Pedro Bento faz história de bicicleta no Everest

Pedro Bento

Pedro Bento disse à Lusa que completou com sucesso o desafio do ciclismo entre Katmandu e o acampamento base do Everest, localizado a 5.364 metros, cobrindo um total de 450 quilômetros em 11 dias.

Depois de várias aventuras, muitas dificuldades, frio e sofrimento“, que incluiu ter que carregar sua bicicleta nas costas sobre “rochas, pontes suspensas e ciclovias intransitáveis” ao longo de mais de 150 quilômetros.

Leia também

Atleta de Almeirim vai subir o Everest de bicicleta

Texto: Lusa

Pagina do ciclista.

Pedro Bento escalou sózinho o Everest de bicicleta”

Salientando que ele é “o primeiro português a pegar uma bicicleta para o acampamento base do Everest” e “o único a fazer a conexão entre Kathmandu e o acampamento base do Everest sozinho (apenas três pessoas já haviam feito isso antes, mas em um grupo)“.

Pedro Bento afirmou que “a coisa mais importante de todas” foi ter conseguido reunir os fundos que ele entregará ao projeto Dreams of Kathmandu e Rainbow Volunteer Club.

Entre os altos e baixos de sua nova aventura, Pedro Bento mencionou ter, duas vezes, pedalado à noite na floresta “sem saber onde ficar e onde comer, com temperaturas congelantes“, e o “privilégio de participar de uma cerimônia de monges budistas em um templo a uma altitude de 4.200 metros“.

No último dia tive doença de altitude: dores de cabeça, vômitos, dores no corpo, perda de apetite (…)

Consegui fazer a rota restante comendo apenas um KitKat, mais de duas horas de escalada, com os níveis de oxigênio no sangue a 62%”, e acabei sendo levado de helicóptero para um hospital em Katmandu, devido ao estado frágil” em que ele estava, relatou.

O atleta ressaltou que todas as doações que recebeu foram para a compra de refeições para as crianças nepalesas tendo pago, todas as despesas pessoais e da viagem do próprio bolso.

153 doações, no valor de €3.329,63

No total, ele recebeu 153 doações, no valor de €3.329,63, acrescentou.

Pedro Bento afirmou que as doações são destinadas “para crianças que vivem em bairros completamente degradados, em barracos de lona, no meio de lixeiras ao ar livre, mesmo nos arredores de Katmandu“.

Pedro Bento

Neste momento, o projeto Rainbow Volunteer Club, em parceria com o projeto Sonhos de Katmandu, está trabalhando com o objetivo de levar muitas dessas crianças à escola.

Garantir que as mulheres desses bairros tenham acesso ao hospital quando dão à luz, encontrem famílias para crianças órfãs e, ao mesmo tempo, forneçam refeições decentes sempre que possível“, ele acrescentou.

Seu projeto Bakonbike, de “aventuras humanitárias“, visa, com a arrecadação de doações, apoiar esses projetos, disse ele, ressaltando que o fato de conhecer a realidade no terreno permite que ele perceba que “eles realmente fazem a diferença na vida dessas pessoas”.

Parceiros

Deixe uma resposta