicados onde ponderei muitas vezes desistir, mas, por outro lado, nunca me conformei com a forma como fui afastada das pistas. Lutei, sofri e consegui superar. No fundo, a esperança de regressar nunca morreu.

O segundo lugar na Meia Maratona de Ovar em outubro e a vitória no Crosse de Torres Vedras foram o clique que lhe faltava?

Esses resultados foram uma motivação extra. Aquela que talvez necessitasse para acreditar que ainda era possível andar na frente das corridas ao fim destes anos afastada. O resultado da meia-maratona de Ovar foi muito importante porque é uma prova mítica para mim, onde já fui feliz muitas vezes no passado!

Regresso em grande no Cross de Torres Vedras – 1º Lugar

Depois de uma “paragem”, o que a fez regressar a este nível? Vontade de se redimir do tempo perdido ou mostrar que a Inês Monteiro tem ainda algo para mostrar?

É um pouco das duas coisas. Claro que o tempo perdido, nunca o vou recuperar. A paragem foi numa idade em que devia estar no topo da minha carreira. No entanto, ainda tenho objetivos e muita coisa importante para realizar. É por esses objetivos ou sonhos que luto. Também quero que a minha filha cresça e veja a mamã correr.

Este “calvário” impediu-a de alcançar grandes patamares?

Não sei se os iria atingir, mas impediu-me de lutar por esse elevado patamar.

A trabalhar como professora nas piscinas municipais da Guarda e a treinar, é fácil conciliar as duas actividades para ter o atletismo ao mais alto nível?

É muito difícil…muito mesmo! Além disso, ainda tenho uma bebé. No entanto, conto com o apoio do Município da Guarda e nesse sentido fico muito grata por isso. De outra forma seria de todo impossível.

No período negativo da sua carreira, onde as lesões a “derrotaram”, recebeu a melhor “medalha” que conquistou até hoje, a filha, agora como mãe é ainda mais complicada ou não?

Sim, fui mãe e sem duvida é a melhor medalha que uma atleta possa conquistar. Claro, que para treinar, trabalhar e ter uma filha para cuidar é extremamente difícil e muito cansativo. Tem que haver todos os dias uma disciplina muito grande.

Teremos uma futura campeã a seguir as pisadas da mãe?

Se ela quiser terei muito gosto, mas nunca a irei “empurrar” para o Atletismo. Apenas quero que pratique desporto, seja qual for e não tem de ser de competição.

Corrida das Cantarinhas / Bragança

Depois do Pinheiro, o Sporting, o Joma e o Maratona, após um período como individual, a aposta no Centro de Atletismo de Seia tem alguma justificação?

Eu sinto-me bem no Centro de Atletismo de Seia. É um clube que nunca me pressionou com resultados e nesta fase da minha vida é muito importante não andar pressionada.

Pode ou não confirmar que o Benfica a contactou no início desta época, mas optou por ficar no Centro de Atletismo de Seia?

Não foi o Benfica… e optei por ficar no Centro de Atletismo de Seia porque lá, não sou obrigada nem pressionada apresentar resultados. Apenas faço o que posso e consigo. Estou tranquila e isso é muito importante. Até agora tem corrido muito bem.

Apesar de ser um clube do interior, o Centro de Atletismo de Seia tem um grande numero de atletas e com resultados visíveis?

Sim, o Centro de Atletismo de Seia é uma das melhores equipas a nível Nacional. O ambiente é muito bom o que ajuda muito para que os atletas apresentem resultados.

Vai terminar no Centro de Atletismo de Seia ou ainda espera vestir a camisola de um dos ditos grandes?

Não tenho objetivo nenhum neste assunto. Estou bem no Centro de Atletismo de Seia e para sair teria que valer MUITO a pena. Já não será qualquer proposta que me tira deste Clube.

Vai correr até quando?

Vou correr até o corpo e a vida o permitir!

Só o ano passado é que a Sara Moreira bateu o segundo melhor tempo de Portugal de sempre que era na Inês, a seguir a Fernanda Ribeiro, é prestigiante?

Claro! Tanto mais que o meu record pessoal nos 10 000 metros foi realizado lesionada no joelho. Poucas semanas depois estava a ser operada.

Cross Torres Vedras / 2016

Chamada à Seleção para os Europeus de Cross, a 11 de dezembro, foi o momento do regresso, agora será a confirmação?

Eu já não me sinto na obrigação de confirmar nada. Estou numa fase da vida e da carreira desportiva que faço o que faço para realização pessoal e porque gosto. O meu currículo já tem um pouco de tudo, não será fácil fazer melhor.

Com onze medalhas conquistadas em termos internacionais, ainda espera aumentar este número?

E houver oportunidades ou basta não ter azares pelo caminho. Tenho a certeza que esse numero irá aumentar brevemente.

Depois de Pedro Martins e João Campos, João Gomes é o responsável pelo seu sucesso atual?

Sim, após a ultima cirurgia e duas fraturas de stress graves foi com o João Gomes que consegui regressar. Ainda estamos juntos há pouco tempo, mas penso que no futuro ainda será melhor. Neste momento ainda me estou a adaptar á forma de ele trabalhar e ele também ainda está a conhecer-me como atleta (no que respeita ao plano de treino). O João acredita em mim e eu acredito no trabalho dele. Temos tudo para ter sucesso.

Depois de Atenas e Pequim, em que foi atleta olímpica, os próximos Jogos Olímpicos são uma meta definida?

Não escondo que gostava de fazer os 3 Jogos Olímpicos, mas ainda falta muito tempo. Vou continuar a trabalhar e logo se verá.

Que objetivos para o futuro?

Apenas quero correr sem lesões e ir melhorando a performance sem pressões.

Pode visualizar nos artigos a seguir referenciados as prestações desta grande atleta:

A Mais Bela Corrida do Mundo – Douro Vinhateiro.

Clube Atlético da Seia repete dobradinha em Cortegaça.

Corrida das Cantarinhas e as cântaras de barro.

[divide icon=”circle” width=”medium”]

Texto: Davide Pinheiro
Fotos: Faztletismo / Davide Pinheiro / Internet / Pagina do Facebook da Atleta

Parceiros

Deixe uma resposta