Liliana Cá, líder mundial a caminho de Tóquio

Liliana Cá - Foto: Manuel Rocha

Sensacional Liliana Cá obtém recorde pessoal de 65,10 metros, qualifica-se para os Jogos Olímpicos e é líder mundial.

Texto: Federação Portuguesa de Atletismo
Fotos: Manuel Rocha

Liliana Cá a caminho de Tóquio e perto do Recorde Nacional

Depois de, a meio da semana, ter obtido um recorde pessoal lançando o disco a 63,28 metros, Liliana Cá voltou a mostrar todo o seu bom momento de forma nos Campeonatos Nacionais de Lançamentos Longos.

Os Campeonatos realizaram-se em Vagos, ao alcançar um novo máximo com o registo de 65,10 metros, no seu único ensaio válido!

Esta marca permite a qualificação direta da atleta do Novas Luzes para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2021, elevando-a também a líder mundial do ano.

Este registo fica a escassos 30 centímetros do recorde de Portugal (65,40) que foi estabelecido em 1998 por Teresa Machado.

Foi o quarto título de Liliana Cá, que alcançou o seu primeiro triunfo há 15 anos (2006) e que venceu depois em 2009 e 2011!

Liliana Cá
Liliana Cá – Foto: Manuel Rocha

Irina Rodrigues (Sporting), a sua grande rival em Portugal, foi segunda com 61,88 metros, a sua melhor marca do ano.

Ivanilda Lopes, Benfica, sagrou-se campeã de Esperanças.

Já no lançamento do dardo, Cláudia Ferreira (Sporting) abriu a sua época com um lançamento a 51,87 metros, para assegurar o seu terceiro título nacional consecutivo.

Bárbara Bica obteve o título de Esperanças.

No martelo feminino, 18º título para a veterana (40 anos) Vânia Silva, do Sporting, que conseguiu a sua melhor marca do ano (59,10 metros), à frente da júnior Eva Gonçalves, do Cucujães, que conseguiu um recorde pessoal (47,87 metros).

Provas masculinas também interessantes

A prova de lançamento do dardo estava “marcada” com o recente recorde de Portugal (78,44 metros) obtido por Leandro Ramos.

O atleta do Benfica entrou bem na competição, com um lançamento de 73,40 metros, mas apenas no seu último ensaio conseguiu melhorar centímetros para o registo final (73,58 m), que lhe proporcionou o segundo título absoluto e de Esperanças.

No lançamento do disco masculino, Edujose Lima (Sporting), obteve o seu segundo título (primeiro em 2019), com a marca de 56,89 metros, enquanto Cleide Lopes (C Benfica Faro), quarto classificado, com 48,49 m, se sagrou campeão de Esperanças.

Já no que concerne ao martelo masculino, registou-se um bom despique, de novo, com António Vital e Silva (Benfica) a fazer valer o seu estatuto e a triunfar com um lançamento de 69,42 metros, para o sétimo título consecutivo.

Na segunda posição, Ruben Antunes (Sporting) também conseguiu o seu melhor registo da temporada (67,29 m), sagrando-se campeão de Esperanças.

Parceiros

Deixe uma resposta