Open Oeiras, três vitórias “da casa” num dia recheado de ação

Tiago Cação

Um dia depois de Nuno Borges (378.º do ranking ATP), também Gastão Elias (323.º), Tiago Cação (551.º) e Gonçalo Oliveira (296.º) avançaram, esta terça-feira, para a segunda ronda do quadro principal de singulares do segundo Oeiras Open, torneio ATP Challenger 50 organizado pela Federação Portuguesa de Ténis no Complexo Desportivo do Jamor, em Oeiras.

Texto: Gaspar Ribeiro Lança
Fotos: Sara Falcão

Sitio oficial do evento.

O primeiro a seguir em frente no Open Oeiras foi Tiago Cação

Uma semana depois de ter alcançado pela primeira vez os quartos de final de um torneio Challenger, o jogador natural de Peniche regressou em grande forma ao court central do Jamor e superou o francês Tristan Lamasine, número 255 do ranking ATP e oitavo cabeça de série, por 6-2 e 6-4.

Com uma exibição extremamente sólida, o jogador que faz parte do Centro de Alto Rendimento da Federação Portuguesa de Ténis carimbou a segunda melhor vitória da carreira em termos de ranking, só atrás do triunfo contra o então 209.º classificado, Facundo Arguello, no Lisboa Belém Open de 2019.

Estou bastante feliz.

Foi um dos melhores jogos que fiz na minha carreira em termos de opções táticas, atitude e ao nível de como geri o encontro”, começou por dizer o penichense em conferência de imprensa.

Era um jogo que eu não queria mesmo perder.

Acordei com os pés de fora (risos).

Não queria deixar este jogo escapar, nem vou querer os próximos.

Se calhar estou mais empenhado, mais concertado fora do campo e isso reflete-se dentro do court ao nível de atitude e das opções que tomo.

Estou a preparar-me da melhor forma e estou a recuperar bastante bem para treinar e jogar com boa preparação física.

Este jogo é o resultado da soma das escolhas que eu tenho feito”.

Gastão Elias

Seguiu-se no Open Oeiras o triunfo de Gastão Elias

Depois, seguiu-se o triunfo de Gastão Elias, que reagiu da melhor forma possível à derrota na final do primeiro Oeiras Open, no domingo, e afastou o argentino Marco Trungelliti (237.º) em duas partidas, com os parciais de 6-1 e 6-4 depois de apenas 72 minutos.

Acabou por ser um encontro tranquilo, mas é sempre um daqueles encontros em que há perigo à espreita.

Como disse no outro dia, ele é um jogador muito talentoso e que tem muitas vitórias — e boas vitórias.

É completo e isso fez com que eu tentasse entrar da melhor forma possível, porque sabia que se ele saísse na frente do marcador podia crescer em confiança e podia complicar bastante as coisas”, explicou o ex-top 60 ATP após a entrada com o pé direito no torneio desta semana.

Open Oeiras
Gonçalo Oliveira

A fechar o dia o triunfo de Gonçalo Oliveira

A fechar o dia, mais um triunfo português: Gonçalo Oliveira batalhou durante 2h33 e conseguiu vencer o Riccardo Bonadio (291.º) em duas partidas, por 7-6(4) e 7-5, para aumentar para quatro o número de representantes nacionais apurados para a segunda eliminatória do Oeiras Open.

Eu e o Bonadio já nos conhecemos há bastante tempo e não esperava outra coisa que não pontos muito longos e jogos prolongados.

Foi isso que aconteceu hoje e tive a sorte de ganhar em dois sets, senão ficávamos cá até às oito da noite”, desabafou, bem-disposto, o tenista português de 26 anos.

Para além dos três portugueses, esta terça-feira também foi dia de vitórias para:

Oscar Otte (alemão primeiro cabeça de série que aplicou os parciais de 6-2 e 6-4 ao wild card Pedro Araújo, que jogou pela primeira vez o quadro principal de singulares de um Challenger),

Open Oeiras
Pedro Araújo

Mischa Zverev (ex-top 25 que beneficiou da desistência do compatriota Mats Moraing a meio do encontro para marcar encontro com Tiago Cação);

e o norte-americano Ernesto Escobedo, que confirmou o estatuto de terceiro pré-designado ao colocar um travão no bom momento do qualifier Evan Furness, com os parciais de 6-3 e 6-2.

Nuno Borges e Francisco Cabral assinaram em pares a primeira vitória portuguesa

Na variante de pares, Nuno Borges e Francisco Cabral assinaram a primeira vitória portuguesa, ao derrotarem os compatriotas e estreantes Vasco Prata e Eduardo Morais, com 6-1 e 6-3.

Gonçalo Falcão e o cazaque Denis Yevseyev não conseguiram superar os alemães Mats Rosenkranz e Tom Schonenberg (3-6, 6-4 e 11-9) e Henrique Rocha e Miguel Gomes cederam por 6-1 e 6-2 para Ernesto Escobedo e Lucas Miedler.

Parceiros

Deixe uma resposta