Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Tiago Cruz na frente com Tomás Silva na perseguição

Tiago Cruz tenta superar uma das mais prolongadas secas de resultados da sua carreira e saltou hoje (Sábado) para o comando do The Tour Championship do Portugal Pro Golf Tour (PPGT), o torneio internacional de 25 mil euros em prémios que amanhã termina no Troia Golf.

Tiago Cruz tenta superar a seca de resultados da sua carreira

O antigo bicampeão nacional foi um dos cinco jogadores que assinaram hoje 68 pancadas, 4 abaixo do Par, o melhor resultado da segunda volta do torneio sancionado pela PGA de Portugal, Federação Portuguesa de Golfe e pelo britânico Jamega Pro Golf Tour.

Os outros jogadores com uma segunda volta de 68 (-4) foram os ingleses George Bloor, Miles Collins e Marco Penge, bem como o galês Toby Hunt, o vencedor do Pro-Am do passado dia 14.

Tiago Cruz foi, contudo, o único a aproveitar esse resultado para ascender ao topo da classificação com um agregado de 138 pancadas, 6 abaixo do Par, pois na primeira volta tinha apresentado 70 (-2).

Liderança partilhada

Uma liderança partilhada com os ingleses Matt Ford (69+69) e Dale Whitnell (67+71), dois rivais de peso. Ford joga no Challenge Tour, a segunda divisão europeia, e só veio a Portugal jogar em três torneios para preparar o início da época. Whitnell venceu recentemente dois torneios do Portugal Pro Golf Tour: o 5.º Palmares Classic em fevereiro e o 2.º Amendoeira O Connor Classic em março, exatamente a etapa do circuito que antecedeu esta final em Troia.

Tiago Cruz habituou-nos ao longo dos anos a vencer torneios no antigo Swing Ibérico do Jamega Pro Golf Tour, depois no Algarve Winter Tour e no Algarve Pro Golf Tour. Mesmo quando nasceu este Portugal Pro Golf Tour o jogador do BiG continuou a cotar-se entre os melhores, mas o seu último título já data de janeiro de 2018, o 3.º Palmares Classic.

Nesta temporada de 2018 / 2019 do Portugal Pro Golf Tour, iniciada em novembro, o melhor que Tiago Cruz fez foram dois 6.º lugares e uma 10.ª posição. Mas as exibições têm melhorado nas últimas semanas: foi 16.º no 1.º Amendoeira Faldo Classic e 6.º no 2.º Amendoeira O’Connor Classic.

Tiago Cruz
Tiago Cruz

Tiago Cruz tenta conquistar o seu primeiro título

Amanhã parte na coliderança para tentar conquistar o seu primeiro título do ano e logo um que oferece um prémio de 5 mil euros e cinco convites para o Challenge Tour em 2019, circuito em que o português de quase 37 anos tem a presença garantida em alguns torneios, mas não em todos.

«Desde o início do ano que eu e o meu treinador (Luís Barroso) temos estado a mexer em algumas fases do meu backswing e isso tem-me dificultado bastante o shot.
É difícil controlar a bola, às vezes tenho receio, não acredito no que tenho de fazer e sai um mau shot.
Ultimamente a bola já tem saído mais de acordo com o que temos vindo a trabalhar e os resultados têm vindo a aparecer», disse Tiago Cruz ao Gabinete de Imprensa da PGA de Portugal.

Outra questão a levar em conta é a sua adaptação aos novos ferros que utiliza desde dezembro: «Jogava com outra marca e este ano estou com a Wilson Staff.
Os tacos também são bastante diferentes, porque a cabeça do taco da Wilson é um pouco mais fina e pequena, e levei algum tempo a habituar-me».

Obstáculos têm sido superados

Aos poucos esses obstáculos têm sido superados e será um dos favoritos amanhã. «Este circuito está recheado de bons jogadores.
É importante para os portugueses evoluírem e compararmos o nosso jogo com o deles, e é bom estar na frente.
Vou lutar amanhã», acrescentou o profissional do Club de Golf do Estoril, que hoje brilhou com 1 eagle no buraco 18 (o seu nono), aproveitando a saída (tee) mais avançada (quase nas saídas amarelas).

Amanhã prevê-se menos calor e mais vento, tornando o campo de Troia num desafio muito maior. Aliás, hoje, a meio da volta, já surgiu uma brisa que criou mais dificuldades e essa foi uma das razões que levou a que os resultados não fossem tão bons.

«Implicou uma diferença de um ferro, mas já se sentiu influência», explicou Tomás Silva, que liderava ontem o The Tour Championship com um recorde do campo de 66 (-6), mas que tombou entretanto para o 5.º lugar, com 140 (-4), a 2 dos líderes.

Tomás Silva

Tomás Silva liderava ontem o The Tour Championship

O campeão nacional teve uma segunda volta de 74 (+2), fruto de uma série negra de 5 bogeys entre os buracos 8 e 15, e está empatado no 5.º posto com o perigoso holandês Lars Van Meijel (68+72), vencedor de dois torneios este ano, e ainda com o inglês George Bloor (72+68).

«Como disse ontem, este campo pode ser brutal do tee se estivermos erráticos e foi o que me aconteceu hoje.
Não tive um bom momento desde o buraco 8 ao 15, senti dificuldade em colocar a bola em jogo, mas depois consegui acabar com 1 birdie no 18 para manter-me na luta.
Comecei bem, estava confiante num bom resultado (fez birdies no 3 e no 6 para chegar às 8 pancadas abaixo do Par), depois compliquei, mas amanhã acredito que posso ter um dia positivo», analisou Tomás Silva, também do Club de Golf do Estoril e do Team Portugal.

Entretanto, o inglês Richard Mansell (66+76), que partilhava a liderança ontem com Tomás Silva, tropeçou para o 10.º lugar (-2), empatado com o português Tomás Bessa (71+71). Entre os 54 jogadores, 15 jogadores estão agora abaixo do Par do campo (eram 13 ontem).

Tomás Bessa

Texto: Hugo Ribeiro / PGA Portugal

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta