Coluna Dto
Coluna Esq

Miguel Salgueiro é o primeiro líder nos Azores

Etapa inaugural do Grande Prémio Azores – Volta a São Miguel assinalada com o triunfo de Miguel Salgueiro, primeiro camisola amarela da prova. Grupo de 12 elementos avantajou-se na classificação geral.

Miguel Salgueiro foi o mais forte

O arranque dia do Grande Prémio Azores – Volta a São Miguel terminou com o triunfo ao sprint de Miguel Salgueiro, o mais forte findos os 99 quilómetros entre Ponta Delgada e Nordeste.

Numa etapa que cruzou localidades como Ribeira Grande, Capelas, Bretanha, Ginetes e Relva, aflorando por vezes a margem com o Oceano Atlântico, o corredor da Sicasal-Constantino fez a diferença nos metros finais e, diante de um grupo restrito, impôs a sua vontade deixando o polaco Pawel Szotska (Kuota/C.Paulino-Oviedo) na segunda posição.

Szotska terminou com o mesmo tempo do vencedor, 2h40m46s. As posições imediatas foram igualmente preenchidas por corredores forasteiros, ainda que com segundos perdidos para o vencedor do dia: o espanhol Javier Jorda (Ginestar) foi terceiro classificado, a dois segundos, sendo seguido pelos compatriotas Raul Rico (Vito/Feirense) e Alberto Alvarez (Ginestar). Pedro Andrade (Vito/Feirense) foi sexto classificado, igualmente a dois segundos.

Grande Prémio Azores – Volta a São Miguel

A primeira etapa do Grande Prémio Azores – Volta a São Miguel, competição destinada ao pelotão Sub-23 (Equipas Continentais e de Clube) apresentava um desnível acumulado de 2928 metros de subida e revelou, no final, uma dureza inesperada para grande parte do pelotão participante de 14 equipas, refletida nas diferenças de tempo registadas: o 13.º classificado atrasou-se 2m30s. Esta seleção de valores isolou um grupo de 12 homens em condição favorável para a discussão da classificação geral individual.

A viagem entre Ponta Delgada e ponta Nordeste da ilha de S.Miguel apresentava três contagens de montanha, num crescendo de dificuldade antes dos quilómetros finais, em constante sobe e desce. Primeiramente, ao km 47, escalou-se o Cerrado dos Bezerros (2.ª categoria), subiu-se depois em Agrião (3.ª categoria) antes da subida final à Tronqueira (1.ª categoria), com uma inclinação média de 6,2 por cento.

Corrida assinalada por frequentes ataques

Numa corrida assinalada por frequentes ataques e sem uma escapada que vingasse, Pedro Andrade (Vito/Feirense) decidiu tentar a sua sorte na última subida pontuável. A audácia do corredor feirense, no entanto, não vingou, dado o ritmo imposto na sua perseguição. Com a corrida aberta a discussão da etapa deu-se de acordo com a seleção natural de valores. Na chegada, Miguel Salgueiro foi o mais forte do grupo de 12 elementos.

A Sicasal/Constantino dominou as classificações do dia, impondo-se individualmente com Miguel Salgueiro, igualmente líder dos pontos e da juventude. Daniel Silva, da mesma equipa, é o líder da classificação da montanha (camisola azul). Coletivamente, a Vito/Feirense posiciona-se em primeiro lugar na geral por equipas.

Vito/Feirense

No alinhamento da classificação geral, numa competição sem bonificações atribuídas, Salgueiro encima a tabela ainda que em igualdade de tempo com o polaco Pawel Szotska, segundo classificado e seu mais direto rival na luta pela camisola amarela.

Texto: União Velocipédica Portuguesa – Federação Portuguesa de Ciclismo
Fotos: DJ Sousa Fotografia

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta