Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

I Liga, Portugal na frente com 23 pontos de vantagem

Portugal segue na frente no final do segundo dia do Campeonato da Europa de Equipas, I Liga, com 23 pontos (!) de vantagem sobre a Holanda e 24 sobre a equipa da casa, a Noruega. Para este desempenho muito contaram todas as presenças nas finais das provas de velocidade, bem como um conjunto elevado de desempenhos até ao quarto lugar, sendo que nenhum dos portugueses ficou abaixo do oitavo posto!

Duas fantásticas jornadas seguram Portugal na luta pela subida à SuperLiga

Vamos aos desempenhos individuais. Antes de uma das provas mais emotivas do dia, os 1500 metros, devido à presença do mais novo dos Ingebrigtsen, Evelise Veiga participou no triplo-salto, onde terminou em terceiro lugar, com a marca de 13,94 metros, com uma boa prestação, principalmente porque não tinha previsto esta presença na competição.

Evelise Veiga

Evelise Veiga participou no triplo-salto

«Infelizmente elas não puderam dar o seu contributo, e eu tentei fazer o melhor pela equipa nacional. Não foi o melhor dos saltos, mas as condições não foram as melhores, nem tinha treino específico. Mas saio daqui contente, pelo que fizemos ao longo do dia, ajudando Portugal a estar na luta pela subida!», afirmou a atleta no final da sua prova.

Luta entre Portugal, Noruega e Holanda ao rubro na I Liga

Com a luta entre Portugal, Noruega e Holanda ao rubro na I liga (Bielorrússia está a ser uma desilusão), na prova dos 1500 metros, com a presença da estrela local Jakob Ingebrigtsen, campeão europeu de 1500 e 5000 metros, o público estava espantado com a prestação do português, que lutou até ao final pelo melhor resultado possível e esse foi o segundo posto!

Paulo Rosário

«Eu falei com a minha treinadora, ela disse-me que se estivesse muito vento para correr com calma, tentando fazer o melhor resultado possível e foi o que eu fiz, tentando chegar o mais perto possível do Ingebrigtsen, responder com a segurança de evitar que alguém viesse de detrás e me surpreendesse», disse Paulo Rosário no final da sua corrida, afirmando ainda que «esta tem sido uma boa época, tenho treinado sem limitações o que me permitiu estar nesta forma. Espero vir a melhorar porque tenho um sonho, que é difícil, mas não impossível de ir aos Jogos Olímpicos».

Mas os bons desempenhos portugueses na I Liga não se ficaram por aqui!

Respondendo à chamada, o quarteto de 4×100 m (Frederico Curvelo, Diogo Antunes, Carlos Nascimento, Delvis Santos) esmerou-se alcançando o segundo lugar na prova, e a estafeta feminina não fez por muito menos, terminando na terceira posição, com Lorene Bazolo, Olímpia Barbosa, Catarina Lourenço e Sofia Duarte.

Estafeta feminina

Sacrifícios por Portugal

E aqui, um parêntesis: para referir que o esforço e o desempenho de Portugal na I Liga manifestam-se até em pequenos pormenores, como o facto de a velocista Sofia Duarte, que sacrificou a sua lua de mel (casou no passado sábado), para estar a competir numa equipa extraordinária.

Outro exemplo do querer e determinação foi dado pelo treinador Pedro Pinto e pelo funcionário da FPA, João Marques, que voaram até Hamburgo, na Alemanha, para depois fazerem uma viagem de carro de mais de 11 horas para que os saltadores com vara pudessem competir com as duas varas.

Todos estes estímulos e os anteriores servem de mote e motivação para outros atletas, bem como os resultados de internacionais como Ricardo dos Santos, terceiro nos 400 metros, com a sua melhor marca do ano.

Outros resultados na I Liga confirmaram o bom momento português

E, outros resultados confirmaram o bom momento português, com Tsanko Arnaudov,no peso, Hélio Gomes, nos 5000 metros, Joana Soares, nos 3000 m obstáculos, e Ivo Tavares, no comprimento, todos com desempenhos fundamentais, que transmitiram confiança, e até mesmo Paulo Conceição, na altura, e Cláudia Ferreira, no dardo, estiveram num nível elevado.

Tsanko Arnaudov

Resumo dos resultados portugueses:

Martelo – Vânia Silva, 8ª, 57,83 m
400 m barreiras – Vera Barbosa, 4ª, 57,13 s
400 m barreiras – Ricardo Lima, 8º, 52,33 s
100 m – Lorene Bazolo, 2ª, 11,75 s (-1,8)
100 m – Carlos Nascimento, 1º, 10,64 s (-2,6)
3000 m – Mariana Machado, 3ª, 9.49,98 m
800 m – Marta Pen, 8ª, 2.07,01 m
400 m – Cátia Azevedo, 3ª, 52,44 s
Triplo – Evelise Veiga, 3ª, 13,94 m (+2,4)
400 m – Ricardo dos Santos, 3º, 46,74 s (melhor marca da época)
Peso – Tsanko Arnaudov, 4º, 19,59 m
5000 m – Hélio Gomes, 4º, 13.54,98 m
Altura – Paulo Conceição, 8º, 2,12 m
3000 m obstáculos – Joana Soares, 4ª, 10.00,73 m
Dardo – Cláudia Ferreira, 8ª, 49,61
Comprimento – Ivo Tavares, 4º, 7,70 m (+1,8)
1500 m – Paulo Rosário, 2º, 3.45,18 m
4×100 m – Portugal (Sofia Duarte, Lorene Bazolo, Olímpia Barbosa, Catarina Lourenço), 3º, 44,94 (melhor marca do ano)
4×100 m – Portugal (Frederico Curvelo, Diogo Antunes, Carlos Nascimento, Delvis Santos), 2º, 39,79

Classificação: 1º Portugal, 163 pontos; 2º Holanda, 140; 3º Noruega, 139; 4º Turquia, 137; 5º Bielorrússia, 135.

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo
Foto: Erik Van Leeuwen / FP Atletismo

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta