Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Tom Lewis duplo Campeão regressa este ano

O campeão do ano passado, o inglês Tom Lewis, e o seu compatriota Oliver Fisher, que no ano passado fez história em Vilamoura, confirmaram a presença na 13.ª edição do Portugal Masters, o mais importante torneio de golfe português, que o European Tour organiza de 24 a 27 de outubro, no Dom Pedro Victoria Golf Course, com o exclusivo Pro-Am a decorrer no dia 23.

Oliver Fisher 59 no Portugal Masters – Foto: Getty Images

Oliver Fisher, primeiro jogador a entregar um cartão de 59 pancadas

Lewis foi o autor da maior recuperação de 2018 no European Tour, partindo para a última volta com um atraso de 9 pancadas em relação ao líder, enquanto Fisher tornou-se no primeiro jogador a entregar um cartão de 59 pancadas, 12 abaixo do Par, na primeira volta do torneio do ano passado.

O simpático e comunicativo Lewis já tinha ganho o Portugal Masters em 2011, apenas no seu terceiro torneio como profissional, com um agregado de 21 pancadas abaixo do Par, e em 2018 conseguiu ainda melhor em 1 pancada, com -22, com rondas de 72, 63, 61 e 66. O amigo do português Pedro Figueiredo estava 9 pancadas atrás do líder da primeira volta, o australiano Lucas Herbert, mas acabou por superá-lo por 3 ‘shots’, bem como ao inglês Eddie Pepperell, que também terminou empatado em 2.º.

Tom Lewis na 13.ª edição do Portugal Masters

«Estou entusiasmado por regressar ao Dom Pedro Victoria, porque é um campo que tem sido positivo para mim, onde já ganhei por duas vezes», disse Lewis. «Muito aconteceu na minha carreira desde que, pela primeira vez, regressei a Portugal como campeão em título em 2012. É um torneio que tenho jogado todos os anos e vai ser agradável voltar de novo como campeão em título», acrescentou.

Foi no final de 2018, depois do Portugal Masters, que Tom Lewis ascendeu pela primeira vez aos 100 primeiros do ranking mundial. Depois de competir em Portugal, arrancou quatro top-15 em seis torneios. Desde então, tem sido capaz de manter esse estatuto de top-100 e procura agora encerrar a temporada de 2019 em grande estilo para atacar a época de 2020 com as atenções partilhadas em ambos os lados do Atlântico.

«O êxito em Portugal foi, na realidade, um ponto de viragem para mim. Há já algum tempo que não ganhava no European Tour e a vitória que tive semanas antes no Challenge Tour (a segunda divisão europeia) ajudou-me imenso. Estar na luta pelo título no último dia já não me pareceu uma coisa estranha e deu-me confiança para ir em frente e provar a mim próprio que poderia ainda competir e vencer a este nível», assumiu o jogador de 28 anos.

Tom Lewis
Tom Lewis recebe o troféu das mãos de Luís Silva do Turismo de Portugal após conquistar o Portugal Masters 2018 – Foto: Getty Images

«O meu segundo título do European Tour» Tom Lewis

«Mesmo sem ter tido o melhor início de torneio (igualou o Par-72 do campo desenhado por Arnold Palmer), algo despertou-me na sexta-feira e a partir desse momento sabia que havia um resultado muito bom à minha espera, sobretudo depois de ver o que o Oli (Fisher) tinha conseguido fazer (o tal recorde de 59). Quando me cheguei à frente no Domingo, não olhei mais para trás e a sensação no último buraco, depois de conquistar o meu segundo título do European Tour, é algo de que irei lembrar-me durante muito tempo», recordou.

Oliver Fisher tem, assim, um papel importante neste renascimento de Tom Lewis. O recorde de Fisher (que há muitos anos liderou um Madeira Islands Open) incluiu 1 eagle e 10 birdies, sem perder qualquer pancada. Mais de 690 mil voltas de golfe tinham sido registadas nos 46 anos de European Tour até ele conseguir quebrar a mítica barreira das 60 pancadas.

«Nunca esquecerei esse dia em Vilamoura. Escrever história daquela maneira é algo que nunca mais será apagado. Estou muito orgulhoso daquele feito. Estou desejoso de regressar em outubro e quem me dera poder reeditar essas belas memórias e terminar em grande esta época», comentou o inglês que concluiu a edição do ano passado num bom 7.º lugar, com 15 pancadas abaixo do Par (71+59+69+70).

Texto: Hugo Ribeiro
Foto: Getty Images

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta