Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Malhão, Miguel Ángel López ganha e Evenepoel resiste

O colombiano Miguel Ángel López (Astana Pro Team) conquistou hoje a quarta etapa da 46.ª Volta ao Algarve Cofidis, no alto do Malhão, Loulé, depois de percorridos 169,7 quilómetros, desde Albufeira.

O belga Remco Evenepoel (Deceuninck-Quick-Step) resistiu às investidas dos adversários e manteve a Camisola Amarela Visit Algarve, em igualdade de tempo com Daniel Martin (Israel Start-Up Nation) e Maximilian Schachmann (Bora-hansgrohe), segundo e terceiro, respetivamente.

Etapa do Malhão não desiludiu

A esperada etapa do Malhão não desiludiu, proporcionando emoção e espectáculo aos milhares de espetadores que se espalharam pela montanha louletana.

Um grupo com cerca de 30 unidades entrou na subida final, durante a qual se sucederam os esticões, com Amaro Antunes (W52-FC Porto) a ser o mais inconformado. Até aos 500 metros finais nenhuma iniciativa resultou, mas, nessa altura, Miguel Ángel López fez o ataque decisivo.

malhão
Miguel Ángel López

Miguel Ángel López fez o ataque decisivo no Malhão

O colombiano arrancou com confiança. O irlandês Daniel Martin tentou responder, mas o melhor que conseguiu foi a segunda posição, a 2 segundos. Remco Evenepoel sofreu para chegar no terceiro lugar, a 4 segundos do vencedor.

Tive boas sensações na subida do segundo dia [Fóia] e contava estar bem para discutir esta etapa, apesar de ser a minha primeira corrida da temporada. Estou satisfeito com a vitória e quero dedicá-la à minha família.

Os meus companheiros de equipa protegeram-me do vento durante toda a etapa e conseguiram posicionar-me bem à entrada da subida final. Ataquei de longe para me isolar e consegui uma vantagem importante que foi suficiente para ganhar.

O triunfo aqui é um sinal positivo. No contrarrelógio vou dar o meu melhor para uma boa classificação. Depois do Algarve os próximos objetivos serão o Paris-Nice e a Volta a Catalunha”, revelou o vencedor do dia.

malhão
Remco Evenepoel

Três primeiros da classificação geral empatados

Com estes resultados, a Volta ao Algarve Cofidis ficou ainda mais emocionante, chegando à última etapa com os três primeiros da classificação geral empatados em tempo.

Remco Evenepoel, Daniel Martin e Maximilian Schachmann partirão sem diferenças para o exercício individual de Lagoa. Mas a concorrência também não está longe. Miguel Ángel López é quarto, a 1 segundo, Rui Costa (UAE Team Emirates) é quinto, a 3. Seguem-se Amaro Antunes e Bauke Mollema (Trek-Segafredo), a 18.

Não foi um dia fácil, antes pelo contrário. A aproximação ao final foi algo nervosa, mas a minha missão era clara. Vigiar os adversários mais perigosos na classificação geral e conservar a camisola amarela.

Perdi alguns segundos para o Miguel [Ángel López] o que me levará a encarar o contrarrelógio de amanhã ainda com mais motivação”, promete o chefe-de-fila da Deceuninck-Quick-Step.

Definidas parecem estar as classificações dos pontos e da juventude, com Remco Evenepoel a ser dono da Camisola Branca IPDJ e o colega de equipa Fabio Jakobsen a vestir a Camisola Vermelha Cofidis desde o primeiro dia.

A UAE Team Emirates comanda por equipas.

Luta pela Camisola Azul

A etapa assistiu também à luta pela Camisola Azul Lusíadas, de melhor trepador.

Essa disputa aconteceu na fuga do dia, por intermédio de Tiago Antunes (Efapel) e Dries de Bondt, que saíram do pelotão ao quilómetro 12, na companhia de David González (Caja Rural-Seguros RGA), Tom Devriendt (Circus-Wanty Gobert), Daniel Hoelgaard (Uno-X Norwegian Development Team), Luís Mendonça (Efapel), Rafael Lourenço (Kelly-InOutBuild-UDO), Daniel Freitas (Miranda-Mortágua) e João Rodrigues (W52-FC Porto).

O belga foi mais forte e só tem de concluir a última etapa para levar a Camisola Azul Lusíadas para casa.

O concelho de Lagoa recebe, neste domingo, o desfecho da 46.ª Volta ao Algarve Cofidis, sendo palco do contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros, que determinará o vencedor de uma corrida emocionante e equilibrada como não há memória.

Texto: União Velocipédica Portuguesa – Federação Portuguesa de Ciclismo
Fotos: João Fonseca Photographer

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta