António Riscado cinquenta anos de atletismo

Realizou-se hoje, 26 de Abril na Charneca, em Cascais, este evento que teve como intuito homenagear 50 anos de carreira de António Riscado.

Uma organização do União Recreativa da Charneca, onde André Riscado, filho do homenageado pertence à direcção, e nos confidenciou, ser um orgulho para ele, poder homenagear o seu progenitor e a sua carreira desportiva, ele que tem sido uma referência para si, o seu maior ídolo, e ter esta sido a forma de fazer o clube fundado a 1 de Abril de 1967, regressar à organização de eventos 35 anos depois da ultima organização, e aproveitar para homenagear um filho da terra.
Estivemos à conversa com o Homenageado, e fica para conhecimento geral, um pouco da sua vida desportiva, notável, não são 50 dias, são 50 anos a um nível elevado, com um reconhecido prestigio Internacional.

António Riscado nasceu a 17 de Dezembro 1949, começou a praticar atletismo com 15 anos e até aos 17 representou o Clube de Murche – Cascais, clube da terra, onde residia, aos 18 mudou-se para o F. C. “Os belenenses”, que representou até aos 28, dos 30 aos 32 anos, representa os Bombeiros de Cascais , ao mesmo tempo que dos 31 aos 40 anos se encontra filiado no Inatel, desde os seus 41 anos até à idade actual representa o Maratona Clube de Portugal.
Dos seus 50 anos de prática desportiva destacou o titulo de Campeão do Mundo de Veteranos I, em Helsinquia, onde obteve também uma medalha de prata nos 5.000 metros e de bronze nos 10.000 mts, Campeão Europeu de Veteranos I, realizado na Noruega, nos 5.000 mts e Vice Campeão nos 10.000 mts, e o Campeonato do Mundo de Veteranos I, no Japão, onde obteve o bronze nos 10.000 mts, foi também nestas distâncias dos 5.000 e 10.000 mts, bem como nos 3.000 mts obstáculos que como Veterano foi detentor dos recordes Nacionais.
Venceu o troféu spiridon em sénior por mais do que uma vez que elegia o melhor atleta de estrada durante a época, participou em várias maratonas internacionais, tendo na maioria delas saído vencedor, para além de muitos títulos e vitórias a nível nacional que fizeram dele um atleta de excepção no atletismo nacional, consagrada hoje com esta homenagem.

Falando sobre a corrida efectuada na distância de oito quilómetros, num misto de alcatrão e terra, foi unânime a opinião generalizada dos participantes ter sido bem durinha, mas agradável.
Para os que gostam de estatística, aqui fica a curiosidade do números :
Inscritos: 239 (175 homens) (64 mulheres)
Iniciaram: 205 (150 h) (55 m)
Terminaram: 199 (145 h) (54 m)

Os dois primeiros classificados mantiveram durante toda a distância um aceso despique pela vitória que veio a consagrar como vencedor Telmo Silva do AM Atibá, com Marco Melo do mesmo clube a obter o 2º, e Pedro Cruz do GFD Running em 3º lugar, em femininos Mónica Moreira do GFD Running que na passagem pela linha de partida após a primeira volta, já seguia em primeira, veia a sagrar-se vencedora, com o 2º lugar a ser ocupado pela veterana Lucilia Soares do SL Benfica a mostrar os seus dotes e capacidade física, para ainda ombrear com as mais jovens, e em 3º lugar Cristina Garcia do AM Atibá.
Por ultimo ouvimos a opinião de dois participantes:
José Silva da Odimarq, “Um evento duro, giro, num misto de alcatrão e terra, bem organizado”
Lucília Soares do SL Benfica “Giro, mas duro, num misto de pisos, em que mostrou a sua preferência pelo percurso efectuado na terra, por ser mais suave para os músculos, ao contrário do alcatrão em que os mesmos sofrem maior impacto, mostrando-se satisfeita pelo lugar obtido”

Fotos: Miguel David

Parceiros

Deixe uma resposta