Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

João Vieira, a glória nascida do inferno

Excelente o segundo dia dos Campeonatos Mundiais de Atletismo de Doha’2019, no Qatar, com a prova de 50 km marcha a fechar o programa, com início às 23.30 horas e final quase ao raiar o dia, e João Vieira a ser o destaque do dia!

João Vieira

João Vieira, o segundo atleta de sempre em mundiais conquistou medalha de prata

Debaixo de uma temperatura constante acima de 31 graus, mas agora com condições de humidade a baixar para os 70 por cento, nalguns momentos, João Vieira, fez uma memorável prova, cumprindo o que ele e a sua treinadora, Vera Santos, o que haviam planeado, começando cautelosamente, adaptando-se às condições climatéricas, para terminar no segundo lugar da prova, com a marca de 4:04.59 horas, a 39 segundos do japonês Yusuke Suzuki, novo campeão do mundo.

Aos 43 anos, após 11 presenças em mundiais (é o segundo atleta de sempre em mundiais), João Vieira conheceu uma estreia, «competir pela noite», mas com um desfecho que o deixa muito feliz «pela conquista da medalha de prata, a minha melhor classificação em mundiais».

João Vieira
João Vieira

«Tóquio está já aí ao virar da esquina» disse João Vieira

Sobre a conquista, afirmou que ela não se deve «a milagres, mas a muito trabalho, de uma grande equipa, pelo seu valor, que me proporcionou este grande momento, que me deixa muito orgulhoso. Esta é uma medalha de carreira, conseguida com muita tenacidade e ambição», referiu, dizendo ainda que tal se deve «ao apoio da Federação Portuguesa de Atletismo, do meu clube, Sporting Clube de Portugal, e até do meu próprio investimento, da experiência e sabedoria de todos, com a abnegação da minha treinadora. Toda a experiência acumulada proporcionou este resultado».

Agora, João Vieira quer «é desfrutar deste momento, deste feito. Recuperar bem e olhar em frente, pois Tóquio está já aí ao virar da esquina». E, a propósito disso, o mais velho medalhado em todos os Campeonatos do Mundo, confessou que a sua carreira continuará. «Era minha intenção terminar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, mas vou ponderar fazer mais um mundial, para somar 12 ao currículo», concluiu.

Inês Henriques

Inês Henriques desfalecimento leva-a a desistir

Ao mesmo tempo disputava-se a competição feminina de 50 km marcha, com Inês Henriques a ter uma excelente prestação até metade da prova, descaindo depois, até que foi forçada a desistir, depois de um desfalecimento que a levou a ser assistida na tenda médica. Ainda demorou algum tempo a recuperação da atleta, que defendia o seu título mundial.

Mara Ribeiro

A estreante Mara Ribeiro terminou a prova

Enquanto isso, na estrada ainda competia Mara Ribeiro, que terminou em 15º lugar, em 4.58.44 horas. «Saio satisfeita, pois é o meu primeiro campeonato do Mundo, e atendendo às circunstâncias, de calor e humidade, terminar já foi um feito», resumiu a atleta, que agora pretende ir de férias, «pois a época foi muito longa».

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta