Beijing 2022, Eborense garante acesso

Beijing 2022

José Cabeça

Évora poderá vir a estar representada nos próximos Jogos Olímpicos de Inverno, no Beijing 2022.

Texto: Carlos Neves
Fotos: Federação de Desportos de Inverno de Portugal

Eborense garante acesso a Beijing 2022

O jovem eborense José Cabeça garantiu, na cidade alemã de Oberstdorf, nos mundiais de Esqui Nórdico, a abertura de uma vaga para Portugal poder vir a estar representado nas competições de Esqui de Fundo nos Jogos Olímpicos de Inverno – Beijing (Pequim) 2022.

Tal aconteceu após a prova masculina dos 10 km estilo livre (Cross Country), onde o esquiador José Cabeça terminou no 48º lugar, com o tempo de 29:14.2, minutos, deixando atrás de si cerca de 40 adversários.

Venceu a prova Mark Chanloung (24:23,8m).

Beijing 2022

Foi uma experiência extraordinária”, começou por afirmar José Cabeça em declarações ao Diário do Sul desde a Alemanha.

Nem em provas de triatlo em que me senti tão bem preparado fisicamente.

Aliás, não foi por falta de condição física que eu não obtive um lugar ainda mais próximo dos primeiros”.

Os restantes portugueses, André Gonçalves e Filipe Cabrita, terminaram na 75ª e 76ª posição respetivamente, com os tempos de 35:10.4m e 35:11.0m, entre 86 participantes.

André Gonçalves

“…estou satisfeito com o resultado da minha prova” André Gonçalves

André Gonçalves confessou à equipa da reportagem de OPraticante.pt que:

Os objetivos da participação da equipa portuguesa foram atingidos, uma vez que conseguimos abrir uma vaga para os Jogos Olímpicos – Beijing 2022.

Desta vez Portugal contou com a presença de 4 atletas, o que é o dobro do que tínhamos no Mundial de 2019.

Pessoalmente a minha época foi prejudicada por uma lesão desportiva, que me impediu de treinar durante vários meses, mas, dentro das circunstâncias, estou satisfeito com o resultado da minha prova.

O meu objetivo para o corrente ano é lutar para conseguir ser eu o representante de Portugal nos próximos Jogos Olímpicos.

Aproveito a oportunidade para agradecer à FDI por todo o seu trabalho e empenho e por me terem dado a oportunidade de representar Portugal.

Agradeço também o apoio de toda a minha família, amigos, treinadores e colegas da equipa.

Filipe Cabrita

Filipe Cabrita “…uma experiencia inesquécivel…”

Filipe Cabrita declarou a OPraticante.pt “Iniciei-me no esqui de fundo aos 19 anos de idade em 1998 na Republica Checa, no entanto a minha carreira competitiva só começou em 2017.

As minhas expectativas para Oberstdorf era conseguir o melhor resultado possivel para a equipa Portuguesa e foi isso que aconteceu.” acrescentou.

Para concluir “Participar num evento de uma envergadura com o campeonato do mundo de esqui nórdico é sempre uma experiencia inesquecível por termos a oportunidade de competir lado a lado com os melhores do mundo nesta modalidade desportiva.

José Cabeça traído pelas descidas

Numa modalidade tão exigente como é o estilo livre – uma espécie de corta-mato, com esquis, sobre a neve – para além de ser exigida aos atletas uma condição física anormal, é fundamental dominar a técnica da descida e foi aqui, neste particular, que veio ao cimo a inexperiência do José Cabeça.

Com mais de metade da prova cumprida, cujo traçado era essencialmente plano ou a subir, “” Cabeça ainda conseguiu bater-se com os melhores, ao ponto de, por exemplo, ter feito o 10 ° melhor tempo no quinto sector, onde era 44° da geral.

Beijing 2022

Daí para a frente tudo foi diferente.

Tenho de aperfeiçoar a técnica de descida. Foi aqui que notei uma grande diferença.

Não é fácil descer, com uma certa velocidade, e fazer curvas ao mesmo tempo”, revelou, lembrando que a parte final do percurso era tecnicamente muito exigente neste capítulo.

Recorde-se que José Cabeça, que é triatleta, decidiu há um ano tentar a sua sorte nos desportos de inverno, designadamente no esqui de fundo, tendo treinado, durante o verão, em Évora, na estrada da Valeira ou nas variantes junto às fábricas da Embraer, com uns roller-skis (uma espécie de patins em linha em forma de esquis).

Preparar Beijing 2022

Portugal conseguiu a abertura de uma vaga para as competições de Esqui de Fundo nos Jogos Olímpicos de Inverno – Pequim 2022, com o excelente resultado do atleta José Cabeça na prova dos 10Km, com a obtenção de 250.12 pontos FIS, abaixo dos 300 pontos mínimos necessários para abrir a vaga olímpica.

Cumpre-se assim o principal objetivo que a Federação Portuguesa de Desportos de Inverno de Portugal tinha fixado para esta edição dos Campeonatos do Mundo de Esqui Nórdico.

Foi Fundada a 15 de maio de 1992, como Federação Portuguesa de Esqui e em 2008 assumiu a atual denominação.

Pedro Farromba – Presidente da FDI

Pedro Farromba “…Portugal saiu dignificado desta competição”

A Federação de Desportos de Inverno de Portugal tem feito um trabalho ao longo dos últimos anos para que possa estar representada nas diferentes modalidades que a Federação tutela.

Estes três atletas resultam dessa procura e a sua participação nestas provas, tinha como objetivo garantir a abertura de uma vaga nos jogos olímpicos.

Esse objetivo foi conseguido pelo José Cabeça, o que nos deixa a todos muitos contentes.

Mas também nos responsabiliza pelo que temos pela frente.

Porque vai ser preciso atingir resultados satisfatórios em várias competições até aos jogos de Pequim.

Aproveito para felicitar também André Gonçalves e Filipe Cabrita, pelas suas prestações.

Portugal saiu dignificado desta competição.” declarações a OPraticante.pt do presidente da FDI, Pedro Farromba.

Para que o sonho de José Cabeça se materialize e Portugal escreve mais uma bonita página no mundo do desporto, o jovem eborense, que atualmente reside e trabalha no Dubai, terá de competir oficialmente em mais quatro provas e deve obter em todas elas menos de 300 pontos FIS.

Beijing 2022

Sobre esta matéria, “” Cabeça mostrou-se extraordinariamente confiante.

Acredito que será uma meta perfeitamente alcançável.

Se tudo correr como o previsto, Évora irá ter um filho da terra nos Jogos Olímpicos de Inverno”.

Terceiro e último dia de competições a pensar em Beijing 2022

No terceiro e último dia de competições em Oberstorf, realizaram-se as competições de Sprint 1,2Km Clássico Feminino e 1,5Km Clássico Masculino.

No sprint 1,2 km clássico feminino, a esquiadora Angelika da Silva concluiu a prova de velocidade no 108.º lugar a 2.17,91 minutos da primeira, a sueca Johanna Hagstroem.

O esquiador Filipe Cabrita, foi o melhor representante português na qualificação do sprint 1,5 km clássico masculino, terminando a prova em 148.º lugar a 1.54,64 minutos do vencedor da competição, o norueguês Johannes Klaebo.

O atleta José Cabeça, sofreu uma queda, terminando na 151ª posição e André Gonçalves, face às características desta competição e por indicação médica uma vez que se encontra a recuperar de uma cirurgia ao tendão de Aquiles que realizou no ano passado, acabou por não competir na prova de sprint.

Já na próxima semana, Portugal volta às competições no Campeonato do Mundo Júnior de Esqui Alpino, que se realiza em Bansko na Bulgária, com os esquiadores Manuel Ramos e Pedro Marim.

Parceiros

Deixe uma resposta