Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

São Silvestre do Montijo transmite o espírito natalício

A 19 de dezembro realizou-se a terceira edição da São Silvestre do Montijo, prova muito bem organizada pela Escola de Atletismo Francisco Mariano, conjuntamente com a Câmara Municipal do Montijo, comércio local e “O Praticante” como média partner.

sao silvestre montijo01“Escola de Atletismo Francisco Mariano”, um projeto liderado pelo técnico de atletismo que dá o nome à escola, na formação de atletas para a modalidade.

Para conhecer o seu trabalho clique aqui e siga-os.

Os campeões não surgem por acaso, é preciso descobri-los, e o trabalho de formação é fundamental. Felizmente, as escolas de atletismo apesar da falta de apoios vão surgindo em Portugal, um pouco por todo o país, muito à custa da paixão de treinadores e outras pessoas que gostam da modalidade.

Tem por finalidade promover a participação do maior número de crianças, jovens e adultos, num vasto leque de atividades regulares e pontuais, a desenvolver ao longo do ano, bem como, criar as condições para um enquadramento adequado de todos os participantes que queiram optar pelo quadro competitivo federado.

O Projeto pretende uma boa articulação a todos os níveis da organização, envolvendo as estruturas da modalidade e as forças vivas do concelho do Montijo.

Para além da área de formação, a escola apostou também na organização de eventos, e estão de parabéns, os até agora realizados, foram um sucesso, e prova de tal facto está este evento na sua terceira edição.

Pois não é fácil orientar o trânsito e principalmente num sábado à tarde, a prova realizou-se num percurso envolvendo o centro da cidade do Montijo, iniciando e terminando na Praça da República, local central da cidade, onde fica localizada a Igreja Matriz do Divino Espírito de Santo e o Coreto. Nesta época de Natal é a zona da cidade que melhor transmite o espírito natalício com as iluminações de Natal e a realização de diversos eventos, como foi o caso da São Silvestre.

sao silvestre montijoA Igreja Matriz do Divino Espírito de Santo, teve construção no início do século XV, com posteriores reconstruções. Originalmente de nave única e linhas sóbrias onde se destacava um campanário possuía um alpendre construído sob pilares com peitoril de pedra que a circundava entre a porta principal e o alçado lateral sul. Entre 1528 e 1534 sofreu obras de remodelação, sendo dessa altura a construção da abóbada da capela-mor em alvenaria de características manuelinas, cujas chaves de pedraria ostentam ao centro, um vaso florido e nos bocetes secundários motivos vegetalistas. No século XVII foi profundamente remodelada sendo desta altura a edificação da segunda torre, a abertura das portas laterais, a construção do guarda-vento bem como da arcaria interna que a divide em três naves de abóbada de berço separadas por arcos de volta perfeita e quatro colunas toscanas.

No total participaram cerca de 250 atletas e outros tantos caminheiros, antes e durante a prova decorreu um presépio
vivo, junto à partida, que animou os atletas e acompanhantes

As provas começaram às 17 horas, com a são silvestre para os mais jovens (uma das poucas que tem provas para os mais pequenos) desde os benjamins aos juvenis, todos a percorrer um quilómetro (para os maiores acho pouco, pois é muito rápido) no que diz respeito aos escalões a partir de juniores até veteranos, percorreram a distância de 10km, bastante rápidos, com uma volta pequena e duas grandes em volta do centro do Montijo, bastante animada a prova principal, tendo sido ganha por José Gaspar Obimarq em 32m 57s, que levou a melhor sobre Paulo Guimarães – AMCorrida – 33:04 em segundo e Pedro Ribeiro – Benaventense – 33:17, terceiro concluíram o pódio, um agradável despique final entre os três primeiros para gáudio da população, familiares e atletas que assistiam, em femininos foi Francisca Morgado – Individual, a levar a melhor em 44.29 Míriam Lopes – AMCorrida – 46:21 e Isabel Nunes – Individual – 47:34, ocuparam os lugares seguintes do Pódio, mas sem o espectáculo da final masculina.

A equipa de “O Praticante” esteve representada por Jorge Soares 6º juvenil e António Soares 3º veterano 4.

Texto: António Soares

Foto C.M.Montijo

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta