Nem só de planícies “vive” o Alentejo

Alentejo

O Alentejo é plano!!!! Ou não…

A Ultra Trail S. Mamede, prova que decorre por terras de Portalegre, provou que no Alentejo há muito mais que planícies. Os cerca de 400 participantes da prova rainha de 102 km, provaram ao vivo e a cores que para ir do km “0” até ao km “102”… foi preciso dar à perna em “planos muito, mas muito inclinados”… num total de 4800 D+.

As distâncias

A organização colocou à disposição dos atletas 4 distâncias: 100 km; 42 km; 22 km e 10 km. Os locais de partida diferiam de distância para distância, mas a chegada era coincidente a todas as distâncias – o estádio.

Partida dos 100 km

O início dos 100 km estava marcado para a meia noite do dia 18, dentro do estádio, num ambiente fantástico, ao som de um clássico dos U2, no meio de uma enorme multidão que com gritos, palmas e flash incentivavam de forma incansável todos os atletas.

Surpresas inclinadas

A organização prometeu novidades para a edição de 2018, com o percurso a ser efetuado no sentido contrário em relação ao habitual pelo Alentejo. Mas engane-se quem julga que as surpresas ficaram por aqui… os últimos 40 km foram verdadeiramente demolidores, com subidas intermináveis, super inclinadas e descidas técnicas… tudo isto adicionado ao facto de as pernas já transportarem em cima 60 km.

Foi sem dúvida a edição mais dura de todas as quatro que já fiz… neste momento ainda não consigo dizer se gosto mais assim ou da formula inicial… vou esperar mais uns dias, para ver se o empeno que tenho passa e dessa forma ser mais imparcial na opinião a dar.

Apoio nos abastecimentos e não só neste Alentejo

É incrível a quantidade de público que se encontra ao longo do percurso e a qualquer hora do dia e noite, não apenas nos abastecimentos, mas também em locais recônditos da serra. Um apoio que serve sem dúvida de alento e força para que os muitos km possam ser ultrapassados.

 

Organização

As provas que constituem a UTSM são conhecidas pelas excelência das marcações, dos abastecimentos e pela eficiência e simpatia de todo o staff.

Este ano no Alentejo tudo se voltou a repetir pelo melhor. Marcações praticamente sem falhas, abastecimentos bem posicionados e bem apetrechados e staff super atento a todos os pormenores e sempre pronto a ajudar.

Só me resta desejar que tudo se mantenha assim e que o preço que se paga para efectuar a prova se mantenha desta forma… equilibrado.

Classificações

Equipa do ACP / UTSM

100 Kms

Na distância dos 100 km os homens da casa dominaram a prova e ocuparam os dois primeiros lugares do pódio José Silvério do ACP/UTSM venceu com o tempo de 10h56, seguido de Nuno Paiva também ele do ACP/UTSM com 11h17 e o terceiro lugar foi ocupado pelo nosso enorme ultramaratonista João Oliveira da equipa Chaves Running Team – Associação Desportiva Dragões de Chaves com o tempo de 11h41.

João Oliveira

Viriato Dias com boa prestação

Viriato Dias em representação da CTAD – Trilhos de Cinfães um atleta que têm colaborado e representado o projecto necessitou de 16h41m46s para percorrer a distância e terminar em 84º da geral / 19º M40, uma prestação que oscilou entre o 20º lugar, 18º e o 19º lugar final.

António Soares leva o OPraticante.pt ao pódio

O Praticante fez-se representar pelo atleta totalista António Soares que obteve o 25º lugar da geral / 3º M50 com 14h30m24s, este atleta desde o inicio até ao km 55 esteve em 2º lugar, tendo perdido esta posição a partir do km 71

Artur Basílio que repetiu a sua participação de 2017 agora com melhor prestação ao obter o 173 da geral / 57º M40 – 20h42m37s, a sua classificação ao longo do percurso foi mais irregular que a do António Soares, começou em 41º e ao longo dos vários postos de controle foi aumentando até ser 65º, para na parte final voltar a recuperar.

No sector feminino Armanda Barroso que corre como individual venceu com o tempo de 15h26, seguida de Adriana Gomes do Minho Aventura com 15h36 e em terceiro ficou Virgínia Maria da equipa Trilho Perdido Eventos/Imporlux com o tempo de 16h10.

42 kms

Nos 42 km Emanuel Machado da equipa DAP Trail Team venceu com 4h27, seguido de Nuno Carneiro do Clube Zupper com o tempo de 4h36 e em terceiro ficou o homem da casa Luís Semedo do ACP/UTSM com o tempo de 4h49.

No sector feminino Elisabete Sousa do Clube Atlético de Penafirme venceu com 6h34, em segundo ficou Maria Jesus Monraia da equipa A. D. Ialbax com 6h40 e em terceiro ficou Angela Suzano da equipa Monsanto Running Team com o tempo de 6h49.

22 kms

Na distância dos 22 km Aite Tamang do AMCF – Arrábida Trail Team ocupou o lugar mais alto do pódio tendo gasto apenas 1h47’53’’, uma vitória discutida taco a taco com Vítor Cordeiro do EDV/Viana Trail que ficou apenas a 4 segundos do primeiro lugar e em terceiro ficou Tiago Valério do ACP/UTSM com o tempo de 1h49’55’’.

Ao nível feminino Lina Marques da equipa CLAC Entroncamento/Onda Trilhos venceu com o tempo 2h25, seguida de Vanda Gerónimo da equipa TOP GYM que gastou mais 2 minutos que a primeira classificada e em terceiro ficou Sofia Lourenço da equipa ARSM – Associação Recreativa S. Miguel com o tempo 2h31.

10 kms

Nos 10 km os homens da casa, da equipa ACP/UTSM, ocuparam os dois primeiros lugares da classificação com a vitória a sorrir para Duarte Semedo que venceu com o tempo de 55’, seguido de André André com 1h01’ e em terceiro ficou Diogo Rainho da equipa Os Trinca Espinhas que gastou 1h04’.

Em relação ao sector feminino Vanda Valente da equipa AD IALBAX venceu com o tempo de 1h23, seguida Ana Gonçalves da equipa MONBIKETEAM – Monforte Bike Team que gastou apenas mais 4 segundos que a primeira classificada e em terceiro Patrícia Batista da equipa Os Trinca Espinhas que precisou de 1h26 para efetuar esta distância.

Visualize mais fotos.

[divide icon=”circle” width=”medium”]

Texto: Viriato Dias
Fotos: Fotos do Zé

Parceiros

Deixe uma resposta