Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Ricardo e Beatriz os melhores lusos no Portugal O’Meeting

Foi com particular emoção que a cidade da Figueira da Foz, a Associação Desportiva do Mondego e toda a organização do Portugal O’Meeting 2019, deu as boas-vindas aos participantes, a quem os acompanhou e acompanhou o evento, que hoje terminou, assistindo à vitória dos suecos, e de Ricardo Esteves e de Beatriz Sanguino a serem os melhores portugueses.

Portugal O’Meeting 2019

O maior evento do calendário desportivo da orientação nacional, e que reforçou esse estatuto ao superar os recordes de participação, nunca alcançados em Portugal

E porque o nível organizacional da prova já atingiu patamares muito elevados, sobra sempre grande responsabilidade para quem, ano após ano, se abalança à organização de mais um POM.

E é também por isso que, gostando de receber de braços abertos quem os visita, gostando de mostrar o que é seu, gostando de partilhar, de trabalhar e amando a orientação, trabalharam para este sucesso.

Aceita o nosso desafio e vem-nos ajudar a tornar o POM 2019 numa prova inesquecível.” foram as palavras da organização antes da sua realização, e após a finalização do evento, tornaram-se realidade.

Foto: O-Portugal

Na orientação a rivalidade é só na floresta com o mapa na mão

Vitor Rodrigues director do POM declarou à nossa equipa de reportagem “O balanço final que fazemos do POM é extremamente positivo, porque bateu os recordes de participação e efectivamente tudo o que nos reportaram sobre a organização foi positivo.

Vitor Rodrigues – Director do evento

Acrescentando “O tempo ajudou, as condições foram muito boas para a prática da orientação, e a qualidade dos mapas também favoreceu, tudo conjugado permitiu trazer à Figueira da Foz o maior número de orientistas que alguma vez esteve presente numa prova da modalidade em Portugal.

Para concluir com “Deixar uma nota de agradecimento a todos quantos nos ajudaram a colocar de pé este evento, uma nota a todos os clubes que nos ajudaram a organizar a prova, o que trás naturalmente uma percepção, que a orientação é uma modalidade diferente de todas as outras, a rivalidade entre clubes é só em competição, na floresta com o mapa na mão, quando se trata de organizar eventos, todos os clubes se ajudam, inter-ajudam para o sucesso da modalidade, para a sua promoção, porque todos beneficiaremos.

Suecos vencem ambos os sexos.

Os Suecos Max Peter Bejmer (IFK Göteborg) e Johanna Öberg OK Linné venceram a XXIV edição do Portugal O’ Meeting

Quando em 1996 os Amigos do Atletismo de Mafra, organizaram a I edição do Portugal O’ Meeting, na Tapada Real, a Federação Portuguesa de Orientação não tinha a noção que este evento viria a ser o mais importante evento de Orientação do mundo na época de inverno. O POM não pára de crescer e em 2019 bateu todos os Recordes de participação.

O programa do Portugal O’ Meeting terminou hoje com a realização de uma prova de distância Longa no Mapa de Quiaios.

Max Peter Bejmer – Foto: Nuno Leite

Max Peter Bejmer obteve a primeira vitória no Portugal O Meeting

Max Peter Bejmer (IFK Göteborg) segurou a liderança da competição desde o início da última etapa conseguindo desta forma a sua primeira vitória na geral do Portugal O Meeting.

Johanna Öberg – Foto: Escola Profissional de Montemor-O-Velho

Johanna Öberg recupera e vence Portugal O Meeting

No escalão feminino a Sueca Johanna Öberg, de 23 anos, em representação do clube sueco OK Linné, foi a grande vencedora. Johanna partiu para a última etapa com uma desvantagem de cerca de 1 minuto recuperou esta diferença e conseguiu assim cortar a meta em primeiro lugar.

Ricardo Esteves  e Beatriz Sanguino os melhores portugueses

Os melhores portugueses foram Ricardo Esteves (ADFA) em 11º e Beatriz Sanguino (CPOC) em 36º e OPraticante.pt entrevistou-os.

Ricardo Esteves – Foto da página do atleta

“Consigo lutar com os melhores do mundo da orientação” Ricardo Esteves

Foi uma grande surpresa para mim, e de certo para o resto da comunidade portuguesa de orientação.
Estive 5 meses sem pegar num mapa, o que é bastante tempo sem rotina de orientação.
Senti um grande choque no primeiro dia de competição, no qual tive bastantes dificuldades em conciliar a corrida com a leitura de mapa.” começou por dizer Ricardo Esteves

Prosseguindo “No segundo dia pareceu que me tinha dado um “clique” no cérebro.
Aí senti um bom “flow” de orientação, ainda assim com alguma dificuldades e hesitações.
No terceiro dia, etapa WRE, decidi entregar-me verdadeiramente à competição.
Consegui fazer uma prova estável na primeira parte da corrida, mas acabei por cometer demasiados erros na segunda parte onde quis impor um ritmo mais forte, afastando-me, assim, dos melhores atletas.

Na última etapa, uma prova de chasing start, bastante longa (para mim).
Parti a poucos segundos de vários atletas de nível.
O objetivo era controlar o grupo sem nunca perder contacto com o mapa.
Ao longo da corrida fomos apanhando outros atletas e / ou deixando outros para trás.
Na parte final dei uma queda sobre o meu joelho, que tem tido alguns problemas nas últimas semanas, ainda assim mantive com o grupo, que ficou reduzido a 3 atletas.

Para concluir “A caminho do último ponto, houve um grande ataque da parte dos outros dois atletas, e eu, não tendo consciência que me encontrava na luta pelo top 10 deixei-me ficar, para não forçar em demasia o joelho.
Apesar de tudo fico feliz com o resultado.
Isto significa que ainda consigo lutar com os melhores do mundo da orientação.
Este ano os únicos objetivos que tenho para a orientação são a TioMila e, eventualmente, os campeonatos nacionais da Finlândia.

Beatriz Sanguino – Foto da página da atleta

Beatriz Sanguino “Primeiro dia foi bastante positivo e motivador”

Beatriz Sanguino referiu “Comecei o POM com uma boa prova, tendo me adaptado bem ao mapa logo de início.
O segundo dia já não foi tão bom, tendo cometido bastantes erros, apesar de gostar dos mapas onde se realizaram as várias provas.
Por último na terceira etapa torci o pé e apesar das dores consegui terminar, tendo de ir mais devagar tanto no resto da prova desse dia, como no dia seguinte, tive de gerir a vantagem que tinha em virtude da lesão.
O resultado do primeiro dia foi bastante positivo e motivador, mas agora há que recuperar da lesão,e traçar próximo objectivo.

Foto: O-Portugal

Classificação Geral da Super Elite Masculina

1º Max Peter Bejmer – IFK Göteborg – (SWE) – 3:12:19
2º Miika Kirmula – KR – (FIN) – 3:17:35
3º Hannu Airila – KR – (FIN) – 3:18:34
4º Michal Olejnik – SNO – (SWE) – 3:24:44
5º Wojciech Kowalski – Tyrving – (NOR) – 3:26:36
6º Mathieu Perrin – NOSE – (FRA) – 3:26:46
7º Johan Ek-Larsson – SNO – (SWE) – 3:26:51
8º Santeri Silvennoinen – KR – (FIN) – 3:27:17
9º Jakob Andersson – OK Linné – (SWE) – 3:30:43
10º Adrien Delenne – ACA Aix-en-Prov – (FRA) 3:30:49
11º Ricardo Esteves – ADFA – (POR) – 3:30:54

Classificação Geral da Elite Feminina

1ª Johanna Öberg – OK Linné – (SWE) – 3:22:21
2ª Megan Carter-Davies – RR – (FIN) – 3:23:51
3ª Eveliina Hirvonen – Halden SK – (NOR) – 3:27:35
4ª Eva Jurenikova – Halden SK – NOR) – 3:30:15
5ª Rebecka Heinrup – Tullinge SK – (SWE) – 3:30:24
6ª Maren Jansson Haverstad – Tyrving – (NOR) – 3:33:28
7ª Tatsiana Voveriene – Devyni – (LTU) – 3:40:33
8ª Johanna Trummer – OK – Linné – (SWE) 3:40:51
9ª Silja Kauppinen – KR – (FIN) – 3:46:30
10ª Nymalm Amy – Pargas IF – (FIN) – 3:46:47
36ª Beatriz Sanguino – CPOC – (POR) – 4:28:29

Poderá ver a lista completa dos resultados ou ver os mapas.

Para saber tudo sobre a próxima edição da prova, o POM 2020 visite o website do evento.

[dividir ícone = “círculo” width = “medium”]

Texto: Fernando Costa / Henrique Dias
Fotos: Escola Profissional de Montemor-O-Velho / O-Portugal / Nuno Leite

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta