Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Aventura do Casal do Marco a Portimão e regresso

Com a anulação de todas as provas que tinha no calendário, tinha de fazer algo mais que treinos, como tal porque não uma aventura do Casal do Marco a Portimão e regresso.

Sempre gostei de me desafiar, de testar até onde são os meus limites, fazer algo mais que o normal, ainda tinha que vencer um fantasma, algo que marcou um momento da minha vida.

Era a altura certa para isso, aproveitar uma janela que se abriu e a decisão estava tomada. Pois é!

O problema por vezes é eu decidir, porque depois já não há volta a dar e tenho de fazer o que penso.

Elevei bem a fasquia, desconhecendo totalmente como seria a reação do meu corpo, de um leque de várias dúvidas e certezas tinha a certeza de algumas coisas, iria ser difícil, iria ao meu extremo e ganhava muitas dores no corpo.

Mas como não sou o único maluco, desafiei o cavalão Luis José, para me fazer companhia em mais uma das minhas Aventuras.

Luís Filipe José e Rui Bastos

Inicio da aventura

Psicologicamente prontos iniciamos a Aventura, dia 03Julho2020 logo pelas 06h15 no Casal do Marco, o primeiro objetivo era chegar a Setúbal para apanhar o barco das 07h30 para Troia, foi sempre a dar ao pedal.

Atravessar o Sado a ver o Sol a subir no horizonte, levava-nos a pensar que estávamos a iniciar uma grande Aventura em cima das bicicletas, uma das maiores que já tínhamos feito, um marco histórico nas nossas vidas como desportistas.

Inicio no alcatrão, um choque entre os nossos dois punhos e vamos lá a disfrutar da 1ª etapa desta loucura.

O trajeto utilizado foi o do celebre Troia-Sagres, aproveitar o fresco da manhã para rolar o mais rápido possível para evitar as zonas mais complicadas do trajeto com a hora de calor.

Uma brisa fresca fazia com que os motores estivessem sempre confortáveis, mas estava a iniciar-se a zona com maior dificuldade, paragem na localidade de “Deixa o Resto” para uma bela sandes queijo com presunto, pois ter o estômago bem alimentado é recomendado mais uns kms “Santiago do Cacém”, e começava as subidas, uma estreia nesta parte do percurso para mim.

aventura
Rui Bastos e Luís Filipe José

“Deixa o Resto” para trás e seguimos para “Sonega”

Da zona de “Sonega” do alto da Serra avistava-se ao longe a bela costa de “Sines” cada km que passava estávamos mais próximos de acabar o primeiro dia.

Paragem para reabastecer de líquidos num estabelecimento, que nem vou mencionar o nome, pois enquanto me lembrar do preço de cada garrafa de água não entro pela porta, he,he,he,he, e já estávamos a passar por Vila Nova de Mil Fontes.

Hora da bifana caseira acompanhada de um belo e fresco Sumol, claro que numa fresca sombra, pois o calor já marcava bem a sua força e o Algarve cada vez mais próximo.

Kms e mais kms de estrada e chegada a “Aljezur” tínhamos duas soluções pensadas, virar para o interior e subir até “Marmelete” ou seguir até “Lagos” e fazer a EN125, eu tinha que vencer o fantasma do meu atropelamento.

Rumamos até Lagos, parei no local do acidente e fiz questão de agradecer ao primeiro ser humano que me ajudou, agora sim cumpri o meu primeiro objetivo desta viagem.

Luís Filipe José e Rui Bastos

Como é minha praxe, sempre que chego a Portimão, visito o miradouro da Praia da Rocha, um lugar muito especial para mim. Tiradas as fotos para recordar e só mais uns kms que tínhamos uma piscina a nossa espera. Nada como arrefecer os músculos naquela água.

E assim se terminava o 1º dia desta Aventura, esperem esqueci-me de vos descrever o belo prato de massa com feijão acompanhada de umas belas entremeadas grelhadas que foi o nosso jantar, preparado por uma Algarvia de gema, obrigado Avó!

aventura

2º dia de aventura, mochilas as costas e toca a pedalar

2º dia e o despertador tocava as 05horas da manhã.

Toca a despachar, tentar endireitar o esqueleto que ainda não tinha repousado o suficiente para mais uma tareia.

Pequeno almoço tomado, mochilas as costas e toca a pedalar.

Rui Bastos

Portimão ia ficando para trás, o trajeto de regresso tinha algumas alterações, a primeira foi um desvio com a intenção de passar por “Marmelete”, EN125 e desvio para o Autódromo Algarve, as primeiras subidas pareciam montanhas, mas o corpo dorido ia-se habituando novamente ao posicionamento na bicicleta e as pedaladas.

Para chegar a “Marmelete” tivemos que trepar, escalar sei o que lhe posso chamar, era uma verdadeira parede de alcatrão com uma desconhecida percentagem de inclinação, ai tantos nomes que chamamos a quem nos deu a dica daquele atalho hehehehehe.

Mas logo a seguir era o meu momento de brilhar, as descidas são mesmo a minha praia, toca a voar baixinho e a desafiar as velocidades.

Chegada a Aljezur e primeira paragem para cafeína, tipo formula um que o relógio não para e kms eram muitos até casa.

aventura
Rui Bastos e Luís Filipe José

Os mais duros 90 kms de todo o trajeto

Percurso já reconhecido, mas de forma inversa no dia anterior, fazia nos saber onde estavam as maiores dificuldades e preparados para os mais duros 90 kms de todo o trajecto.

Luís Filipe José e Rui Bastos

Mas enfrentar as dificuldades com o fresco do dia é completamente mais agradável.

Paragem para um bom reforço alimentar a saída de “Vila Nova de Mil Fontes” uma bela bifana com queijo e bacon acompanhada de uma coca cola fresca ajudava na recuperação.

Estômago atestado, bidons com água fresca e toca a pedalar, alteração de percurso para uma passagem por “Sines” para evitar a zona de serra fez com que andássemos um pouco a deriva, pois não podíamos usar a via rápida, até gravel (andar em terra batida com Bike de estrada) tivemos que fazer.

 

Tentamos, lutamos, mas morremos mesmo na praia

Objetivo de chegar a Tróia era a prioridade, mas o cansaço já fazia muita moça no corpo e a nível psicológico, era uma luta tremenda entre o querer e o poder, última paragem para abastecer de água fresca no “Carvalhal” e o horário do barco já apertava.

Tentamos, lutamos, mas morremos mesmo na praia, chegamos ao pontão e o barco estava mesmo de saída, mas nem tudo é mau, assim descansamos praticamente 1 hora na sombra, até a partida de novo barco, resumimos o que já tínhamos feito e que só faltavam 35kms e lutar na subida das Necessidades.

E assim foram 2 dias de aventura a pedal, com um total de 503 kms percorridos, 20h29minutos de movimento, 3.677metros de acumulado, mais de 12 litros de água para ambos e algumas coca colas.

Veremos quando será a próxima Aventura desta dupla…

Até breve

Visualize também

Pia de Urso, um passeio pelo Trilho da Amazónia

Texto / fotos: Rui Bastos

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta